SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DO BIOETANOL A PARTIR DO RESÍDUO DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS L. (LAM.))

Marcelo dos Santos Damasio Gomes, Hídila Souza Teixeira da Silva, Eduardo Nunes da Silva Filho, Lígia Marcondes Rodrigues dos Santos, Cristiane de Souza Siqueira Pereira

Resumo


A fim de minimizar o desperdício de alimentos e maximizar o reaproveitamento destes como matéria primas renováveis, destaca-se a batata-doce como alternativa de matéria-prima para produção do bioetanol. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o potencial energético do resíduo de batata-doce para produção de bioetanol utilizando para a fermentação alcoólica um fermento comercial onde sua composição possui a levedura Saccharomycescerevisiae. Esses resultados foram comparados com a simulação no software SuperProDesing e estudos realizados usando fontes energéticas. Através das análises preliminares físico-químicas, ensaios experimentais e a simulação do processo de fermentação, estes constataram a viabilidade da produção de álcool utilizando a batata-doce como resíduo. Os resultados mostraram um volume de álcool promissor. Como a produção de etanol envolve o uso total dos resíduos como fonte energética, isso contribui com a diminuição de resíduos desperdiçados anualmente no mundo.


Palavras-chave


Simulação; Bioetanol; Batata-doce.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Y. V.; OLIVEIRA, M. A. G.; GUERRA, S. M. G. Energia, economia, rotas tecnológicas: Textos selecionados. I Edição. Málaga: Eumed.Net, 2010. Disponível em < http://www.eumed.net/libros-gratis/2010e/827/index.htm >. Acesso em: 19 Set 2018. ISBN 978-84-693-6489-5.

ANP. Biocombustíveis. Brasília: Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2016. Disponível em . Acesso em: 17 Out 2018.

BIOCANA. Estudo revela cana e ATR necessários para produzir etanol e açúcar. Catanduva: BIOCANA Associação de Produtores de Açúcar, Etanol e Energia, 2010. Disponível em:. Acesso em: 15 Out 2018.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS (CGEE). Bioetanol de cana-de -açúcar : energia para o desenvolvimento sustentável. 1° Edição. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em < file:///C:/Users/marce/Downloads/Bioetanol%20da%20cana-de-acucar_P%20(1).pdf >. Acesso em: 22 Set 2018. ISBN 978-85-87545-24-4.

EMBRAPA. Como plantar batata-doce. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, 2008. Disponível em . Acesso em: 29 Out 2018.

FAO. Perdas e desperdícios de alimentos na América Latina e no Caribe. Roma: Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), 2018. Disponível em . Acesso em: 28 Ago 2018.

IAL (INSTITUTO ADOLFO LUTZ). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4 ed. São Paulo: IAL, 2008. 1018p. Disponível em . Acesso em: 25 Ago 2018. ISBN 9788533410387.

ORTIZ, S. Produção de bioetanol a partir de resíduos agroindustriais. 2010. 74f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química), Universidade Regional de Blumenau, Blumenau-SC, 2010. Disponível em . Acesso em: 29 Out 2018.

RIZZOLO, J. A. Estudo para o aproveitamento biotecnológico de variedades de batata-doce [Ipomoea batatas (L.) Lam] na fermentação alcoólica para a produção de etanol combustível e aguardente. 2014. 122 f. Tese (Pós-graduação em Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia) - Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014. Disponível em < https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/47464/R%20-%20T%20-%20JOANA%20ANTUNEZ%20RIZZOLO.pdf?sequence=1&isAllowed=y >. Acesso em: 17 Out 2018.

SILVEIRA, M. A. et al. A cultura de batata-doce como fonte de matéria prima para etanol. Boletim Técnico da Universidade Federal de Tocantins – UFT, Tocantins, 2008. 38 p. Disponível em . Acesso em: 21 Set 2018.

Torres, L. M.; Leonel, M.; Mischan, M. M. Concentração de enzimas amilolíticas na hidrólise do amido de gengibre.Ciência Rural, Santa Maria, v.42, n.7, p.1327-1332, jul, 2012. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/cr/v42n7/a19212cr4211.pdf>. Acesso em: 08 Out 2018. ISSN 0103-8478

VIEIRA JÚNIOR, A. Alfa e beta-amilase no metabolismo do amido durante o amadurecimento da banana: clonagem, expressão e caracterização molecular. 2006. 91f. Tese (doutorado) – Faculdade de Ciências Farmacêutica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em < http://pct.capes.gov.br/teses/2006/926568_6.PDF>. Acesso em: 07 Out 2018.

ZANIN, G. M. et al. Brazilian Bioethanol Program. Applied Biochemistry and Biotechnology. v. 84-86, p. 1147-1161, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE (ISSN: 2447-5580)