OTIMIZAÇÃO DO EFEITO DA APLICAÇÃO DO EXOGEL COM ALTERAÇÃO NA COMPOSIÇÃO BASE

Nayara Montella da Silva, Elisa Barbosa Marra, Moisés Teles Madureira, Raphael Alves dos Santos, Luiz Felipe Caramez Berteges, Luciene Pinto Soares

Resumo


O para-raios atua de modo que a descarga atmosférica possa entrar ou sair do solo sem passar através das partes condutoras da estrutura ou através de seus ocupantes, não danificando-os ou causando acidentes. Porém, sua eficiência depende de o solo onde o aterramento seja feito, esteja com uma baixa resistividade, ou seja, dentro dos valores de Ohms permitidos para segurança pela ABNT NBR 7117 e ABNT NBR 5419. O exogel é utilizado para tratamento dos solos onde a resistividade está acima da permitida. Ele apresenta características técnicas excepcionais para o aterramento tendo em vista sua formulação à base de óxidos, o mesmo possui boa condutividade elétrica (dispersão elétrica), alto grau de higroscopia, estabilidade no valor da resistência de aterramento, além de não agredir o solo. O objetivo do artigo é otimizar a funcionalidade do exogel, substituindo o Óxido de Sódio pelo óxido de Ouro III, de forma que o mesmo diminua ainda mais a resistividade do solo sem agredi-lo. A escolha do componente a ser substituído e do substituto, deu-se através de pesquisa bibliográfica. Obtendo-se resultado satisfatório

Palavras-chave


Resistividade, Óxido de Ouro III, Exogel.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 5419: Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. ABNT: Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 7117: Medição de resistividade do solo pelo método dos quatro pontos (Wenner). ABNT: Rio de Janeiro, 1981.

BONIFÁCIO, Leonardo da Silva. Processos de agregação e fusão de nanopartículas de ouro: Uma abordagem química. 2006. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2018.

DE PAIVA, Amanda Romão. Estudo das Descargas de Retorno e Componentes M e sua Detecção por Sistemas de Localização de Relâmpagos. INPE, São José dos Campos, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018.

EDUFER. Tabela de resistividade dos materiais condutores, semicondutores e isolantes. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

ELEMENTOS QUÍMICOS. Sódio. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

ELETRICISTA CONSCIENTE. Resistência e resistividade do terreno. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.

HARLAND, W. B.; HACKER, Jennifer LF. Fossil lightning strikes 250 million years ago. Adv. Sci, v. 22, p. 663-671, 1966.

INPE. Edificações/para-raios. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2018.

GARY, Claude. La foudre: des mythologies antiques à la recherche moderne. Elsevier Masson, 1994.

LIMA, Kellen Carla; GOMES, Roseli Gueths. Detecção de descargas elétricas atmosféricas em sistemas convectivos com dados do SIMEPAR. Revista Brasileira de Geofísica, v. 27, n. 1, p. 5-16, 2009.

MODENA, Jobson; SUETA, Hélio. Fascículo XI - Aterramentos elétricos: Medição da resistividade do solo 70ª ed, 2011. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.

NOGUEIRA, Roberto Luís Santos. Análise de Sistemas de Aterramento sob Solicitações impulsivas: Otimização e Critérios de Segurança em Aterramentos de Estruturas de Linhas de Transmissão. 2006. Tese de Doutorado. Dissertação de mestrado submetida à Universidade Federal do Rio de Janeiro.

NOVO, Rodrigo Gomes da Silva Lourenço et al. Sistema sensor para detecção de descargas atmosféricas em linhas de transmissão de energia elétrica. 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018.

PINTO JR, Pinto Junior; DE ALMEIDA PINTO, Iara Regina Cardoso. Tempestades e relâmpagos no Brasil. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2000.

RAKOV, Vladimir A.; UMAN, Martin A. Lightning: physics and effects. Cambridge University Press, 2003.

SABER ELÉTRICA. Descargas elétricas, como são formadas e como se prevenir. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

WR ENGENHARIA. Resistividade do solo. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE (ISSN: 2447-5580)