AVALIAÇÃO DA CARGA DE TRABALHO EM UMA OPERADORA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NA REGIÃO DOS LAGOS

Allana Kedry de Matos Mattos, Gabriel Pacheco Casemiro, Maximilliano dos Santos Alves, Douglas Vieira Barboza, Marcelo Jasmim Meiriño

Resumo


É sabido que a rede pública de saúde costuma não atender as demandas da população com a qualidade requerida e este pode ser um dos motivos para a proliferação das operadoras de planos de saúde particulares. Tais operadoras acabam demandando um grande número de profissionais e embora atue no mercado de saúde, alguns setores de certas unidades podem não ter a atenção requerida em termos de saúde do trabalhador. Assim este estudo se preocupa em avaliar a carga de trabalho de operadores que realizam as atividades de tecnologia da informação e marketing em uma organização deste tipo, para isso foi realizada uma coleta de dados e posterior aplicação do método semiestruturado para avaliação de fatores humanos, NASA-TLX. É evidenciado nos resultados que o maior fator na carga de trabalho é a demanda temporal, onde o indivíduo se percebe pressionado para que uma tarefa no menor prazo possível e/ou faça mais tarefas em menos tempo

Palavras-chave


Serviços de saúde; ergonomia; fatores humanos; carga de trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, T. M., Pinho, P. S. & Almeida, M. M. G. (2005). Prevalência de transtornos mentais comuns em mulheres e sua relação com as características sociodemográficas e o trabalho doméstico. Revista Brasileira de Saúde Materno-Infantil, 5 ( 3), 337-348.

Barboza, D. V., Boeta, L. M. M. & Silva-Júnior, A. J. (2016). Avaliação da carga de trabalho em garçons de um restaurante em Niterói utilizando o método NASA-TLX. Projectus, 1(1), 67-70.

Baumer, M. H. (2003). Avaliação da Carga Mental de Trabalho em pilotos da Aviação Militar. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Corrêa, F. P. (2003). Carga mental e ergonomia. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Dejours, C. (1980) Travail: usure mentale – essai de psychopathologie du travail. Paris: Du Centurion.

Hart. S. G., Battiste, V & Lester, P. (1984, outubro) POPCORN: A supervisory control simulation for workload and performance research. 20th Annual Conference on Manual Control. Washington, D. C., United States of America.

Hart, S. G. E & Staveland, L. E. (1988). Development of NASA-TLX (Task Load Index): Results of empirical and theoretical research. In: P.A. Hancock & N. Meshkati (Eds.). Human mental workload. Amsterdam: North- Holland.

Moray, N. (1988). Mental workload since 1979. International reviews of Ergonomics, 2, 123-150.

TURISRIO (Secretaria de Estado de Turismo – RJ). (s. d.). Projetos. Recuperado em 21 outubro, 2018, de .

WARD, D. (1996). The Measurement of Drivers' Mental Workload. Netherlands: 1996, Tese de doutorado, University of Groningen, Netherlands.

WISNER, A. (1994). A inteligência no trabalho: Textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE (ISSN: 2447-5580)