AVALIAÇÃO DO IMPACTO DE INICIATIVAS CONSERVACIONISTAS NO SERVIÇO ECOSSISTÊMICO DE CONTROLE À EROSÃO HÍDRICA

Marllus Henrique Ribeiro de Paiva, Dirlane de Fátima do Carmo, Rachel Bardy Prado

Resumo


O tipo de uso e cobertura da terra, bem como manejo do solo e da água na agricultura podem influenciar na quantidade de nutrientes e sedimentos lixiviados pelos processos erosivos, pondo em risco a qualidade dos serviços ambientais. Neste trabalho, buscou-se identificar o estado da arte de pesquisas realizadas no Brasil e na América Latina sob seu aspecto metodológico, voltadas à avaliação do impacto de iniciativas conservacionistas nos serviços ecossistêmicos de perda de solos e controle à erosão. Para tal, realizou-se um levantamento e organização de publicações científicas em uma base de dados, contendo informações sobre modelos e parâmetros atualmente empregados. Foram levantados 85 artigos indexados, período (1990 até 2016), segundo uso de palavras chaves, nas seguintes bases de publicação internacionais: SCOPUS e WEB of SCIENCE. Os indicadores avaliados foram aplicados em métodos clássicos de estimativa de erosão, erodibilidade do solo e erosividade da chuva, seguidos de precipitação (26%), turbidez (10%) e vazão (10%). Dentre os modelos, verificou-se maior aplicação dos tradicionais, USLE, MUSLE, RUSLE e SWAT para a medição das taxas de potencial erosivo e geração de sedimentos (63%). Poucos (6%) aplicaram métodos para integração de indicadores na paisagem. 75% dos estudos foram desenvolvidos em áreas agrícolas, seguidos por florestas (28%) e pastagem (25%). Dos estudos analisados, a maioria foi no Brasil (65%), seguido de Chile e Costa Rica.


Palavras-chave


Processo erosivo; metodologias; modelos; indicadores.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, Alexandre. Pagamentos por serviços ecológicos: uma estratégia para a restauração e preservação da mata ciliar no Brasil? 2008. 121f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de Caxias do Sul. Rio Grande do Sul, 2008.

AMORIM, R. S. S.; SILVA, D. D.; PRUSKI, F. F. Principais modelos para estimar as perdas de solo em áreas agrícolas. In: Pruski, F. F. (ed.), Conservação de solo e água: Práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica, 2 ed., Cap. 4, Viçosa: Ed. Viçosa, 2009.

BENNETT, H.H: Elements of soil conservation, 2ª ed. Tokyo: Kogakusha. 1955.

BOYD, J.; BANZHAF, S. What are ecosystem services? The need for standardized environmental accounting units. Ecological Economics, Amsterdam, v. 63, n. 2-3, p. 616-626, 2007.

COSTANZA, R.;D‟ARGE, R. ;DE GROOT, R. ;FARBER, S. ;GRASSO, M. ;HANNON, B. ;LIMBURG, K. ;NAEEM, S. ;O‟NEILL, R.V. ;PARUELO, J. ;RASKIN, R.G. ;SUTTON, P. ;VAN DEN BELT, M. The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature 387, p. 253-260, 1997.

DAILY, G. C. (Ed.). Nature’s services: societal dependence on natural ecosystems. Washington, DC: Island Press, 1997. 392 p.

DE GROOT, R. S.; WILSON, M. A.; BOUMANS, R. M. J.A typology for the classification, description and the valuation of ecosystem functions, goods and services. Ecological Economics. V.41, n.3, p. 393-408, Jun, 2002.

ENSSLIN, L. et al. Avaliação do desempenho de empresas terceirizadas com o uso da metodologia multicritério de apoio à decisão-construtivista. Revista Pesquisa Operacional, v.30, n.1, p.125-152, 2012.

FISHER, B.; TURNER, K. R.; MORLING, P. Defining and classifying ecosystem services for decision making. Ecological Economics, Amsterdam, v. 68, n. 3, p. 643-653, 2009.

GUERRA, A. J. T. O início do Processo Erosivo. In: Erosão e Conservação dos Solos -Conceitos, Temas e Aplicações. A. J. T. GUERRA; SILVA, Antônio Soares e R.G.M. BOTELHO (orgs.). Rio de Janeiro, Editora Bertrand Brasil, 1999, pp. 15-55.

HARRINGTON, R. et al. Ecosystem services and biodiversity conservation: concepts and a glossary. Biodiversity and Conservacion, v.19, n.10, p.2773-2790, 2010.

JENKINS, H.; YAKOVLEVA, N. Corporate social responsibility in the mining industry: exploring trends in social and environmental disclosure. Journal of Cleaner Production, v. 14, n. 3, pp. 271-284, 2010.

KREMEN, C. Managing ecosystem services: what do we need to know about their ecology? Ecological Letters, v.8, p. 468-479, 2005.

MEA. Millennium Ecosystem Assessment. Ecosystems and human well-being: a framework for assessment. Washington, DC: Island Press, 2003. 245 p. Disponível em: . Acesso em 02 de Janeiro de 2018.

NELSON, E.; MONDOZA, G.; REGETZ, L.; POLASKY, S.; TALLIS, J.; CAMERON, D. R.; CHAN, K. M.A.; DAILY, G. C.; GOLDSTEIN, J.; KAREIVA, P. M.; LONDSDORF, E.; NAIDOO, R.; RICKETTS, T. H.; SHAW, M. R. Modelling multiple ecosystems services, biodiversity conservation, commodity production, and trade-offs at landscape scale. Drontiers Ecol. Environ., v.7, n.1, p.4-11, 2009.

ROQUE, C.G.; CARVALHO, M.P. & PRADO, R.M. Fator erosividade da chuva de Piraju (SP): distribuição, probabilidade de ocorrência, período de retorno e correlação com o coeficiente de chuva. R. Bras. Ci. Solo, 25:147-156, 2001.

WISCHMEIER, W. H.; SMITH, D.D. Predicting rainfall erosion losses: a guide planning. Washington:USDA,1978. (Handbook,537).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE (ISSN: 2447-5580)