PROCEDIMENTO PARA DEFINIÇÃO DE POSTOS DE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAGENS COM REAPROVEITAMENTO DE JORNADAS: O CASO VLI LOGÍSTICA

Isaias Pereira Seraco

Resumo


Os pontos onde ocorrerá a substituição das equipes responsáveis pela condução dos trens (equipagens), devem ser definidos de forma a minimizar os gastos oriundos de horas extras. Em função das características do modo ferroviário é necessário que ao longo da ferrovia sejam distribuídos postos de equipagens de maneira a possibilitar a coincidência entre a passagem das composições e o término da jornada de trabalho das equipes, viabilizando a substituição por outra que esta iniciando sua jornada. Um desequilíbrio na distribuição desses postos pode gerar encargos sobressaltados com horas extras, obrigando que as companhias construam novas instalações ou tenham que realizar as trocas em locais não previstos, gerando então, gastos ainda maiores. Em função dessa característica, esse estudo apresenta um método de definição de postos de troca de equipagens que, a partir da aplicação de um fluxograma de processos, objetiva estabelecer pontos estratégicos para a instalação de sedes de troca de equipagens buscando diminuir ao máximo a geração mensal de horas extras e ociosas, bem como possibilitar o reaproveitamento de jornadas em trens contrários, reduzindo dessa forma, custos decorrentes de deslocamentos rodoviários para o retorno das equipes aos postos de origem. Como desenvolvimento prático, o método foi aplicado ao trecho capixaba da ferrovia administrada pela empresa VLI Logística, possibilitando um novo modelo de troca de equipes com a redução de horas extras mensais.

Palavras-chave


Equipagem ferroviária; Ferrovia; Custos

Texto completo:

PDF

Referências


ANTT. Agência Nacional dos Transportes Terrestres, Declaração de rede 2016 – Malha Concedida, 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 de junho de 2018.

BRASIL. Tribunal Regional do Trabalho. Consolidação das Leis Trabalhistas. 1943. Disponível em: . Acesso em: 21 de junho de 2018.

DERIGS, U. et al. Supporting strategic crew management at passenger railways—model, method and system. Public Transport, v. 2, p. 307–334, 2010.

FERNANDES, L. F. D. Novo modelo de gestão para alocação e controle de equipagens - Caso MRS Logística S. A. 2012. Monografia. (Especialização em transporte ferroviário de carga) - Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2012.

FUENTES, M.; CADARSO, L.; MARÍN, A. A new approach to crew scheduling in rapid transit networks. Transportation Research Procedia, v. 10, p. 554 – 563, 2015.

JÜTTE, S. et al. Optimizing railway crew schedules with fairness preferences. Journal of Scheduling, v. 20, p. 43–55, 2017.

JÜTTE, S. et al. Optimizing railway crew scheduling at DB Schenker. Interfaces, v. 41, n. 2, p. 109–122, 2011.

POTTHOFF, D. et al. Column generation with dynamic duty selection for railway crew rescheduling. Transportation Science, v. 44, n. 4, p. 493–505, 2010.

SANTOS, M. V. S. Estudo da alocação dos postos de equipagens: O caso da MRS Logística S/A. 2007. Monografia. (Especialização em Transporte Ferroviário de Carga) - Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2007.

SUYABATMAZ, A. Ç.; SAHIN, G. Railway crew capacity planning problem with connectivity of schedules. Transportation Research Part E, v. 84, p. 88–100, 2015.

TIAN, Z.; SONGA, Q. Modeling and algorithms of the crew scheduling problem on high-speed railway lines. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 96, p. 1443 – 1452, 2013.

VEELENTURF, L. P. et al. Railway crew rescheduling with retiming. Transportation Research Part C, v. 20, p. 95–110, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE (ISSN: 2447-5580)