Da rua à prisão: dois caminhos invisíveis que se entrelaçam

Carina Silva Barros

Resumo


O presente estudo teve como objetivo analisar a partir do ingresso da pessoa em situação de rua ao Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa (IPFDAMC), o processo de ruptura social, violação de direitos e criminalização que esta população sofre até chegar à prisão. A escolha em trabalhar com o tema se deu durante uma experiência de estágio em Serviço Social no IPFDAMC, o único estabelecimento penal para as mulheres do Estado do Ceará. O estudo revelou que a maioria das internas em situação de rua do IPFDAMC cometeram furtos ou roubos, algumas como forma de sobrevivência e outras com a finalidade de ser detidas para sair da rua.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.