SÍNDROME DE MARSHALL: ASPECTOS GENOTÍPICOS, FENOTÍPICOS, SUBJETIVOS E PRESSUPOSTOS INCLUSIVOS

Michell Pedruzzi Mendes Araújo, Sabrina da Silva Machado Trento

Resumo


Este estudo objetiva trazer à tona os aspectos fenotípicos e
genotípicos da síndrome de Marshall e, principalmente, concernentes ao
processo de inclusão dos sujeitos com essa síndrome na escola comum. Essa
síndrome é caracterizada por uma condrodisplasia de caráter genético, que se
classifica como autossômica dominante. A maioria dos estudos acerca da

Síndrome de Moebius aponta que as alterações relacionadas à síndrome deve-
se a uma mutação na região terminal do gene COL11A. Para atingir os

objetivos delineados foi desenvolvido um estudo de caso clássico com uma
aluna que possui a síndrome de Marshall. Os resultados obtidos foram
analisados a partir da perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento
humano, tendo Vigotski como principal referencial teórico porque entendemos
que essa perspectiva potencializa a compreensão do ser humano a partir das
relações sociais. É importante destacar que a teoria sócio-histórica, pautada no
materialismo dialético, nos fornece valiosas contribuições no que concerne à
realização de um estudo de caso clássico com um sujeito que possui uma
síndrome rara como a Síndrome de Marshall. Nesse ínterim, entende-se a
escola para além da socialização e integração, mas como um espaço de
aprendizagem e desenvolvimento das pessoas com ou sem deficiência. Por
meio do desenvolvimento dessa pesquisa é possível inferir que o processo de
inclusão escolar dos sujeitos com transtornos globais do desenvolvimento é
possível desde que eles sejam vislumbrados a partir de suas potencialidades e
os aspectos genotípicos e fenotípicos presentes nos laudos não sejam focalizados a partir de uma ótica limitadora e sim disparadores de novas/outras práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Síndrome de Marshall. Inclusão escolar. Escola comum.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.