O MODELO CONSTANTINIANO NAS REALEZAS GERMÂNICAS TARDO-ANTIGAS

Luís Eduardo Formentini

Resumo


O imperador romano Constantino é uma das figuras mais discutidas da historiografia tardo-antiga. Seu governo de aproximadamente trinta anos (306-337) é o marco inicial do processo de cristianização da instituição imperial romana e da figura do basileus, assim como o começo de relações mais estreitas entre Igreja e Império. Além disso, Constantino, após sua morte, foi transformado em exemplo de conversão ao cristianismo e modelo de imperador cristão, através da obra de Eusébio de Cesareia. Em nosso trabalho, discutiremos como esse “modelo constantiniano” foi utilizado, séculos depois, na construção da imagem do monarca ideal, no Reino Franco merovíngio e no Reino Visigodo da Hispânia.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Anais dos Encontros Internacionais UFES/PARIS-EST