A VIOLÊNCIA OBSTETRÍCA EM MULHERES ENCARCERADAS: UMA ANÁLISE DA REALIDADE DA PENITENCIÁRIA FEMININA DO DISTRITO FEDERAL

  • RAYANE NORONHA OLIVEIRA

Resumo

Resumo: O Brasil, atualmente, dispõe de uma das maiores populações encarceradas do mundo. Essa realidade possui determinações ancoradas numa formação sócio-histórica  de capitalismo periférico e dependente calçado num passado escravista-colonial. Este artigo analisa as condições relacionadas ao parto, durante o encarceramento, de doze mulheres na Penitenciária Feminina do Distrito Federal. O nosso percurso analítico se apropria da perspectiva feminista fundamentada no conceito de consubstancialidade, cuja emergência teórica ainda é recente no debate do Serviço Social. Uma das violências desveladas nessa pesquisa foi a obstétrica, correspondendo a um continuum punitivo, que atravessou a instituição prisional e a instituição hospitalar.

Palavras-chave: Violência obstétrica; mulheres encarceradas; consubstancialidade.

Publicado
2019-05-21
Seção
Comunicações orais - Serviço Social, Relações de Exploração/Opressão de Gênero, Raça/Etnia, Sexualidades