O protagonismo político das famílias de um CAPS

Ana Carolina Becker Nisiide, Maria Isabel Formoso Cardoso e Silva Batista

Resumo


Objetivou-se, nesse texto, refletir sobre o protagonismo político familiar em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) através da Associação de Pacientes, Familiares e Funcionários. Como resultado dessa pesquisa constatou-se que algumas famílias tentam lutar pelos seus direitos através da Associação; todavia, a falta de articulação, a pouca clareza em relação à Política de Saúde Mental e aos princípios da Reforma Psiquiátrica e a escassez de apoio político, limitam substancialmente as possibilidades de avanço dessa associação.


Palavras-chave


Família; Política de Saúde; Associação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18315/argumentum.v11i1.21680

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons