UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM IMPERATRIZ-MA: UM LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO

USE OF PERSONAL PROTECTION EQUIPMENT BY NURSING TEAM IN A PUBLIC HOSPITAL IN IMPERATRIZ-MA: A STATISTICAL SURVEY

  • Celso Eduardo Dutra Silva Faculdade de Imperatriz - FACIMP
  • Igor Labre dos Santos Universidade CEUMA
  • André Luís de Oliveira Cavaignac Universidade Ceuma Unversidade Federal do Maranhão Faculdade Vale do Aço
  • Ariadne Siqueira de Araújo Gordon Universidade Federal do Maranhão - Campus Imperatriz
  • Isabella Cristina Cunha Carneiro Instituto Florence de Ensino – São Luís
  • Francisca Taires Moura Araújo Prefeitura Municipal de Imperatriz
  • Janildes Maria Silva Gomes Universidade CEUMA

Resumo

Os equipamentos de proteção individual (EPIs) são materiais importante para a prevenção de acidentes. A proteção da pele, das mucosas, olhos, ouvidos, as roupas dos profissionais em sua atividade laboral, são fatores de relevantes, devido o constante contato desses profissionais com agentes patogênicos. Este trabalho descreve como está a utilização de EPIs pela equipe de enfermagem no Hospital Municipal de Imperatriz-HMI, com Enfermeiros e Técnicos de enfermagem, com caráter descritivo e abordagem quantitativa. Os dados foram coletados através de formulário composto por 18 questões, segundo a resolução nº 466/2012 CNS, aplicada após aprovação da comissão de ética e bioética da Faculdade de Imperatriz-DeVry/FACIMP, protocolo N° 019-2/16. Conforme os dados coletados, dos 48 enfermeiros, 26 utilizam frequentemente os EPIs. O mau uso dos EPIs demonstra falha dos próprios funcionários e da coordenação do hospital. Segundo os resultados da pesquisa, parte da equipe alega não ter conhecimento sobre o uso dos EPIs. Estes conhecimentos foram adquiridos durante a sua formação e através das educações continuadas que o hospital promove. A utilização dos EPIs não é realizada de maneira adequada, pois não os utilizam e, em decorrência da sua falta, estes estão sujeitos à algum dano em sua saúde. Os resultados sugerem maior conscientização dos profissionais da equipe de enfermagem na utilização dos EPIs, a fim de que a resistência desses enfermeiros e técnicos seja superada e os profissionais possam exercer suas funções tornando-os menos suscetíveis aos riscos à própria saúde.

Referências

Almeida, C. B. D., Pagliuca, L. M. F., & Leite, A. L. A. (2005). Acidentes de trabalho envolvendo os olhos: avaliação de riscos ocupacionais com trabalhadores de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13(5), 708-716.

Araújo, G. A., & de Oliveira, E. F. (2006). Reflexões sobre o desempenho dos colaboradores no Centro de Material e Esterilização. Revista SOBECC, 11(4), 31-36.

ABE - Associação Brasileira de Enfermagem. Seção RJ. Cartilha do trabalhador de enfermagem: saúde, segurança e boas condições de trabalho. Rio de Janeiro, 2006.

Balsamo, A. C., & Felli, V. E. A. (2006). Estudo sobre os acidentes de trabalho com exposição aos líquidos corporais humanos em trabalhadores da saúde de um hospital universitário. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(3), 346-353..

Bezerra, A. L. Q., Queiroz, É. D. S., Weber, J., & Munari, D. B. (2012). O processo de educação continuada na visão de enfermeiros de um hospital universitário. Repositório UFG – Universidade Federal de Goiás. Disponível em: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/15768, Acesso em: 02/10/2019.

BRASIL Ministério do trabalho (BR). Manuais de legislação: Normas Regulamentadoras. São Paulo: Atlas; 2008.

BRASIL, NR-6- Equipamento de Proteção Individual- EPI. In: EQUIPE ATLAS. Segurança e medicina do trabalho. 54. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 48 de 12 de maio de 1998.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 485, de 11 de novembro de 2005. Aprova a norma regulamentadora nº 32 (Segurança e saúde no trabalho em estabelecimentos de saúde) Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); Disponível em: < https://enit.trabalho.gov.br/portal/images/Arquivos_SST/SST_NR/NR-32.pdf >, acessado em 04/10/2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho. NR-6: equipamento de proteção individual - EPI. Segurança e Medicina do Trabalho. 61a. ed. São Paulo: Atlas; 2007. p.73-80.

Caetano, J. A., Soares, E., Braquehais, A. R., & Rolim, K. A. C. (2006). Acidentes de trabalho com material biológico no cotidiano da enfermagem em unidade de alta complexidade. Enfermería global: Revista electrónica semestral de enfermería, 5(2), 16-12.

Campos, S. F., Vilar, M. A. S., & Vilar, D. A. (2011). Biossegurança: conhecimento e adesão as medidas de precauções padrão num hospital. Rev. bras. cienc. Saúde, 15(4), 415-20.

Correa, C. F., & Donato, M. (2007). Biossegurança em uma unidade de terapia intensiva-a percepção da equipe de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 11(2), 197-204.

COSTA, Carolina Cabral Pereira da; SOUZA, Norma Valéria Dantas de Oliveira; PIRES, Ariane da Silva. Perfil dos trabalhadores de uma central de material e esterilização: uma análise das características sócio profissionais. Rev. pesqui. cuid. fundam.(Online), v. 8, n. 1, p. 3633-3645, 2016.

Costa, M. R. D., Gionannetti, C. T., Campos, C. S., & Barreto, R. M. (2012). COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (CIPA): UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO DA NR 5 (CIPA) NO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA. InterfacEHS-Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, 7(2).

da Rosa, L. S., & Pinedo, D. F. J. R. A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO DENTRO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (PCIH). THE IMPORTANCE OF THE PHARMACIST IN A PROGRAM OF HOSPITAL INFECTION CONTROL (HICP). Disponível em: https://www.senaaires.com.br/wp-content/uploads/2017/05/A-IMPORT%C3%82NCIA-DO-FARMAC%C3%8AUTICO-DENTRO-DE-UM-PROGRAMA-DE-CONTROLE-DE-INFEC%C3%87%C3%83O-HOSPITALAR-PCIH.pdf, Acesso em: 01/10/2019.

COFEN - Conselho Federal de Enfermagem (2011). Análise de dados dos profissionais de enfermagem existentes nos Conselhos Regionais. Relatório de pesquisa. Brasília: COFEN.

de Oliveira, Q. B., dos Santos, R. S., & dos Santos, C. M. F. (2013). Acidentes de trabalho na equipe de enfermagem: uma revisão de literatura. Revista Enfermagem Contemporânea, 2(1).

de Oliveira, R., & Maruyama, S. A. T. (2008). Controle de infecção hospitalar: histórico e papel do estado. Revista eletrônica de enfermagem, 10(3).

Delage, d. G. A.; Silva, G. A. da. (2011). Prevenção e Controle das Infecções Hospitalares: um desafio em Instituições de Saúde de Juiz de Fora. Revista Baiana de Saúde Pública, 35(4), 984-1000.

dos Passos, A. V., Bastos, I. L. G., da Silva, J. A., & dos Santos, R. A. (2016). INFECÇÃO HOSPITALAR NO CENTRO CIRÚRGICO: PRINCIPAIS AGENTES CAUSADORES, FATORES DE RISCOS E MEDIDAS DE PREVENÇÃO. Madre ciência-saúde, 1(1).

Gallas, S. R., & Fontana, R. T. (2010). Biossegurança e a enfermagem nos cuidados clínicos: contribuições para a saúde do trabalhador. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(5), 786-792.

Henrique Rieth, G., Loro, M. M., Fernandes Stumm, E. M., Schmidt Piovesan Rosanelli, C. L., Bernat Kolankiewicz, A. C., & Sônego Gomes, J. (2014). USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITALAR. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, 8(2).

de Azevedo Guimarães, E. A., Araújo, G. D., Bezerra, R., da Silveira, R. C., & de Oliveira, V. C. (2011). Percepção de técnicos de enfermagem sobre o uso de equipamentos de proteção individual em um serviço de urgência. Ciencia y Enfermería, 17(3), 113-123.

Gusmão, G. S., de Oliveira, A. C., & Gama, C. S. (2013). Acidente de trabalho com material biológico: análise da ocorrência e do registro. Cogitare Enfermagem, 18(3).

HINRICHSEN SL. Biossegurança e controle de infecções: risco sanitário hospitalar. Rio de Janeiro: Medsi, 2009, p.273-281.

LAKATOS, E.M., Marconi, M.A. Técnicas de pesquisa. 7. Ed. São Paulo: Atlas; 2009.

LIMA, Francisca Elisângela Teixeira et al. Cuidados dispensados pela equipe de enfermagem durante o procedimento de punção venosa periférica. 2015.

MACHADO, Kérima Magalhães; MOURA, LSSD; CONTI, TKDF. Medidas preventivas da equipe de Enfermagem frente aos riscos biológicos no ambiente hospitalar. Revista Científica do ITPAC. [Internet], v. 6, n. 3, 2013. Acessado em 01/02/2016. Disponível em .

MALAGUTI SE, Hayashida M, Canini SRMS, Gir E. Enfermeiros com cargos de chefia e medidas preventivas à exposição ocupacional: facilidades e barreiras. Rev Esc Enferm USP. Acessado em 01/02/2016, Disponível em scielo (Scientific Electronic Library Online).

MANETTI ML, Costa JCS, Marziale MHP, Trovó ME. Prevenção de acidentes de trabalho com material biológico segundo o Modelo de Green e Kreuter. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre (RS) 2006 mar;27(1):80-91. Disponível em: <https://scholar.google.com.br/scholar>, Acessado: dia 09/04/2016.

MARZIALE, Maria Helena Palucci, Galon Tanyse, Cassiolato Flávio Lopes, Girão Fernanda Berchelli: Implantação da Norma Regulamentadora 32 e o controle dos acidentes de trabalho. Rev Acta Paul Enferm. 2012; 25(6):859-66. Acessado em 29/01/2016. Disponível em .

MELO, D. S.; SOUZA, A. C. S.; TIPPLE, A. F. V.; NEVES, Z. C. P.; PEREIRA, M. S. Compreensão Sobre Precaução Pelos Enfermeiros de um Hospital Público de Goiânia – GO. Revista Latino-americana de Enfermagem, 2006.

Melo. E.M, Aragão, A.L., Pessoa, C.M.P., Lima, F.E.T., Barbosa, I.V., Studart, R.M.B., Souza. L.P. CUIDADOS DISPENSADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM DURANTE O PROCEDIMENTO DE PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA. Rev enferm UFPE on line. Recife, 9(3):1022-30

Neumann, V. N., & Freitas, M. É. A. (2008). Qualidade de vida no trabalho: percepções da equipe de enfermagem na organização hospitalar. Revista Mineira de Enfermagem, 12(4), 531-537..

Oliniski, S. R., & Lacerda, M. R. (2006). Cuidando do cuidador no ambiente de trabalho: uma proposta de ação. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(1), 100-104.

Ribeiro, R. P., Martins, J. T., Marziale, M. H. P., & Robazzi, M. L. D. C. C. (2012). O adoecer pelo trabalho na enfermagem: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(2), 495-504.

SANTOS, P.B. (2013). Adesão as práticas de biossegurança pela equipe de enfermagem frente às situações de risco ocupacional. Disponível em: https://search.bvsalud.org/gim/resource/en/ses-31393, Acesso em: 04/10/2019.

Siegel, J. D., Rhinehart, E., Jackson, M., & Chiarello, L. (2007). 2007 Guideline for Isolation Precautions: Preventing Transmission of Infectious Agents in Health Care Settings. American Journal of Infection Control, 35(10), S65-S164.

Silva, G.M., Seiffert O.M.L.B. (2009). Educação continuada em enfermagem: uma proposta metodológica. Rev. bras. enferm. 62(3), 362-66. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n3/05.pdf, Acesso em: 04/10/2019

SILVA, M. Z. da. Mensuração dos custos de procedimentos médicos em organizações hospitalares: sistematização de uma metodologia de custeio à luz do ABC e da UEP. 2006. 159 f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2006.

Silva, S. M. S., & IVMPS, G. (2016). Acidente perfurocortante: conhecimento e uso de dispositivos de segurança. Rev. Saúde. Com. [Portal de Periódicos UESB], 12(2), 522-7.

Simão, S. D. A. F., de Souza, V., Borges, R. A. A., Soares, C. R. G., & Cortez, E. A. (2010). Fatores associados aos acidentes biológicos entre profissionais de enfermagem. Cogitare Enfermagem, 15(1). 87-91.

Soares, L. G., Labronici, L. M., Maftum, M. A., Sarquis, L. M. M., & Kirchhof, A. L. (2011). Risco biológico em trabalhadores de enfermagem: promovendo a reflexão e a prevenção. Cogitare Enfermagem, 16(2), 261-267.

Talhaferro, B, Barboza D.B., Domingos, N.A.M. (2006), Qualidade de vida da equipe de enfermagem na central de materiais e esterilização. Rev Ciênc Med.; 15(6), 495-506.

Talhaferro, B., Barboza, D. B., & de Oliveira, A. R. (2012). Adesão ao uso dos equipamentos de proteção individual pela enfermagem. Revista de Ciências Médicas, 17(3/6).157-166.

TIPPLE, A.F.V., Souza, A.C.S., Souza, C.P., Aguliari, H.T., Pereira, M.S., Mendonça, A.C.C., Silveira, C. (2007). Equipamentos de proteção em centros de material e esterilização: disponibilidade, uso e fatores intervenientes à adesão. Cienc. cuid. saúde. 6(4), 441-8.

Turato, E. R. (2005). Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Revista de Saúde pública, 39, 507-514.

Valim, M. D., & Marziale, M. H. P. (2011). Evaluación de la exposición ocupacional a material biológico en servicios de salud. Texto & Contexto-Enfermagem, 20(SPE), 138-146.

Publicado
2019-12-06
Como Citar
Silva, C. E. D., dos Santos, I. L., Cavaignac, A. L. de O., Gordon, A. S. de A., Carneiro, I. C. C., Araújo, F. T. M., & Gomes, J. M. S. (2019). UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM IMPERATRIZ-MA: UM LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO: USE OF PERSONAL PROTECTION EQUIPMENT BY NURSING TEAM IN A PUBLIC HOSPITAL IN IMPERATRIZ-MA: A STATISTICAL SURVEY. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 5(6), 61-85. Recuperado de http://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/27746