Experiências institucionalizadas: o espaço religioso e as leituras dos convertidos à Assembleia de Deus em Campina Grande - PB

  • Monalisa Ribeiro Gama Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Resumo

Embora a conversão seja frequentemente conside-rada um processo individual, como gerador de mudanças no âmbito da visão de mundo do indivíduo e de suas afiliações, este processo ocorre em contextos institucionais permeados por relações sociais. Pensamos aqui a conversão à AD enquanto rito institucional através do qual o ator social incorpora um novo habitus religioso por meio das experiências adquiridas no processo de conversão. Assim como há lugares reservados no espaço social para práticas cotidianas como trabalho ou lazer, existe um lugar para buscar a salvação e este como os demais, possui uma estrutura para isso. A igreja neste sentido contribui para transformar a experiência de conversão numa série de disposições simbólicas vividas pelos sujeitos que se diferenciam neste espaço. Enquanto instituição, a Igreja funciona como espaço físico/simbólico dotado de sentidos.  Seu poder regulador das condutas individuais exerce um papel de organizador da comunidade religiosa, promovendo um sentimento de pertença. Na vida cotidiana, nenhuma experiência de conversão é total, completa e perfeita. Diante das complexidades, ambiguidades e diversidades que marcam a experiência humana, a conversão religiosa é muito mais um objetivo buscado do que um produto final. Por isso ao entender a estrutura física da igreja entendemos ao mesmo tempo um modo possível de ser, sentir e agir dos de dentro que se sobrepõe a um modo de ser dos de fora da igreja, através dos diferentes pontos de vista que o espaço representa e reforça.

Referências

ALMEIDA, C. R. dos S. de. 2012. Adesão pentecostal e transformação da experiência: notas sobre a construção cotidiana da identidade social do convertido em Salvador-Brasil. In: Revista Antropológica Vivência 40. Nº 40, pp.37-52

ANDRADE, E. L. de. 2011. Entre A “Casa do Senhor” e o “Mundo”: uma investigação etnográfica em uma igreja pentecostal. Ceará. (Monografia) Graduação em Ciências Sociais, da Universidade Federal do Ceará.

¬BOURDIEU, P. 2008. A Produção da Crença: Contribuição para uma Economia dos Bens Simbólicos. 3ª Ed.Porto Alegre, RS: Zouk.

BOURDIEU, P. 2011. Razões Práticas: Sobre a teoria da ação. Trad. Maria Corrêa – 11ª ed. Campinas, SP: Papirus.

CORREA, Marina A. O. S. 2012. Operação Carisma e Exercício do Poder: A lógica dos ministérios da Assembleia de Deus no Brasil. São Paulo( Tese ) Doutorado em Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

CPAD. 2015. Novo Currículo de Escola Dominical. CPAD, Rio de Janeiro.

CPAD. 2013. Revista Discipulado – Aluno 1 (Novos Convertidos). CPAD, Rio de Janeiro.

ELIADE, M. 1992. O Sagrado e o Profano; [tradução Rogério Fernandes]. – São Paulo: Martins Fontes.

ELIAS, N. 2001. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte / Norbert Elias; tradução, Pedro Süssekind; prefácio, Roger Chartier. - Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

FOUCAULT, M. 2006a.A hermenêutica do sujeito. Tradução Márcio Alves da Fonseca. Salma TannusMuchail. 2' ed. - São Paulo: Martins Fontes (Tópicos)

FOUCAULT, M. 2006b. Ética, Sexualidade, Política. Org. e seleção de textos Manoel Barros da Motta; Trad. Elisa Monteiro. 2ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FRESTON, Paul. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

GAMA, M. R. 2014. Descontinuidades no subcampo das igrejaspentecostaisbrasileiras.Terceira Jornada de CiênciasSociais, Juiz de Fora, pp.14 v. 3.

GAMA, M.R. 2015. O Preço da Conversão: Análise das trocas simbólicas e dos mecanismos de subjetivação dos conversos na Assembléia de Deus. Campina Grande, PB. (Dissertação) Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal de Campina Grande.

GLOCK, Hans-Johann. 1998. Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

GOMES, E. da S.. 2010. Espaço e Religião em Campina Grande: o pentecostalismo e suas territorialidades. Anais do XVI Congresso Nacional dos Geógrafos. Porto Alegre.

GUERRA, L. D., 2000. Paradigma da semelhança: uma tentativa de interpretacão da conjuntura recente do campo simbólico religioso no Brasil. In Ariús, Revista do Centro de Humanidades do Campus II.

GUERRA, L. D. Mercado Religioso no Brasil – competição, demanda e a dinâmica da esfera da religião. João Pessoa: Idéia, 2003.

GUSMÃO, E. H. A. de. 2011.DinânimasPrisionais e Religião: umaanálisesobre as trajetórias e experiências de detentosemprocessos de conversão. (Tese) DoutoradoemAntropologia, Universidade Federal de Pernambuco.

HERVIEU-LÉGER, D. 2008. O Peregrino e o Convertido. Trad. João Batista Kreuch. Petrópolis, RJ: Vozes.

JACOB, C. R. 2006.Religião e sociedade em capitais brasileiras. Rio de Janeiro: PUC/Loyola/ CNBB.

MAFRA, C. 2000. Relatos Compartilhados: Experiências de conversão ao pentecostalismo entre brasileiros e portugueses. Revista MANA, nº 06. pp. 57-86.

MAFRA,C. 2002. Na Posse da Palavra: Religião, conversão e liberdade pessoal em dois contextos nacionais. Lisboa: Impressa de Ciências Sociais do Instituto de Ciências Sociais da Univ. Lisboa

MAGALHÃES, I. 1997. Linguagem e Ideologia no Discurso Pentecostal. Cadernos de Linguagem e Sociedade. V. 3, nº1, pp.21-46.

MONTAGNER, M. A. 2007. Trajetórias e biografias: notas para uma análise bourdieusiana. Sociologias, Porto Alegre, ano 9, nº 17, jan./jun, p. 240-264.

RAMBO, Lewis R. 1993. Understanding Religious Conversion.Ed. Yale University.

ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. 2003. Geografia Cultural: introduzindo a temática, os textos e uma agenda. Introdução à Geografia Cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

SILVA, C. J. da. 2003.. A Doutrina dos Usos e Costumes da Assembléia de Deus. (Dissertação de Mestrado) Ciências da Religião, Universidade Católica de Goiás.

TUGENDHAT, E. 1992. Wittgenstein I: a impossibilidade de uma linguagem privada. Novos Estudos. nº32, pp.47-62.

WITTGENSTEIN, L. 1979. Investigações Filosóficas. Tradução: José Carlos Bruni. São Paulo: Editora Nova Cultural (Coleção Os Pensadores: Wittgenstein).