Dessas galinhas brancas, de granja - Ciência, técnica e conhecimento local nos equívocos da criação de animais entre os Karitiana (RO)

  • Felipe Ferreira Vander Velden Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Resumo

Através da descrição etnográfica – e, na medida do possível, multiespecífica – de uma série de controvérsias em torno de um extinto projeto de criação de galinhas de raça entre os Karitiana, povo indígena no estado de Rondônia, este artigo aponta para a necessidade de, nas investigações antropológicas em torno das interações (e descompassos) entre saberes tecnocientíficos e conhecimentos locais, atentar-se para o que sabem técnicos e agentes de campo. Estes personagens é que, muitas vezes, são quem efetivamente opera – não sem traduções e recriações – o trânsito entre ciência moderna e ciência nativa. Tais atores possuem sua bagagem própria de conhecimentos sobre as coisas do mundo, incluindo seus modos de tratamento dos animais, e são estes saberes – muito mais do que o conhecimento proveniente dos laboratórios – que dialogam com os saberes indígenas nas práticas produtivas locais.

Referências

ALBERT, B. 2001. Associações indígenas e desenvolvimento sustentável na Amazônia brasileira. In: RICARDO, C.A. (ed.). Povos indígenas no Brasil – 1996/2000. São Paulo: Instituto Socioambiental, pp. 197-207.

ALBINO, J. & BASSI, L. 2011. Bicagem e canibalismo em frangas e galinhas de postura. A Lavoura, Rio de Janeiro, EMBRAPA, ano 114, número 685, pp. 22-23, agosto/2011.

ANDERSON, Patricia. 2003. A Bird in the House: An Anthropological Perspective on Companion Parrots. Society & Animals, Ann Arbor, MI, Animals & Society Institute, v.11, n. 4, pp. 394- 412, out-dez.

ARAÚJO, G.; MENDES, M.; FRANCO, M.P.; COFFACI DE LIMA, E.; CARNEIRO DA CUNHA, M.; ARAÚJO, M. & WOLFF, C.. 2002. Cozinhar e comer. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. & BARBOSA DE ALMEIDA, M.W. (orgs.), Enciclopédia da Floresta. O alto Juruá: práticas e conhecimentos das populações. São Paulo: Companhia das Letras, pp. 359-379.

ARAÚJO, A. L. & VERDUM, R. (orgs.). 2010. Experiências de assistência técnica e extensão rural junto aos povos indígenas: o desafio da interculturalidade. Brasília: NEAD/SAF.

ARAÚJO, Í. M. 2012. Osikirip: explorações Karitiana em torno do ‘louco’, do ‘especial’. Trabalho apresentado na 28ª Reunião Brasileira de Antropologia, São Paulo/SP, julho de 2012 (inédito).

ÁVILA, V.S. de. 2008. Alternativas e consequências da debicagem em galinhas reprodutoras e poedeiras comerciais. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves (Documentos. 128).

BAKSH, M. 1995. Changes in Machiguenga quality of life. In: L. Sponsel (ed.), Indigenous peoples and the future of Amazonia: an ecological anthropology of an endangered world. Tucson: University of Arizona Press, pp. 187-205.

BASSI, L. & ALBINO, J. 2005. Debicagem em galinhas de postura. Instruções técnicas para o avicultor: área de comunicação e negócios, n. 27. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves.

BLASER, M. 2009. La ontología política de un programa de caza sustentable. World Anthropologies Network (WAN)/Red de Antropologías del Mundo (RAM) electronic journal, n. 4, pp. 81-107.

BRANDÃO, C. R. 1990. Bichos, brancos e negros em Pirenópolis. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 33, pp. 75-108.

BRANDÃO, C. R. 1999. O afeto da terra. Campinas: Editora da Unicamp.

CAMPOS, E. J.. 2000. O comportamento das aves. Revista Brasileira de Ciência Avícola, volume 2 (2), disponível online em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-635X2000000200001&script=sci_arttext (acesso em 10/08/2013).

CHUAHY, R. 2009. Manifesto pelos direitos dos animais. Rio de Janeiro: Record.

COLLIER, S. & ONG, A. (orgs.). 2010. Global assemblages: technology, politics, and ethics as anthropological perspectives. Oxford: Blackwell Publishing

CORMIER, L. 2003. Kinship with monkeys: the Guajá foragers of eastern Amazonia. New York: Columbia University Press.

DANTAS, M. I. 2008. O sabor do sangue: uma análise sociocultural do chouriço sertanejo. Natal. Tese de doutorado. UFRN.

DESCOLA, P. 1982. Territorial adjustments among the Achuar of Ecuador. Social Science Information, Paris, Maison des Sciences de L’Homme, 21 (2), pp. 301-320, março/1982.

DESCOLA, P. 2005. Ecology as cosmological analysis. In: A. Surralés & P.G. Hierro (eds.), The land within: indigenous territory and the perception of environment. Copenhagen: IWGIA, pp. 22-35.

ELLEN, R. 1999 Categories of animality and canine abuse: exploring contradictions in Nuaulu social relationships with dogs, Anthropos, Sankt Augustin, Anthropos Institute, 94, pp. 57-68.

ERIKSON, P. 1998. Du pécari au manioc ou du riz sans porc? Réflexions sur l’introduction de la riziculture et de l’elevage chez les Chacobo (Amazonie bolivienne). Techniques et Culture, Paris, Maison des Sciences de L’Homme, 31-32, pp. 363-378.

ESTORNIOLO, M. 2012. Laboratórios na floresta: os Baniwa, os peixes e a piscicultura no alto rio Negro. São Paulo. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo.

FERNANDES, J. 1993. Índio: esse nosso desconhecido. Cuiabá: Editora Universitária da UFMT.

FOER, J. S. 2011. Comer animais. Rio de Janeiro: Rocco.

FROEHLICH, G. 2012. ‘Do porco não sobra nem o grito!’ Classificação e práticas, saberes e sabores no abate doméstico de porcos. Santa Maria. Dissertação de mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal de Santa Maria.

GEERTZ, C. 2001. O senso comum como um sistema cultural. In: GEERTZ, C. O saber local. Petrópolis: Vozes, pp. 111-141.

GÓMEZ, M. del R. 2010. ¿Criando mariposas o enfermidades? Proyectos de conservación y desarollo com comunidades indígenas em la Amazonía colombiana. Bogotá: Uniandes.

GUERRA, E. 2008. Organização política e segurança alimentar na sociedade Krahô. Uberlândia: Edufu.

HOEFLE, S. 1990. O sertanejo e os bichos-cognição ambiental na zona semi-árida nordestina. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 33, pp. 47-74.

INGLEZ DE SOUZA, C.; LIMA, A.C.S.; RIBEIRO DE ALMEIDA, F.V. & WENTZEL, S. (orgs.). 2007. Povos Indígenas: projetos e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Contra Capa.

KIRKSEY, S. E. & HELMREICH, S. 2010. “The emergence of Multispecies Ethnography”. Cultural Anthropology, Davis, CA, Society for Cultural Anthropology, vol. 25 (4), pp. 545-576, novembro/2010.

LÉVI-STRAUSS, C. 1997[1962]. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus.

LITTLE, P. 2002. Etnoecologia e direitos dos povos: elementos de uma nova ação indigenista. In: SOUZA LIMA, A.C. & BARROSO-HOFFMANN, M. (orgs.), Etnodesenvolvimento e políticas públicas: bases para uma nova política indigenista. Rio de Janeiro: Contra Capa/LACED.

LITTLE, P. 2010. Prólogo: Os conhecimentos tradicionais no marco da intercientificidade; Os desafios da interculturalidade: povos indígenas e subprojetos de desenvolvimento sustentável na Amazônia brasileira. In: LITTLE, P. (org.). Conhecimentos tradicionais para o século XXI: etnografias da intercientificidade. São Paulo: Annablume/IEB, pp. 9-31 e 251-279.

LOBO, Rodrigo Gomes. 2015. Naturezas esfumaçadas: os Tembé e o mercado de crédito de carbono. Tese de doutorado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo.

LÚCIO, C. F. 1996. Sobre algumas formas de classificação social: etnografia sobre os Karitiana de Rondônia (Tupi-Arikém). Campinas. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Universidade Estadual de Campinas.

MACDONALD, T. 1997. De cazadores a ganaderos. Quito: Abya-Yala.

MARTINI, A. L. 2008. Filhos do homem: a introdução da piscicultura entre populações indigenas no povoado de Iauarete, rio Uaupés. Campinas. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Universidade Estadual de Campinas.

MARTINS, J. de S. 2008. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo: Contexto.

MELATTI, J. C. 1967. Índios e criadores: a situação dos Krahó na área pastoral do Tocantins. Rio de Janeiro. Monografia do I.C.S., vol. 3. I.C.S/UFRJ.

MORAIS E SILVA, R. D. 2010. Sistema caipira de criação de galinhas. Viçosa: Editora Aprenda Fácil.

PACHECO DE OLIVEIRA, J. & BERNO DE ALMEIDA, A. W. 1989. Demarcação e reafirmação étnica: um ensaio sobre a FUNAI. In: PACHECO DE OLIVEIRA, J. (org.), Os poderes e as terras dos índios. Rio de Janeiro: Museu Nacional, pp. 13-75 (Comunicação do PPGAS/MN, no. 14).

PAVÃO, L. C. 2015. ‘O que é que cavalo sabe’: Um estudo antropológico sobre o vínculo humano-animal na equoterapia. São Carlos. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

PEDLOWSKI, M.; DALE, V. & MATRICARDI, E.. 1999. A criação de áreas protegidas e os limites da conservação ambiental em Rondônia. Ambiente & Sociedade, São Paulo, PROCAM-USP, 5, pp. 93-107, jul. dez.

PORCHER, J. 2011. Vivre avec les animaux: une utopie pour le XXIe siècle. Paris: La Découverte.

POTTS, A. 2012. The joy of chickens. In: DeMELLO, Margo (ed.), Animals and society: an introduction to human-animal studies. New York: Columbia University Press, pp. 56-59.

QUEIXALÓS, F. 1993. Les mythes et les mots de l’identité Sikuani. In: Becquelin, A. & Molinié, A. (eds.). Mémoire de la tradition. Nanterre: Société d’Ethnologie.

REGAN, T. 2006. Jaulas vazias: encarando o desafio dos direitos animais. São Paulo: Lugano.

RICARDO, C. A. (ed.). 2001. Povos indígenas no Brasil – 1996/2000. São Paulo: Instituto Socioambiental.

RUDEL, T.; BATES, D. & MACHINGUIASHI, R. 2002. “Ecologically noble amerindians: cattle ranching and cash cropping among Shuar and colonists in Ecuador”. Latin American Research Review, Pittsburgh, Latin American Studies Association, 37 (1), pp. 144-159, jan. abril.

SÁ, G. J. da S. 2010. Abraços de mono: Elos perdidos e encontros intersubjetivos em etnografia com primatólogos no Brasil. Mana, Rio de Janeiro, MN/UFRJ, 16(1), pp. 179-211, abril.

SCHIOCCHET, L. 2010. Deus traz pelo mar: conhecimento e conflito socioambiental no espaço caiçara da pesca marítima do sul do Brasil. In: LITTLE, P. (org.). Conhecimentos tradicionais para o século XXI: etnografias da intercientificidade. São Paulo: Annablume/IEB, pp. 75-108.

SCHRÖDER, P. 2003. Economia indígena: situação atual e problemas relacionados a projetos indígenas de comercialização na Amazônia Legal. Recife: Editora Universitária da UFPE.

SILVEIRA, D. S. da. 2012. Redes sociotécnicas na Amazônia: tradução de saberes no campo da biodiversidade. Rio de Janeiro: Multifoco.

SINGER, P. 2004. Libertação animal. Porto Alegre/São Paulo: Lugano.

SIQUEIRA DE ANDRADE, A. 2001. ONGs e desenvolvimento regional em Rondônia. Recife. Dissertação de mestrado em Antropologia. Universidade Federal de Pernambuco.

SMITH, P. & DANIEL, C. 1975. The chicken book. Athens: University of Georgia Press.

SOARES, M. de A. 2010. É possível construir uma Ater indígena diferenciada? – O caso dos Guarani no Estado do Rio Grande do Sul. In: ARAÚJO, A.L. & VERDUM, R. (orgs.). Experiências de assistência técnica e extensão rural junto aos povos indígenas: o desafio da interculturalidade. Brasília: NEAD/SAF, pp. 272-292.

SOUZA LIMA, A. C. de. 1995. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.

SOUZA LIMA, A. C. de. 2009. As órbitas do sítio: subsídios para o estudo da política indigenista no Brasil, 1910-1967. Rio de Janeiro: Contra Capa/LACED.

STEFANUTO, M. R. 2013. ‘São eles que fazem isso comigo’: um estudo antropológico sobre trabalhadores e animais em um frigorífico no interior do estado de São Paulo. São Carlos. Relatório final de pesquisa de Iniciação Científica. Universidade Federal de São Carlos.

THOMAZ DE ALMEIDA, R. 2001. Do desenvolvimento comunitário à mobilização política: o Projeto Kayowa-Ñandeva como experiência antropológica. Rio de Janeiro: Contra Capa/Laced.

TURBAY, S. 2002. Aproximaciones a los estúdios antropológicos sobre la relación entre el ser humano y los animales. In: ULLOA, A. (ed.). Rostros culturales de la fauna: las relaciones entre los humanos y los animales en el contexto colombiano. Bogotá: INAH/Fundación Natura, pp. 87-111.

VANDER VELDEN, F. 2011. “Inveja do gado: o fazendeiro como figura de poder e desejo entre os Karitiana”. Anuário Antropológico, Brasília, DAN/UnB, 2010-1, pp. 55-76, julho.

VANDER VELDEN, F. 2011. 2012a. Inquietas companhias: sobre os animais de criação entre os Karitiana. São Paulo: Alameda Casa Editorial.

VANDER VELDEN, F. 2011. 2012b. As galinhas incontáveis: Tupis, europeus e aves domésticas na conquista do Brasil. Journal de la Société des Américanistes, Paris: Sociétè des Americanistes, 98(2), pp. 97-140, jul. dez.

VIANNA, C. M. 2010. Os enleios da tarrafa: etnografia de uma parceria transnacional entre ONGs através de emaranhados institucionais de combate à pobreza. São Paulo. Tese de doutorado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo.

VIANNA, J. J.; CEDARO, J. J. & OTT, A. 2012. Aspectos psicológicos na utilização de bebidas alcoólicas entre os Karitiana. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, Associação Brasileira de Psicologia Social/UFMG, 24(1), pp. 94-103, jan. abril.

VIERTLER, R. 1990. A vaca louca: tendências do processo de mudança sócio-cultural entre os Bororo-MT. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 33, pp. 19-32.

WATANABE, M. A. & SANTIAGO DE ABREU, L. 2010. Estudo agroecológico de agricultores familiares de base ecológica no sudoeste da Amazônia (Ouro Preto do Oeste, Rondônia). Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente (Documentos, 81).

ZEUNER, F. 1963. A history of domesticated animals. New York: Harper & Row, Publishers.

Publicado
2017-09-03