Pesquisas nos/dos/com os cotidianos: como pensamos os projetos, os sujeitos e as experiências em educação

  • Leonardo Nolasco-Silva Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Conceição Soares Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Resumo

Este trabalho costura conceitos e noções das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. Os cotidianos, tal qual o entendemos, são palcos que abrigam sujeitos singulares e coletivos, sujeitos em trânsito – que são e que se tornam -, praticantes que tecem e articulam redes de conhecimentos e significações, que fabulam subjetividades e orienta, a partir delas, suas ações. Neste texto, procuramos pensar na potência dos encontros entre corpos e subjetividades que se juntam e se transformam, que aprendem-ensinam enquanto interagem e que não permanecem fixos ao serem enquadrados/classificados pelo discurso científico. Para tanto, conversamos com a obra de Nilda Alves, apontando caminhos metodológicos a partir dos seus movimentos.

Referências

ALVES, N. 2001. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, I.B.; ALVES, N. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre as redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A.

ALVES, N. 2003. Sobre movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. Teias, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7-8, jan./dez. 2003.

ALVES, N. 2010. Dois Fotógrafos e Imagens de Crianças e seus Professores as Possibilidades de Contribuição de Fotografias e Narrativas na Compreensão de Espaçostempos de Processos Curriculares. In: OLIVEIRA, I.B. de (Org.). Narrativas: outros conhecimentos, outras formas de expressão. 1. ed. Petrópolis/RJ: DPetAlii.

BARTHES, Roland. 2006. A Câmara Clara: nota sobre a fotografia. Tradução de Manuela Torres. Lisboa: Edições 70.

BHABHA, H.K. 1998. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG.

CERTEAU, M. de. 1994. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

CERTEAU, M. de. 2002. Histoire et Psychanalyse: entre science et fiction. Paris: Folio Histoire.

DELEUZE, Gilles. 2003. Proust e os Signos. Tradução de Antonio Carlos Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. 1995. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Ed. 34, Volume 1.

DELEUZE, Gilles. 1992. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Ed. 34.

FERRAÇO, C.E. 2003. Eu, caçador de mim. In: GARCIA, R.L. (org.). Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A.

FOUCAULT, M. 2005. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. In: MOTTA, M. B. da. Ditos & Escritos II. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GONÇALVES, M. A.; HEAD, S. 2009. Confabulações da Alteridade: imagens dos outros (e) de si mesmos. In: GONÇALVES, M. A.; HEAD, S. (Org.). Devires Imagéticos: a etnografia, o outro e suas imagens. Rio de Janeiro: 7 Letras.

MEDINA, C. 2003. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus.

MORIN, E. 2007. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

SARMENTO, M. J. 2003. Quotidianos densos: a pesquisa sociológica dos contextos de acção educativa. In: GARCIA, R. L. (Org.). Método, métodos, contramétodos. São Paulo: Cortez.

SILVA, J. M. 2006. As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina.

Publicado
2016-07-23