Democracia no Brasil: a incidência da confiança institucional sobre a participação política dos brasileiros

  • Camila de Vasconcelos Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Simone Pilleti Viscarra Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Resumo

Pesquisas recentes indicam que a redemocratização brasileira, instaurada em 1989, pode ser classificada como uma democracia de caráter institucional representativa bem consolidada. Todavia, essa dimensão não é acompanhada por uma democracia social, uma vez que vários aspectos relacionados à qualidade de vida das pessoas não foram atendidos. Considerando esse panorama busca-se problematizar a qualidade da democracia instaurada no país e como essa tem sido influenciada pelo afastamento das pessoas da esfera política. Indícios dessa situação de insatisfação e descrença são vistos nos baixos índices de participação política e de credibilidade nas instituições democráticas por parte das pessoas. Dessa forma, tornando pesquisas de opinião pública sobre cultura política um instrumento essencial de análise para que se avance no debate entorno do processo de democratização no Brasil. Objetiva-se aqui identificar se a desconfiança da população brasileira sobre as instituições políticas fomenta uma não participação política dos mesmos. Para isso, serão analisadas duas dimensões de participação: a) convencional (participação em eleições e partidos); e b) não-convencional (passeatas, boicotes, abaixo-assinados). Para alcançar os objetivos propostos neste artigo os dados provenientes da pesquisa realizada pelo World Value Survey em 2005 foram analisados com a técnica quantitativa análise de trajetória (path analysis).

Referências

ALMOND, G. 1989. A Discipline Divided: Schools and Sects in Political Science. London: Sage.

ALMOND, G. 1969. Um método funcional para o estudo da política comparada. In: ALMOND, Gabriel; COLEMAN, James. A política das áreas em desenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. F. Bastos.

ALMOND, G; COLEMAN, J. 1969. A política das áreas em desenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. F. Bastos.

ALMOND, G; POWELL Jr.; BINGHAM G. 1972. Uma Teoria de Política Comparada. Rio de Janeiro: Zahar.

ALMOND, G. VERBA, S. 1989. The Civic Culture Revisited. Newbury Park, London, New Delhi: Sage.

ALMOND, G. VERBA, S. 1963. The Civic Culture: Polítical Attitudes and Democracy in Five Nations. Newbury Park, London, New Delhi: Sage.

BAQUERO, M. A. 2011. Cultura Política na Agenda da Democratização na América Latina. In: BAQUERO, M. Culturas(s) Política(s) e democracia no Século XXI na América Latina. Porto Alegre: UFRGS Editora.

BAQUERO, M. 2007. Democracia e desigualdades na América Latina – Novas perspectivas. Porto Alegre: UFRGS Editora.

BAQUERO, M. 2004. Democracia, juventude e capital social no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

BAQUERO, M. 2000. A vulnerabilidade dos partidos políticos e a crise da democracia na América Latina. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

BAQUERO, M. 1998. A Construção da Democracia na América Latina. Estabilidade democrática, processos eleitorais, cidadania e cultura política. Porto Alegre, Canoas: Editora da UFRGS/Centro Educacional La Salle.

BAQUERO, M. 1997. A Lógica do Processo Eleitoral em Tempos Modernos – Novas Perspectivas de Análise. Porto Alegre Canoas: Editora da UFRGS, Centro Educacional La Salle.

BAQUERO, C. M. J.; PRÁ, J. R. 2007. A democracia brasileira e a cultura política no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS Editora.

BAQUERO, R. 2006. Empoderamento: questões conceituais e metodológicas. Revista Redes, Santa Cruz do Sul, v. 11, n. 2, pp. 77-93.

BARNES, S.; KAASE, M. 1979. Political Action: mass participation in five western democracies. Beverly Hills: Sage Publications, CEPAL, Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. Panorama social da América Latina 2010: documento informativo. 2010. Disponível em: http://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/1235/panoramasocial2010p.pdf?sequence=1. Acesso em: 21/03/2015.

CRUZ, C. 2005. Political Culture and Institutional Development in Costa Rica and Nicaragua. World Making in the Tropics. New York: Cambridge University Press.

GONZÁLEZ, R. S. 2011. Democracia, Cultura Política e Experiências Participativas na América Latina. In: BAQUERO, M. Culturas(s) Política(s) e democracia no Século XXI na América Latina. Porto Alegre: Ed. UFRGS.

HORTON, D. S., MACAULAY, J. et all. Participation in social and polítical activities. Jossey-Bass 1980.

INGLEHART, R; WELZEL, C. 2009. Modernização, mudança cultural e democracia. São Paulo: Verbena.

MILBRATH, L. W., LAL GOEL, M. 1977. Political Participation: How and Why do People Get Involved in Politics? Chicago: Rand-McNally.

MOISÉS, J. A. 2010. Democracia e Confiança: Porque os Cidadãos Desconfiam das Instituições Públicas? São Paulo: Editora da USP.

MORRIS, A. D.; HATCHETT, S. J.; BROWN, R. 1989. The Civil Rights Movement and Black Political Socialization. In: Roberta S. Sigel. Polítical learning in adulthood: A source book of theory and research. University Of Chicago Press.

O'DONNELL, G.; CULLELL, J. V.; IAZZETTA, O. M. 2004. The Quality of Democracy, Theory and Applications. Indiana: University of Notre Dame Press.

PNUD. 2013. Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil. ONU.

RIFKIN, N. 1999. Where do we go from here? Presentation at the Colloquium an Education and Democracy. Washington. D.C.: USAID.

HUNT, R. W., & Goel, M. L. 1980. Explaining individual participation in political violence. In: SMITH, D. H. et al. (Eds.). Participation in social and political activities: A comprehensive analysis of political involvement, expressive leisure time, and helping behavior. San Francisco: Jossey-Bass.

SIEGEL, R. S. 1989. Political learning in adulthood: A sourcebook of theory and research. Chicago e Londres: The Univerity of Chicago Press.

SMITH, D. H.; MACAULAY, J. et al. 1980. Participation in social and political activities: a comprehensive analyses of political environmental, expressive leisure time and helping behavior. San Francisco: Jossey-Bass.

Publicado
2016-12-15