O Congresso Nacional e a Judicialização da Política: o uso das Ações Diretas de Inconstitucionalidade pelos principais partidos de oposição no Brasil

  • Vinicius Rodrigues Zuccolotto Universidade Federal do Pernambuco (UFPE)

Resumo

Com a redemocratização, o Brasil ganhou uma Constituição que proporciona novos direitos e novas formas de pleiteá-los junto ao Judiciário. Além disso, novos atores foram legitimados para usar determinadas ferramentas jurídicas – ainda que tais ferramentas possam ser usadas com cunho político. É nesse contexto que se inserem a Ação Direta de Inconstitucionalidade, que visa a retirada do ordenamento jurídico de norma que fere a Constituição. Tal ação pode ser proposta por partidos políticos – entre outros diversos atores. E os partidos fazem o uso deste tipo de ação, sobretudo os partidos alijados da coalizão governista. O artigo se propõe a estudar as ações propostas pelos principais partidos de oposição aos governos Fernando Henrique Cardoso e Lula.

Referências

ARAÚJO, M. M. 2011. Cortes Constitucionais como veto players: o Supremo Tribunal Federal e a teoria da absorção. Anais do 35º encontro anual da ANPOCS. GT17: Judiciário e Política: teorias e debates contemporâneos. Caxambu.

BARBOSA, L. V. Q.; RÉGIS, A. 2012. Por que o Supremo Tribunal Federal é tão poderoso? Uma análise sobre a agenda Executivo-Legislativo. Anais do 8º Encontro da ABCP.

BARROSO, L. R. 2012. Constituição, Democracia e Supremacia Judicial: Direito e Política no Brasil Contemporâneo. In.: Revista da Faculdade de Direito - UERJ, v. 2, n. 21, jan./jun. Disponível em:<http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rfduerj/article/view/1794/2297>. Acesso em 10 de janeiro de 2014.

BEZERRA, G. M. L. 2011. A oposição nos governos FHC e Lula: um balanço da atuação parlamentar na Câmara dos Deputados. Anais do 35º encontro anual da ANPOCS. GT10: Estudos Legislativos. Caxambu.

BRASIL. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal.

CARVALHO, E. R. 2009. Judicialização da política no Brasil: controle de constitucionalidade e racionalidade política. Análise Social. vol. 44, n. 191, pp. 315-335.

CASTRO, M. F. 2009. O Supremo Tribunal Federal e a Judicialização da Política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.12. n. 34. Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_34/rbcs34_09>. Acesso em: 20 de janeiro de 2013.

CITTADINO, G. 2002. Judicialização da política, constitucionalismo democrático e separação dos poderes. In: VIANNA, L. W. A democracia e os Três Poderes no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ/FAPERJ; Belo Horizonte: Ed. UFMG. pp. 17-42.

CUNHA FILHO, M. C. 2011. Judiciário legislador? Análise da evolução da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal no tratamento de omissões constitucionais (1990-2011). Anais do 35º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS. GT17: Judiciário e Política: teorias e debates contemporâneos.

DA ROS, L.; TAYLOR, M. 2008. Os partidos dentro e fora do poder: a judicialização como resultado contigente de estratégia política. Dados. Rio de Janeiro, v.51, n.4, pp.825-864.

LEITÃO, R. G. 2006. A Judicialização da Política - O caso de Fortaleza. Anais do XIV Congresso do CONPEDI. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/XIVCongresso/098.pdf. Acesso em 19 de janeiro de 2014.

LOSEKANN, C. 2012. Estratégias e vínculos da sociedade civil no processo de judicialização dos conflitos socioambientais. Anais do 36º Encontro Anual da ANPOCS. GT17: Judiciário e Política: teorias e debates contemporâneos.

MARENCO, A. 2007. Devagar se vai longe? A transição para a democracia no Brasil em perspectiva comparada. In.: MELO, Carlos Ranulfo de; SAÉZ, Manuel Alcântara (orgs.). A Democracia Brasileira. Balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, pp. 73-108.

MENDES, G. F. O Sistema Brasileiro de Controle de Constitucionalidade. In: MARTINS, I. G.; MENDES, G. F.; NASCIMENTO, C. V. (Coord). 2010. Tratado de Direito Constitucional. Vol. 1, São Paulo: Saraiva, pp. 305-378.

MELO, C. R.; ANASTASIA, F. 2005. A reforma da previdência em dois tempos. Dados. Rio de Janeiro, v.48, nº 2, pp. 301-332.

NALINI, José Renato. 2010. O Poder Judiciário na Constituição de 1988. In: MARTINS, I. G.; MENDES, G. F.; NASCIMENTO, C. V. (Coord). Tratado de Direito Constitucional. V.1. São Paulo: Saraiva, pp. 952-989.

NETO, S. L.; LOURENÇO, A. C. M. P. 2009. Judicialização da política e politização da justiça, o novo papel do judiciário na democracia. Anais do XIV Congresso Brasileiro de Sociologia. Grupo de Trabalho: Os limites da democracia.

PEIXINHO, M. M. 2008. O Princípio da Separação dos Poderes, a Judicialização da Política e Direitos Fundamentais. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, n. 4, pp. 13-44, jul.-dez. Disponível em: <http://www.fdv.br/sisbib/index.php/direitosegarantias/article/view/3/3> Acesso em 19 de janeiro de 2014.

VELLOSO, C. M. S. 2010. Da Jurisdição Constitucional ou do Controle de Cobstitucionalidade. In: MARTINS, I. G.; MENDES, G. F.; NASCIMENTO, C. V. (Coord). Tratado de Direito Constitucional, vol.1. São Paulo: Saraiva, pp. 379-395.

VERBICARO, L. P. 2008. Um estudo sobre as condições facilitadoras da judicialização da política no Brasil. Revista Direito GV. São Paulo, vol. 4, n. 2, pp. 389-406.

VERÍSSIMO, M. P. 2008.A Constituição de 1988, vinte anos depois: Suprema Corte e Ativismo Judicial “À Brasileira”. Revista Direito GV. São Paulo, vol. 4, n. 2, pp. 407-440.

VIANNA, L. W. 2003. A democracia e os Três Poderes no Brasil. Ed. UFMG/Rio de Janeiro: IUPERJ/FAPERJ.

VIANNA, L. W. et al. 1999. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Revan.

ZAULI, E. M. 2010. Judicialização da Política, Poder Judiciário e Comissões Parlamentares de Inquérito no Brasil. Anais do 34º Encontro Anual da ANPOCS. ST17: Judiciário, ativismo e política.

Publicado
2016-12-15