Avanço da mineração e a resistência camponesa em Canaã dos Carajás

  • Thiago Martins da Cruz Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UFSSPA)

Resumo

Este artigo tem por objetivo investigar o processo de intensificação da mineração no sudeste paraense a partir da relação entre a presença da empresa mineradora Vale S.A., a consequente desestruturação da produção camponesa no município de Canaã dos Carajás, entre o período de 2004 e 2012 e as resistências desenvolvidas por essas famílias para se manterem na terra. O objeto proposto para análise se insere num contexto de conflitos sociais gerados por dinâmicas temporais distintas de apropriação de territórios, expropriação de populações locais e lutas de resistência. As mudanças sociais em curso no sudeste paraense tendem a pressionar os territórios de trabalhadores rurais, povos indígenas, comunidades quilombolas e outras populações tradicionais, bem como avolumar e precarizar os núcleos urbanos em formação. Esse processo poderá ser intensificado e acelerado nos próximos anos, o que propõe desafios para as Ciências Sociais e Humanas em analisar as contradições resultantes dessas mudanças em curso. Para realização dessa investigação utilizamos como estratégia metodológica a pesquisa bibliográfica e documental, observação direta e entrevistas semi-estruturadas.

 

Biografia do Autor

Thiago Martins da Cruz, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UFSSPA)
Mestre pelo Programa de Pós-graduação Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia, da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará.

Referências

ALMEIDA, Rogério Almeida. 2012. Territorialização do campesinato no Sudeste Paraense. Belém: NAEA.

CENTRO DE EDUCAÇÃO, PESQUISA, ASSESSORIA SINDICAL E POPULAR. 2010. Impactos da Mineração no Sudeste Paraense. Marabá-PA.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. 2014. Conflitos no Campo - Brasil 2013. Goiânia.

CRUZ NETO, Raimundo Gomes. 2010. A mineração no Sudeste Paraense. Marabá.

EXPRESSÃO. 2013. Edição Especial - Cidades do Sul do Pará, ano 09, edição 16, julho/agosto.

FONTES, Virgínia. 2010. O Brasil e o capital imperialismo: teoria e história. 2 ed. Rio de Janeiro: EPSLV/Editora UFRJ.

GERARDI, Lucia H.O. & SALAMONI, Giancarla. 2014. Para entender o campesinato: A contribuição de A. V. Chayanov. In: CARVALHO, Horacio M.(org) Chayanov e o campesinato. São Paulo: Expressão Popular.

GODOI, E. P. & MENEZES, M. A. & MARIN, R. A.(Orgs) 2009. Diversidade do Campesinato: expressões e categorias. Vol II. São Paulo: Editora UNESP, Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural.

GUZMAN, Eduardo S. & MOLINA, Manuel G. 2013. Sobre a Evolução do Conceito de Campesinato. 2º ed. São Paulo: Expressão Popular.

HARVEY, David. 2012. O Novo Imperialismo. 6º ed. Editora Loyola, São Paulo-SP.

HÉBETTE, Jean. 2004. Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia, Vol. 3. Belém, Ed. Universitária UFPA.

MARX, Karl. 2013. O Capital: Crítica da economia política: Livro I: o processo de produção de capital. São Paulo: Boitempo.

PETIT, Pere. 2003. Chão de Promessas: Elites políticas e transformações econômicas no estado do Pará pós-1964. Belém: Paka-Tatu.

PICOLI, Fiorelo. 2006. O capital e devastação da Amazônia. São Paulo: Editora Expressão Popular.

Prefeitura de Canaã dos Carajás. 2003. Diagnóstico Rural Municipal 2013. Canaã dos Carajás.

Proposta para o Desenvolvimento da Agricultura Familiar no município de Canaã dos Carajás. 2015. Canaã dos Carajás.

REIS, Iara. 2014. O avanço da mineração na Amazônia e a resistência dos moradores da vila Racha Placa no município de Canaã dos Carajás: uma análise a luz do processo de acumulação do capital. TCC. Marabá: UFPA.

SHANIN, T. A. 1980. A definição de camponês – conceituações. Estudos Cebrap. Petrópolis: Vozes.

TEIXEIRA, Sheila do Socorro Lima. 2006. A interferência da mineração industrial na estabilidade de assentamentos rurais: o caso de Parauapebas. Dissertação de Mestrado. UFPA. Belém.

VELHO, Otávio Guilherme. 1981. Frentes de Expansão e Estrutura Agrária: Estudo do processo de penetração numa área da Transamazônia. 2º Ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Publicado
2017-12-26