A negação dos papéis civilizatórios do Estado e da Seguridade Social: o caso brasileiro no contexto de reformas do Governo Temer

  • Elizabeth Cardoso de Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

O presente ensaio propõe discutir, tomando a experiência brasileira ante a conjuntura recente de reformas apresentadas pelo Governo Temer, a negação dos papéis civilizatórios do Estado e da Seguridade Social e, em consequência, a redefinição das funções e do lugar do Estado e da política social, que tais reformas impõem. Para isso, serão abordados: i) o papel do Estado capitalista e da proteção social, ii) o lugar e as funções que ocuparam e desempenharam historicamente no capitalismo em oposição ao processo atual e iii) os impactos gerados na Seguridade Social brasileira, diante das reformas propostas. Estas, em última instância, negam os papéis civilizatórios que, historicamente, o Estado e a proteção social exerceram no capitalismo.

Referências

ANFIP; DIEESE. 2017. Previdência: reformar para excluir? Contribuição técnica ao debate sobre a reforma da previdência social brasileira. Disponível em: <http://www.dieese.org.br/evento/2017/reformarParaExcluirCompleto.pdf>Acesso em: mar. 2017.

BEHRING, E. R. 2008. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2 ed. São Paulo: Cortez.

BEHRING, E. R. 2010. Crise do capital, fundo público e valor. In: BOSCHETTI, I. et al. (Org.). Capitalismo em crise: política social e direitos. São Paulo: Cortez.

BOSCHETTI, I. 2012. A insidiosa corrosão dos Sistemas de Proteção Social europeus. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 112, pp. 754-803, out./dez. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n112/08.pdf>. Acesso em: nov. 2016.

BOSCHETTI, I. 2003. Implicações da Reforma da Previdência na Seguridade Social brasileira. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v.1, n. 15, pp. 57-96, jan./jun. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v15n1/v15n1a05.pdf>. Acesso em: mar. 2017.

BRASIL. 2001. Constituição da República Federativa do Brasil. 27 ed. São Paulo: Saraiva.

BRASIL. 2016. Executivo. Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016. Altera os arts. 37, 40, 109, 149, 167, 195, 201 e 203 da Constituição, para dispor sobre a Seguridade Social, estabelece regras de transição e dá outras providências. Disponível em: <http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2016/12/PEC-287-2016.pdf>. Acesso em: mar. 2017.

CASTEL, R. 1995. Les metamorphoses de la question sociale: une chronique du salariat. Paris: Fayard.

CASTEL, R. 2010. El ascenso de las incertidumbres: trabajo, protecciones, estatuto del individuo. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

CASTEL, R. 2011. As transformações da questão social. In: BELFIORE-WANDERLEY, M.; BÓGUS, L.; YAZBEK, M. C. (Org.). Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC.

CUNHA, E. da P.; CUNHA, E. S. M. 2008. Políticas públicas sociais. In: CARVALHO, A. et al. (Orgs.). Políticas Públicas. Belo Horizonte: UFMG.

ENGELS, F. 1984. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 9 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

ESPING-ANDERSEN, G. 1991. As três economias políticas do Welfare State. Lua Nova, São Paulo, n. 24, setembro.

FERGUSON, I. 2013. Austeridade no Reino Unido: o fim do Estado de Bem-Estar Social? Argumentum, Vitória-ES, v.5, n.2, pp. 65-88, jul./dez. Disponível em: <http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/5985/5094>. Acesso em: fev. 2017.

HERRERA, R. 2011. Alguns aspectos filosóficos e políticos da teoria de Estado em Marx e Engels. Argumentum, Vitória-ES, v.3, n.2, pp. 71-93, jul./dez. Disponível em: <http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/2020/1669>. Acesso em: jun. 2016.

HIRSCH, J. 1977. Observações teóricas sobre o Estado burguês e sua crise. In: POULANTZAZ, N. (Org.). O Estado em crise. Rio de Janeiro: Graal.

MANDEL, E. 1982. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural.

MARQUES, R. M. 1997. A proteção social e o mundo do trabalho. São Paulo: Bienal.

MARQUES, R. 2015. O lugar das políticas sociais no capitalismo contemporâneo. Argumentum, Vitória-ES, v.7, n.2, pp. 7-21, jul./dez. Disponível em: <http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/10517/8235>. Acesso em: nov. 2016.

MARQUES, R. M.; UGINO, C. 2017. Governo Temer: reflexões sobre a proposta de reforma da Previdência. Plataforma Política Social, 02 jan., on-line. Disponível em: <http://plataformapoliticasocial.com.br/governo-temer-reflexoes-sobre-a-proposta-de-reforma-da-previdencia/>. Acesso em: mar. 2017.

MARQUES, R. M.; MENDES, Á.; UGINO, C. 2010. A Previdência Social em pauta: notas para reflexão. Argumentum, Vitória-ES, v.2, n.1, pp. 5-19, jan./jun. Disponível em: <http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/330/241>. Acesso em: fev. 2017.

MARX, K. 2004. O Capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do Capital, volume 1. 22 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARX, K. 2014. O Capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do Capital, volume 2. 27 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARX, K. 2006. Manuscritos econômicos e filosóficos. São Paulo: Martin Claret.

______. 2011. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo.

MARX, K.; ENGELS, F. 2002. Manifesto do Partido Comunista. Porto Alegre: L&PM.

MARX, K.; ENGELS, F. 2004. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martin Claret.

MILIBAND, R. 1988. Estado. In: BOTTOMORE, T. (Org.). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Zahar.

NAKATANI, P. 1987. Estado e acumulação do capital. Discussão sobre a teoria da derivação. Análise Econômica, Porto Alegre, ano 5, nº 8, p. 35-64, março. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/AnaliseEconomica/article/view/10261/5999>. Acesso em: mai. 2016.

OLIVEIRA, F. de. 2008. Prefácio: Contra a corrente. In: BEHRING, E. R. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2 ed. São Paulo: Cortez.

PEREIRA, P. A. P. 2011. Política Social: temas & questões. 3 ed. São Paulo: Cortez.

PERISSINOTTO, R.; CODATO, A. 2010. Marx e seu legado para a teoria contemporânea do Estado capitalista. BIB, São Paulo, n. 70, pp. 31-50, 2º semestre. Disponível em: <http://anpocs.org/index.php/universo/acervo/biblioteca/periodicos/bib/bib-70/822-marx-e-seu-legado-para-a-teoria-contemporanea-do-estado-capitalista/file>. Acesso em: fev. 2017.

POCHMANN, M. 2010. Prefácio. In: SALVADOR, E. Fundo Público: a Seguridade Social no Brasil. São Paulo: Cortez.

SALAMA, P. 1980. Estado e Capital: o Estado capitalista como abstração real. Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 26, pp. 120-156. Disponível em: <http://www.cebrap.org.br/v2/app/webroot/files/upload/biblioteca_virtual/estado_e_capital.pdf>. Acesso em: mai. 2016.

SALVADOR, E. 2010. Fundo Público: a Seguridade Social no Brasil. São Paulo: Cortez.

SILVA, M. O. da S. e; YAZBEK, M. C.; GIOVANNI, G. di. 2012. A política social brasileira no século XXI: a prevalência dos programas de transferência de renda. 6 ed. São Paulo: Cortez.

Publicado
2018-04-03