“Na rua!”: Mercado de trabalho e trajetórias sociais de vendedores informais

  • Priscila Farfan Barroso Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Resumo

Neste artigo, pretende-se analisar os agenciamentos das redes sociais como forma de inserção no mercado e de consolidação do vendedor ambulante em meio à precariedade do trabalho no espaço público, ao mesmo tempo que se estuda como este trabalhador se vale dessa aprendizagem para experienciar a cidade. Os dados etnográficos apresentados são extraídos de uma pesquisa financiada pelo programa institucional de Iniciação Científica, que possibilitou três anos de experiência da aprendiz de antropóloga “na rua”, junto aos vendedores ambulantes localizados na Rua Voluntários da Pátria, em Porto Alegre/RS, a fim de compreender suas redes de solidariedade e as práticas sociais do trabalho informal na cidade.  Assim, o mercado informal permite acessar aprendizagens para se relacionar também com o comércio formal, por isso a relação entre esses mercados não é estanque e está, de alguma maneira, borrada durante as trajetórias dos trabalhadores urbanos das grandes cidades, como apresentado nos relatos.

Referências

ANTUNES, R. 2011. Os modos de ser da informalidade: rumo a uma nova era da precarização estrutural do trabalho? Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 107, pp. 405-419.

BARROSO. P. F. 2009. CD, DVD, CD, DVD: Estudo etnográfico das práticas sociais e redes de solidariedade dos vendedores ambulantes – conflitos, laços sociais e artes de fazer no espaço público na Rua Voluntários da Pátria, em Porto Alegre/RS. Trabalho de Conclusão de Curso em Bacharelado em Ciências Sociais. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

BARROSO. P. F. 2011. "Tem que ser guerreiro" - Considerações etnográficas sobre a identidade dos vendedores ambulantes da rua Voluntários da Pátria - RS. Revista Eletrônica de Ciências Sociais. RECS: UFU/MG, v. 1, pp. 78-83.

BASTOS, R. L.; MARQUES, E. K.; GALEAZZI, I. M. S.; TONI, M.; KRELING, N. H. 2007. Dimensões da precarização do mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre. Coordenado por Raul A. Bastos. Porto Alegre: FEE.

BECKER, H. S. 2008. Outsiders: estudo de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CACCIAMALI, M. C. 2000. Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade. Campinas, n. 14, pp. 153-174.

BARROSO. P. F. 1983. O setor informal urbano e formas de participação na produção. São Paulo: Ed. IPE.

CERTEAU, M. 1994. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Vol.1. Rio de Janeiro: Vozes.

CONSERVA, M. S.; ARAÚJO, A. J. S. 2008. Informalidade e precarização nos mundos do trabalho. Teor. Pol. e Soc., v. 1, n. 1, pp. 75-91.

DA MATTA, R. 2000. A Casa e a Rua. Rio de Janeiro: Rocco.

DIEESE. 2012. A situação do trabalho no Brasil da primeira década dos anos 2000. Departamento Intersindical de Estatística de Estudos Socioeconômicos. São Paulo: DIEESE.

DIEESE. 2017. Tabelas 1 - Distribuição dos ocupados, no trabalho principal, por formas de inserção ocupacional. Convênio DIEESE/SEADE, MTb/FAT e convênios regionais. PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego.

DRUCK, G.; FRANCO, T. 2007. A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo.

ELIAS, N.; SCOTSON, L. 2000. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

FEDIUK, M. M. 2004. Maternidade da Empregada Doméstica: uma revisão de literatura nacional. In: Mostra Integrada de Ensino, Pesquisa e Extensão, 2004, Joaçaba. 1ª MIEPE. Joaçaba, SC: Gráfica Editora Pallotti.

FONSECA, C. 2000. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS.

G1 RS. 2017. Porto Alegre tem cerca de 4 mil vendedores ambulantes pelas ruas, estima a prefeitura. Reportagem de Igor Grossman. Publicado em 21 de abril de 2017. Disponível em: <http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/porto-alegre-tem-cerca-de-4-mil-vendedores-ambulantes-pelas-ruas-estima-prefeitura.ghtml>. Acesso em: 4 ago. 2017.

GALEAZZI, I. M. S. 2007. O trabalho por conta própria num contexto de precarização laboral. Dimensões da precarização do mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre. Coordenado por Raul Bastos. Porto Alegre: FEE.

GIDDENS, A. 1991. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP.

GUIMARÃES, A. C. R. 2007. Comerciantes de Bairro: seus discursos, suas práticas. - GT 01: Antropología Económica y Ecológica. VII RAM - UFRGS, Porto Alegre, Brasil.

HERRLEIN JR., R. 2000. Desenvolvimento industrial e mercado de trabalho no Rio Grande do Sul: 1920-1950. Rev. Sociol. Polit. n.14, pp. 103-118.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. 2017. Indicadores. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Agosto de 2016. Disponível em: <http://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Nacional_por_Amostra_de_Domicilios_continua/Mensal/Comentarios >. Acessado em: 4 ago. 2017.

LÉVI-STRAUSS, C. 1980.A família: origem e evolução. Porto Alegre: Editorial.

LÉVI-STRAUSS, C. 1967. Les structures élementaires de la parente. Paris: Mouton.

LÉVI-STRAUSS, C. 1979. Tristes trópicos. Lisboa: Edições 70.

LIMA, C. J.; CONSERVA, M. S. 2006. Redes Sociais e Mercado de Trabalho: entre o formal e o informal. Política e Trabalho, Revista de Ciências Sociais, n. 24, pp. 73-98.

MAUSS, M. 1974. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e Antropologia. v. II. São Paulo: Edusp.

NORONHA, E. G. 2003. "Informal", ilegal, injusto: percepções do mercado de trabalho no Brasil. Rev. bras. Ci. Soc. [online], vol. 18, n. 53, pp. 111-129.

PINHEIRO-MACHADO, R. 2008. China-Paraguai-Brasil: uma rota para pensar a economia informal. Rev. bras. Ci. Soc., vol. 23, n. 67.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. 2017. Curiosidades. Mercado Público. Disponível em: <http://www2.portoalegre.rs.gov.br/mercadopublico/default.php?p_secao=5>. Acesso em: 4 ago. 2017.

SARTI, C. A. 1992. Contribuições da antropologia para o estudo da família. Psicol. USP, São Paulo, v. 3, n. 1-2, pp. 69-76.

VEDANA, V. 2008. No mercado tem tudo que a boca come: estudo antropológico da duração das práticas cotidianas de mercado de rua no mundo urbano contemporâneo. Tese de Doutorado, PPGAS/UFRGS, Orientação: Cornelia Eckert, 2008.

VELHO, G. 1981. Projeto, emoção e orientação em sociedades complexas. In: Individualismo e cultura. Rio de Janeiro: Zahar.

WEBER, M. 1991. Economia e sociedade. Brasília: Editora UNB.

Publicado
2018-04-03