Exclusão digital, diferenças no acesso e uso de tecnologias de informação e comunicação: questões conceituais, metodológicas e empíricas

  • Marcelo Ferreira Trezza Knop Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Resumo

Este artigo destaca a relação desigual entre educação e trabalho, desencadeados por distintos acessos aos denominados bens generativos de valor; nesse caso, as tecnologias de informação e comunicação. Dessa forma, como principais resultados alcançados, destaca-se que a exclusão/inclusão digital é um fenômeno complexo e multifacetado, ou seja, que vai muito além que disponibilizar computadores com acesso à internet a determinados atores sociais. Essas diferenças de oportunidades estão relacionadas a diversos fatores, tais como, a falta de infraestrutura física e de TIC adequada, ou seja, laboratório com hardwares, softwares e periféricos em perfeito funcionamento e atualizados, como também a conexão ou banda de internet (mostrando que a disponibilização desses meios, por si só, não diminuiu esse distanciamento).   Relaciona-se também a impossibilidade de acesso e uso contínuo das tecnologias de informação e, consequentemente, das ferramentas aprendidas nos encontros (pois, não há o desejo das instituições pesquisadas em ampliar esse acesso e incluí-los no dia-a-dia dos alunos); aos tipos de usos das tecnologias de informação pelos beneficiários do projeto, nas horas de aula e fora dela (principalmente o grande interesse pelas redes sociais virtuais e por jogos); e aos diferentes níveis de aprendizado verificados durante os cursos, com destaque para tipos diferenciados de interesse (mesmo por jovens pertencentes ao mesmo grupo social).

Referências

BARDIN, L. 2004. Análise de conteúdo. 3ª ed. Portugal: Edições 70.

BILLS, David B. 2004. The Sociology of Education and Work. Oxford, Blackwell.

BROWN, David K. 2001. The Social Sources of Educacional Credentialism: status, cultures, labor markets and organizations. Sociology of Education, Extra Issue, 19-34.

CHEN, W.; WELLMAN, B. 2005. Minding the Cyber-gap: the Internet and Social Inequality. In: ROMERO, M.; MARGOLIS, E. The Blackwell Companion to Social Inequalities. Blackwell Publishing.

COLLINS, R. 1979. The Credential Society: An Historical Sociology of Education and Stratification. New York: Academic Press.

CYSNE, R.; ALVES, J. E. D.; CÔRTES, S. da C. 2007. O desafio da exclusão digital: uma análise multivariada com base na Pnad 2005, Brasília, Inclusão Social, v. 2, n. 2, pp. 46-56, abril/setembro.

ERICKSON, B. H. 1997. Social networks and history: a review essay. Historical Methods, v. 30, n. 3, pp. 149–57, summer.

FERNANDEZ, O. S. N. 2010. Do desenvolvimentismo à inclusão social. Inclusão Social, Brasília, DF, v. 3, n. 2, pp.119-128, janeiro/junho.

GOODE, J. 2010. The digital identity divide: how technology knowledge impacts college students. New Media & Society, USA, v. 12, n. 3, pp.497-513, february.

HARGITTAI, E. 2010. Digital na(t)ives? Variation in internet skills and use among members of te “net generation”. Sociological Inquiry, v. 80, n. 1, pp. 92-113, February.

JACOBI, P. 2006. Public and private responses to social exclusion among youth in São Paulo. The ANNALS of the American Academy of Political and Social Science, v. 606, pp. 216 – 230, July.

JAMES, J. 2003. Free software and the digital divide: opportunities and constraints for developing countries. Journal of Information Science, v. 29, n. 1, pp. 25–33, February.

LIVINGSTONE, S., HELSPER, E. 2007. Gradations in digital inclusion: children, young people and the digital divide. New Media Society. Los Angeles, London, New Delhi and Singapore, v. 9, n. 4, pp. 671 – 696, November.

MASSEY, D. 2007. How Stratification Works. In: ¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬_______________. Categorically Unequal. New York, Russell Sage Foundation.

MATTOS, F. A. M; CHAGAS, G. J. N. 2008. Desafios para a inclusão digital no Brasil. Perspectiva em Ciência da Informação, v.13, n.1, pp. 67-94, janeiro/abril.

RIDGEWAY, Cecília. 2013. Why status matters for inequality. American Sociological Review, v. 79, n. 1, pp. 1–16, december.

SELWYN, N. 2004. Reconsidering political and popular understandings of the digital divide. New Media Society, v. 6, n. 3, pp. 341-362, summer.

SHELLEY, M., THRANE, L., SHULMAN, S., LANG, E., BEISSER, S., LARSON, T., MUTITI, J. 2004. Digital citizenship: parameters of the digital divide. Social Science Computer Review, v. 22, n. 2, pp. 256 – 269, May.

SILVEIRA, S. A. 2005. Inclusão digital, software livre e globalização contra hegemônica. Parcerias Estratégicas, n. 20, pp. 421-446, junho.

TAKAHASHI, T. 2005. Inclusão social e TICs. Inclusão Social, Brasília, v. 1, n. 1, pp. 56-59, outubro/março.

TESTA, A. F. 2007. Cidadania digital e competitividade. Inclusão Social, Brasília, v. 2, n. 1, pp. 67-72, março.

TILLY, C. 1999. Durable inequality. In: PHYLLIS, M. A nation divided. United States: Cornell University Press.

TILLY, C. 1999. Historical perspectives on inequality. In: ROMERO, M.; MARGOLIS, E. The blachwell companion to social inequalities. United Kingdom: Blackwell Publishing Ltda.

WARSCHAUER, M. 2003. Technology and social inclusion: rethinking the digital divide. Massachusetts: MIT Press.

WILSON, K. R.; WALLIN, J. S.; REISER, C. 2003. Social stratification and the digital divide. Social Science Computer Review, v. 21 n. 2, pp. 133-143, summer.

WRIGHT, E. O. 1969. Logics of class analysis. In: LAUREAU, A.; CONLEY, D. Social class: how does it work. United States: The Russell Sage Foundation.

YOUNG, R. 2006. Inclusão digital e as metas do milênio. Inclusão Social, Brasília, v. 1, n. 2, pp. 96-99, abril/setembro.

Publicado
2018-04-03