Mobilidade pendular no estado de Minas Gerais a partir do censo de 2010

  • Elenice Aparecida Coutinho Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Thaynara Thaissa Dias Guimarães Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Ariane Fernandes da Conceição Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Resumo

Este trabalho teve como objetivo analisar a distribuição da mobilidade pendular que a população mineira realiza diariamente de sua residência para outro município, seja para estudo ou trabalho. Para realização deste estudo, utilizou-se das informações disponíveis na base de dados SIDRA-IBGE, referente ao ano de 2010, último censo. Após sistematização dos dados, estes passaram por tratamento e foram submetidos à Análise Exploratória (AED), análise de cluster e posteriormente pelo teste de Anova através do programa SPSS. Como resultado, observou-se que a pendularidade é expressiva no estado, especialmente nos municípios pequenos e, independentemente do tamanho destes, a população pendular prioritariamente sai de sua residência em busca de trabalho em outro município, isto mostra que as pessoas não têm encontrado emprego/renda em seu próprio município. Entretanto, ao considerar a atividade estudo, os pequenos municípios tendem a apresentar maior volume de deslocamentos do que cidades médias ou grandes. Logo, os deslocamentos pendulares do estado mostram como tem havido uma generalização na rotina de vida baseada na mobilidade e, por consequência, provocam modificações consideráveis nos espaços e funcionam como uma importante proxy para planejadores públicos.

Referências

ARANHA, V. 2005. Mobilidade pendular na metrópole paulista. Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 4, pp. 96-109, out/dez.

BALBIM, R. 2016. Mobilidade: uma abordagem sistêmica. In: BALBIM, R; KRAUSE, C.; LINKE, C.C. Cidade e movimento: mobilidade e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: IPEA, pp. 23-42.

BARBOSA, J. L. 2016. O significado da mobilidade na construção democrática da cidade. In: BALBIM, R; KRAUSE, C.; LINKE, C.C. Cidade e movimento: mobilidade e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: IPEA, 2016, pp. 23-46.

BAKIEVA, M.; GONZÁLEZ SUCH, J; JORNET, J. (2012). Grupo de Innovacíon Educativa. Universitat de València. Disponível: << http://www.uv.es/innovamide/spss/0702b.wiki>>. Acesso: 07 de março de 2013.

BEAUJEU-GAMIER, J. 1980. Geografia Urbana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

BECKER, Olga M. S. 2011. Deslocamentos populacionais pendulares em áreas ligadas à indústria petrolífera no estado do rio de janeiro. Revista Geográfica de América Central, pp. 1-15, Número Especial EGAL.

BONIFÁCIO, R. S. 2009. Vulnerabilidades e mobilidade pendular na região metropolitana da Baixada Santista. Campinas, SP. Dissertação (Mestrado em Demografia). Universidade Estadual de Campinas.

CASTELO, Branco, M. L; FIRKWSKI, O. C. F.; MOURA, R. 2005. Movimento pendular: abordagem teórica e reflexões sobre o uso do indicador. Disponível em: <http://www.anpur.org.br/anais/ena11/253.pdf>. Acesso em: 22 de dezembro de 2012.

CUNHA, J. M. P. 2012. Retratos da Mobilidade Espacial no Brasil: os Censos Demográficos como Fonte de Dados. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, ano XX, n.39, pp. 29-50, jul./dez.

HABERMAS, J. 2007. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa: Edições 70.

HAIR, J. F., JR; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L., & Black, W. 1998. Multivariate data analysis. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2010. Censo Demográfico 2010. (SIDRA). Disponível em: << www.ibge.gov.br>>. Acesso em 02 de fevereiro de 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2004. Tendências Demográficas: uma análise dos resultados da amostra do censo demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE.

MOORI, R. G.; MARCONDES, R. C.; ÁVILA, R. T. 2002. A Análise de Agrupamentos como Instrumento de Apoio. Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 1, pp. 63-84, jan./abr.

LEFEBVRE, H. 2016. Direito a cidade. Itapevi, SP: Nebli,

LOBO, C. et al. 2017. Mobilidade pendular e a integração metropolitana: uma proposta metodológica para municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte/MG-2010. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 34, n. 2, pp. 321-339, maio/ago.

LOPES, D. M. F.; HENRIQUE, W. 2010. Cidades médias e pequenas: teorias, conceitos e estudos de caso. Salvador: SEI.

MELCHIOR, L. 2010. Redes sociais e migrações laborais: múltiplas territorialidades. A comunidade nipo-brasileira de Ourinhos (SP). In: SPOSITO, E., BOMTEMPO, D., SOUZA, A. Geografia e migração: movimentos, territórios e territorialidades. São Paulo: Expressão Popular.

MOURA, R., et al. 2005. Movimento pendular e perspectivas de pesquisas em aglomerados urbanos, Perspectiva, v.19, n. 4, pp. 121-133, dez.

OJIMA, R.; MARANDOLA JR., E. 2012. Mobilidade populacional e um novo significado para as cidades. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 14, n.2, pp. 103-116, nov.

OJIMA, R,. et al. 2015. Urbanização dispersa e mobilidade no contexto metropolitano de Natal: a dinâmica da população e a ampliação do espaço de vida. URBE - Revista Brasileira de Gestão Urbana, vol. 7, n. 1, pp. 9-20.

OLIVEIRA, L. A. P.; OLIVEIRA, A. T. R. 2011.Reflexões sobre os deslocamentos populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE,

PINSON, G. 2011. Les systèmes métropolitains integres: processus et scènarios. Das systèmes spatiaux em prospective: territoires, Paris: Datar, 2040, n. 4.

PNUD.2009. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Relatório de Desenvolvimento Humano Ultrapassando barreiras: Mobilidade e Desenvolvimento Humanos.

RIOS-NETO, E. L.G., MARTINE, G.. ALVES, J E. D. 2009. Oportunidades perdidas e desafios críticos: a dinâmica demográfica brasileira e as políticas públicas. Belo Horizonte: ABEP; UNFPA; CNPD. Disponível em: << http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/ebooks/Demografia_em_Debate/Demografia_em_Debate_Volume3.pdf>>. Acesso em 10 de janeiro de 2013.

SILVA, É. T. 2008. Desenvolvimento regional e movimento pendular: questões recentes no norte fluminense. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu-MG – Brasil.

VASCONCELLOS, E. A. 2016. Mobilidade cotidiana, segregação urbana e exclusão. In: BALBIM, R; KRAUSE; C.; LINKE, C.C. Cidade e movimento: mobilidade e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: IPEA, pp. 57-79.

Publicado
2018-10-01