Teorias sobre o Estado moderno e contribuições para a análise das políticas educacionais

  • Marta Rosani Taras Vaz Doutoranda em Educação na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Resumo

Considerando a relevância das diferentes teorias acerca do Estado, o presente texto procura adentrar na discussão marxista de Estado e contribuir para a análise das políticas educacionais. Para tanto, partiremos de uma breve síntese do pensamento teórico sobre a constituição do Estado na Modernidade, apresentando as perspectivas de alguns autores como Hobbes, Locke, Rousseau, Hegel, Smith e de alguns clássicos do marxismo. Por fim, apontamos para a necessidade de compreender as contradições entre Capital, Trabalho e Estado para apreender o papel das mediações da política educacional.

Referências

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PAQUINO, G. Dicionário de Política. 11ª ed. V.1. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

CHASIN, J. Tomo III – Política: A determinação ontonegativa da politicidade. São Paulo: Estudos e Edições Ad Hominem, 2000.

FERREIRA, A. B. H. Aurélio século XXI: o dicionário da Língua Portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

CARNOY, M. Estado e Teoria Política. 7ª ed. Campinas. São Paulo: Campinas, 1988.

ENGELS, F. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. 3ª ed. São Paulo: Escala, 2009.

ENGELS, F. Prefácio. MARX, K. As lutas de classe na França: de 1848 a 1850. São Paulo: Boitempo, 2012.

FAORO, R. Os donos do Poder: formação do patronato político brasileiro. 5. ed. Porto Alegre: Globo, 1979.

GARAUDY, R. Para conhecer o pensamento de Hegel. Porto Alegre: LPM, 1966.

GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o Estado moderno. 7. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

GRUPPI, L. Tudo começou com Maquiavel: as concepções de Estado em Marx, Engels, Lênin e Gramsci. 11ª ed. Porto Alegre: L&PM, 1986.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. São Paulo: Martin Claret, 2002.

LÊNIN. V. I. O Estado e a Revolução. Campinas: Unicamp, 2011. pp. 35-55. Disponível em: <http://navegandopublicacoes.net>.

LESSA, S.; TONET, I. Introdução à filosofia de Marx. 2ª ed. São Paulo: Expressão popular, 2011.

LIMA, M. F. Roque Spencer Maciel de Barros: pensamentos e intervenção na Reforma universitária de 1968. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá: UEM, 2005.

LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Martin Claret, 2006.

MARX, K. A Miséria da Filosofia. Paris: Payot, 2002.

MARX, K. As lutas de classe na França: de 1848 a 1850. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, K. Glosas Críticas ao artigo “o Rei da Prússia e a reforma social de um prussiano”. In: MARX, K. ENGELS, F. Luta de classes na Alemanha. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo, 2007b.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Martin Claret, 2007a.

MASSON, G. Das teorias modernas de Estado à crítica da legitimação político ideológica na organização social capitalista. Revista de Ciências Humanas, v. 44, n.1, pp. 69-95, abr./2010.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MÉSZÁROS, I. A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. São Paulo: Boitempo, 2015.

MÉSZÁROS, I. A reconstrução necessária da dialética histórica. In: JINKINGS, I.; NOBILE, R. (Orgs.). István Mészáros e os desafios do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2011.

ROUSSEAU, J. J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. São Paulo: Martin Claret, 2006.

ROUSSEAU, J. J. Do contrato social. São Paulo: Martin Claret, 2007.

SHEEN, M. R. C. A política Educacional como momento de Hegemonia: Notas metodológicas a partir das contribuições de Antônio Gramsci. Revista Histedbr online, nº25, pp. 3-12, março, 2007.

SMITH, A. A riqueza das Nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

VÁRNAGY, T. O pensamento político de John Locke e o surgimento do liberalismo. In: BORON, A. (Org.). Filosofia política moderna: De Hobbes a Marx. São Paulo: LACSO, DCP-FFLCH, USP, 2006.