Pedalar na cidade: uma experiência educativa

  • Sheila Hempkemeyer Mestra e doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Resumo

Este estudo provém de uma pesquisa de Mestrado em Educação. Discute formas de subjetivação contemporânea, estratégias de reexistência, vendo a educação enquanto acontecimento dinâmico e permanente. Enxerga na bicicleta um potencial educativo e ambiental, apoiando-se nos Estudos Culturais e contribuições coletivas costuradas pelos referenciais teóricos escolhidos. Tem por objetivo refletir sobre olhares e narrativas que produzem e são produzidos a partir do encontro entre pessoas e bicicletas, enquanto corpos pedalantes nesta relação bicicleta-cidade. O estudo potencializa narrativas ficcionais e suas inventividades expressas na página do Facebook “Seres Pedalantes”, criada a partir da imersão etnográfica para coletar e disparar histórias sobre o tema proposto. Uma metodologia tecida no fazer cotidiano. Através do inventário de imagens e narrativas, analisa os efeitos educativos da bicicleta na vida de quem pedala. Pensando a cidade enquanto mudança cotidiana através do olhar e do sentir pedalante, relacionando o ambiente e a dinâmica destes corpos, tecendo múltiplas afetações estéticas, poéticas, políticas.

Referências

CORAZZA, S. M. 2002. Labirintos da pesquisa, diante dos ferrolhos. In: COSTA, Marisa Vorraber. (Org.) Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A. Pp. 105-131.

CAMPBELL, B. 2015. Arte para uma cidade sensível. São Paulo: Invisíveis Produções.

CARERI, F. 2013. Walkscapes: o caminhar como prática estética. 1ª ed. São Paulo: Editora G. Gili.

COSTA, L. A. 2014. O corpo das nuvens: o uso da ficção na Psicologia Social. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 26, pp. 551-576.

COSTA, L. A; MIZOGUCHI, D. H.; FONSECA, T. M. G. 2004. Corpoartecidade: (inten)cidades dos corpos urbanos. IN: FONSECA, T. M. G.; ENGELMAN, S. (org). Corpo, arte e clínica. Porto Alegre: Editora da UFRGS, pp. 171-190.

FERRAÇO, C. E. 2007. Pesquisa com o cotidiano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 98, pp. 73-95.

FISCHER, R. M. B. 2005. Escrita acadêmica: arte de assinar o que se lê. In: COSTA, M. V.; BUJES, M. I. E. (orgs.) Caminhos investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras. Rio de Janeiro: DP&A, pp. 117-140.

GALINDO, D.; MARTINS, M.; RODRIGUES, R. V. 2014. Jogos de armar: narrativas como modo de articulação de múltiplas fontes no cotidiano da pesquisa. In: SPINK, M. J. et. all (org). A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, pp. 295-322.

GORZ, A. 2005. A ideologia social do automóvel. In: LUDD, N. Apocalipse Motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. 2 ed. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, pp. 73-82.

GUIMARÃES, L. B.; SANTOS, J. E. 2009. Entre imagens e deslocamentos: descaminhos de uma pesquisa em educação ambiental. Interacções Journal Portugual. v. 5, n. 11, pp. 91-102.

GUIMARÃES, L. B. et al. 2010. Tecendo Educação Ambiental e Estudos Culturais. Pesquisa em Educação Ambiental. São Paulo, v. 5, n. 2, pp. 73-82.

LARROSA, J. 2014. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. In: LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, pp. 15-34.

LIMA, M. E. C. C.; GERALDI, C. M. G.; GERALDI, J. W. 2015. O trabalho com narrativas na investigação em Educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.31, n.1, pp. 17-44, mar.

MEDRADO, B.; SPINK, M. J.; MELLO, R. P. 2014. Diários como atuantes em nossas pesquisas: narrativas ficcionais implicadas. In: SPINK, M. J. et. all (org). A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, pp. 273-293.

REIGOTA, M. 1999. Ecologistas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

SKLIAR, C. 2014. Desobedecer a linguagem: educar. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

ZANELLA, A. V. et al. 2012. Sobre reXistências. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 12, n. 24, pp. 247-262.