Entre bichos e pontalistas: a noção e a previsão do tempo

  • Lucas Lima dos Santos Unicamp

Resumo

O objetivo deste artigo é demonstrar como os habitantes da vila do Pontal do Leste (extremo sul da Ilha do Cardoso, Cananeia, SP), a partir dos envolvimentos com os bichos (animais não-humanos) e ventos, desenvolvem as suas noções concretas das condições do tempo. Animais não-humanos que adivinham o tempo, realizando projeções futuras sazonais ou diárias, estão profundamente emaranhados com as qualidades dos ventos locais, moldando as práticas pesqueiras e domésticas dos pontalistas (moradores da vila). Contudo, ao longo dos anos, com a chegada dos meios de comunicação eletrônico, essas noções começaram a ser contrastadas com as previsões diárias produzidas por meteorologistas e fornecidas nos noticiários. A segunda parte dessa descrição é entender como as previsões adentram a vila e se relacionam de diferentes formas com tais noções.

Biografia do Autor

Lucas Lima dos Santos, Unicamp

Doutorando em Antropologia Social pela Unicamp

Publicado
2019-12-22