O conceito de ecossistema, a ideia de equilíbrio e o movimento ambientalista

  • José Eduardo Viglio Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
  • Lúcia da Costa Ferreira Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Resumo

A ecologia enquanto disciplina científica foi encarada pelos movimentos ambientalistas a partir de 1960 como uma grande aliada da causa ambiental. Um conjunto de conceitos e ideias permitiu ao ambientalismo construir suas percepções a respeito dos problemas ambientais e de suas resoluções e, ao mesmo tempo, por possuir status científico, a ecologia contribuiu para que o ambientalismo adquirisse considerável força política. Contudo, tal conjunto de conhecimentos oferecido pela ecologia constitui uma abordagem particular da mesma e que desde a década de 1970 vem sendo questionada e apontada por muitos ecólogos como pertencente ao antigo paradigma ecológico. Independentemente de uma mudança paradigmática, as novas ideias no âmbito da ecologia permitiram aos ecólogos uma “releitura” dos fenômenos ecológicos – a ideia de equilíbrio como propriedade intrínseca dos sistemas ecológicos foi amplamente revista. Nesse sentido, esse ensaio pretende apresentar de forma sintética as principais controvérsias no campo da ecologia em relação ao conceito de ecossistema e da ideia de equilíbrio para em seguida discutir o papel desempenhado por essas noções nos discursos dos movimentos ambientalistas contemporâneos.

Biografia do Autor

José Eduardo Viglio, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Pesquisador de pós-doutorado do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais da Unicamp
Lúcia da Costa Ferreira, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Ecóloga e doutora em ciências sociais pela Unicamp. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisas Ambientais Nepam/Unicamp

Referências

ADAMS, W. M. 1997. Rationalization and conservation: ecology and the management of nature in the United Kingdom. Transactions of the Institute of British Geographers, vol. 22 (3), p. 277-291.

ALONSO, A; V COSTA. 2002. Por uma sociologia dos conflitos ambientais no Brasil. In: Alimonda, Hector (org.). Ecologia Política. Natureza, sociedad y utopia. Buenos Aires: Clacso - Conferência Latino-americana e Caribenha de Ciências Sociais, 2002, v. p. 115-135.

ALONSO, A; COSTA, V.; MACIEL, D. 2005. The formation of the Brazilian environmental movement. IDS Working Paper, v. 259, p. 1-36.

BOTKIN, D. B. 1990. Discordant Harmonies: A New Ecology for the Twenty-First Century. 1. ed. Oxford, UK: Oxford Univ. Press.

BOURDIEU,P. 1994. O campo científico. In: R. Ortiz (org.), Pierre Bourdieu, São Paulo, Ática.

BRAMWELL A. 1989. Ecology in the 20th Century: A History. 1 ed. Yale University Press.

CLEMENTS, F. E. 1928. Plant Succession and Indicators: A definitive edition of plant succession and plant indicators. 1 ed. New York. Hafner Press.

DIAMOND, J; CASE, T. J. 1986. Community Ecology. 1.ed. New York. Harper & Row.

DRURY, W.H. 1998. Chance and Change: Ecology for Conservationists. 1 ed. University of California Press.

DUNNETT, G. M. 1982. Ecology and Everyman: Presidential Address to the British Ecological Society. The Journal of Animal Ecology, vol. 51, n. 1. p. 1-14. (Feb.).

EGERTON, F. 1977. History of American Ecology. 1 ed. New York. Arno Press (History of ecology collection).

FIEDLER, P.L., WHITE, P.S., LEIDY, R. A. 1997. The paradigm shift in ecology and its implications for conservation. In: Pickett S. T. A., Ostfeld, R. S. Shachak M. Likens, G. E. The ecological basis of conservation: heterogeneity, ecosystems, and biodiversity. New York, Chapman and Hall, p. 83-92.

GLENN-LEWIN, D. C; PEET, R.K; VEBLEN, T.T. 1992. Plant Succession: Theory and prediction. 1 ed. Cambridge. University Press.

GOLLEY, F. B. 1993. A history of the ecosystem concept in ecology. New Haven, CT: Yale University Press.

GROSS, M. 2002. When ecology and sociology meet: The contributions of Edward A. Ross. Journal of the History of the Behavioral Sciences. Vol. 38, Issue 1 , p. 27-42.