A memória do risco na alta modernidade: dos pontos de tensão às controvérsias tecnocientíficas

Autores

  • Alysson Hubner Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL)
  • Joel Paese Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT)

DOI:

https://doi.org/10.24305/cadecs.v2i1.8421

Resumo

O artigo analisa o problema do risco na alta modernidade a partir do conceito de “memória do risco”, no contexto da relação entre “pontos de tensão” e "controvérsias tecnocientíficas”. Para isso, investiga-se o caso do risco da gripe aviária e da gripe suína. O artigo está dividido em duas seções. A primeira trata da “sociedade de risco” e como esse conceito permite articular a ideia de pontos de tensão com o debate sobre controvérsias tecnocientíficas. Na segunda, analisa-se de que maneira os pontos de tensão e as controvérsias podem ser entendidos pelo conceito de “memória do risco” na alta modernidade. Conclui-se que as diferentes práticas assumidas frente aos dois riscos analisados são explicadas pela influência da “memória do risco”.

Referências

ABEF. Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango, 2006. Disponível em: http://www.abef.com.br/Estatisticas/MercadoExterno/Atual.asp Acesso em: setembro de 2007.
BASSOLS, A. T. La teoría de las controversias de Marcelo Dascal. Disponível em: http://www.filosoficas.unam.mx/~tomasini/home.html Acesso em: 10 ago. 2006.
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência. Jorge Zahar: Rio de Janeiro, 1999.
BECK, Ulrich. La Sociedad del Riesgo: Hacia una nueva modernidad. Piadós: Barcelona, 1998a.
BECK, Ulrich. Liberdade ou Capitalismo. Unesp: São Paulo, 1998b.
BECK, Ulrich. O que é Globalização? Equívocos do Globalismo. Respostas à Globalização. Paz e Terra: São Paulo, 1999.
BECK, Ulrich. GIDDENS, Anthony. LASH, Scott. Modernização Reflexiva. Unesp: São Paulo, 1997.
DASCAL, M. The study of controversies and the theory and history of science. Science in Context, v. 11, p. 147-154, 1998.
DASCAL, M. Epistemologia, controvérsia e pragmática. São Paulo, Revista da SBHC, n. 12, p. 73-98, 1994.
DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio Econômicos. O preço o frango e a Gripe Aviária. Nota à Imprensa. São Paulo, 09 de Maio e 2006. Acesso em: setembro de 2007.
http://www.dieese.org.br/rel/icv/icvAbril2006GripeAviaria.pdf
DOUGLAS, Mary. La aceptabilidad del riego según las ciencias sociales. Piados: Barcelona, 1996.
HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Centauro: São Paulo,2006.
HUBNER, Alysson. Rede Socitécnica da Influenza Aviária: o caso do Brasil. João Pessoa, 2014. 174 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação em Sociologia.
HUBNER, Alysson. Risco global da gripe aviária: uma análise sociológica das medidas preventivas em Santa Catarina (Brasil). Florianópolis, 2007. 136 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política.
GIDDENS, Anthony. A Constituição da Sociedade. Martins Fontes: São Paulo, 2003.
GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. Unesp: São Paulo, 1991.
GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Jorge Zahar: Rio de Janeiro, 2002.
GUIVANT, J. S. Trajetórias das Análises de Risco: da Periferia Ao Centro da Teoria Social (Risk analysis' trajectories: from periphery to the center of social theory). BIB - Revista Brasileira de Informação Biobliográfica em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: UFSC, v.46, n.2, p.3 - 38, 1998.
GUIVANT, Júlia. Sustentabilidade e Métodos Participativos: Os Riscos dos Pressupostos Realistas. Estudos Sociedade e Agricultura, n.19, Outubro 2002: 72-88.
HUTTON, Will e GIDDENS, Anthony. No Limite da Racionalidade. Convivendo com o capitalismo global. Uma conversa (13-80). Record: Rio de Janeiro, 2004.
KEYNES, John Maynard. Teoria geral do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Atlas, 1982.
MOL, A, e SPARGAREN,Gert. Para uma sociologia dos fluxos ambientais.Uma nova
agenda para a sociologia ambiental do século 21. Revista Política e Sociedade. 2005.
NELKIN, D. Science controversies: the dinamics of public disputes in the United States. In: Sheila Jasanoff, Gerald E. Markle, et al (Ed.). Handbook of science and technology studies. Thousand Oaks/London/New Delhi: Sage, 1995.
NELKIN, D. The controversies and the authorithy of science. In ENGELHARDT Jr., H. T.; CAPLAN, A. L. (Ed.) Scientific controversies: case studies in the resolution and closure of disputes in science and technology. Cambridge University Press, 1987.
PAESE, Joel. Controvérsias na tecnociência: o caso da lei de biossegurança no Brasil. Florianópolis, SC, 2007. 298 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política.
QUIVY, R. e CAMPENHOUDT, L.V. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa, Gradativa. 1998.
SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. Memória coletiva e teoria social. Annablume: São Paulo, 2003.
WEBER, Max. Metodologia das Ciências Sociais. Cortez: São Paulo,2001.

Publicado

2014-06-30