Movimentos das Águas Caboclas: narrativa visual, cotidiano e ruptura na comunidade pesqueira de Regência Augusta-ES

  • Charlene Sales Bicalho Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Aline Trigueiro Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Winifred Knox Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Ricardo Behr Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

O presente artigo tem o interesse de refletir sobre os processos de mudança social em curso na vila de Regência Augusta (localizada no município de Linhares-ES). Visa problematizar a relação entre o cotidiano da atividade pesqueira e os elementos de ruptura que estão ganhando forma na vida desta pequena localidade, palco de instalação de projetos modernizadores, sobretudo de cunho econômico, como por exemplo, o petróleo e a celulose. Por meio de uma escrita ensaística, o texto acolhe a imagem fotográfica enquanto procedimento reflexivo e de observação, e também de aproximação e diálogo com os(as) pescadores(as) do lugar. Os resultados da pesquisa revelam algumas mudanças já em curso na prática da pesca artesanal, no entanto não desconsideram as formas de resistência e de reafirmação dessa cultura na própria configuração do cotidiano local.

Referências

ALVES, André. 2004. Os Argonautas do Mangue. São Paulo: ed. Unicamp/imprensa oficial.

BICALHO, C. S. 2012. Além da superfície: um estudo sobre os impactos do desenvolvimento na pesca artesanal de Regência Augusta – ES. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal do Espírito Santo-UFES, Vitória, 2012.

BITENCOURT, Luciana. 1994. A fotografia enquanto instrumento etnográfico. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, v. 92, p.225-241.

BRITTO, Rosyan. 1999. Modernidade e tradição: construção da identidade social dos pescadores de Arraial do Cabo - RJ. Niterói: UFF.

CRANE, J.; ANGROSINO, M. 1984. Fields projects in Antropology – a student handbook. 2ed. Illinois: Waveland Press, Inc..

COLLIER Jr., John; COLLIER, M. 1986. Visual anthropology: photography as a research method. Revised and expanded edition. Albuquerque: University of New Mexico Press.

DESCOLA, P. 2000. Ecologia e cosmologia. In. Diegues, A. C. Etnoconservação (Org.) 2ªed. São Paulo: Anablume Ed.

DIEGUES, Antônio Carlos. 1999. A sócio-antropologia das comunidades de pescadores marítimos no Brasil. Etnográfica, Lisboa, v. 3, p. 361-375.

GEERTZ, C. 1999. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes.

GODOLPHIN, N. 1995. A fotografia como recurso narrativo: problemas sobre a apropriação da imagem enquanto mensagem antropológica. In: Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 1, n. 2, p.125- 142.

KANT, R. DE L. 1997. Pescadores de Itaipú: meio ambiente, conflito, ritual e pesca. Niterói: Ed. UFF.

KEYES, C. F. 1983. The observer observed: Changing Identities of ethnographers in a Northeastern Thai Village. In LAWLESS, R.; SUTLIVE,V.J.; ZAMORA, M. Fieldwork: The human experience. London: Gordon Beach, Science Publ..

KNOX, W.; CORADINI, Lisabete. 2007. Imagens e espelho: reflexões sobre o uso da fotografia em comunidades pesqueiras. Cadernos de Antropologia e Imagem (UERJ), v. 1, p. 35-47.

KNOX, W. 2009. Vivendo do mar: modos de vida e de pesca. 1. ed. Natal: Edufrn. v. 1. 189 p.

KNOX, W. 2011. A imagem fotográfica: observando e observada. In: Lisabete Coradini e Francisca Miller. (Org.). Imagem e meio ambiente: debates atuais. Natal: EDUFRN, p. 55-81.

LAWLESS, R.; SUTLIVE, V. J.; ZAMORA, M. 1983. Fieldwork: The human experience. London: Gordon Beach, Science Publ.

LEITE, M. L. M. 1998. Texto visual e texto verbal. In: FELDMAN-BIANCO, B.; LEITE, M. M. (Org.). Desafios da imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas Ciências Sociais. São Paulo: Papirus.

LEITE, Rogerio Proença. 2010. A inversão do cotidiano. Práticas sociais e rupturas na vida urbana contemporânea. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 53, no. 3, pp. 737 a 756.

MARTINS, José de Souza. 2011. Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto.

MEAD, Margaret. 1995. Visual Anthropology. In:______. A discipline of words, principles of visual anthropology. 2th ed. Le Hague, Mouton, EU.

MEIRELLES, Daniela; CALAZANS, Marcelo. 2006. H2O para celulose x água para todas as línguas: o conflito ambiental no entorno da Aracruz Celulose S/A – Espírito Santo. [s.i.: s.n.].

SILVEIRA, Pedro Castelo Branco. 2011. Pesca artesanal, territórios e os impactos dos grandes empreendimentos. Coletiva, [S.I.], n. 3, jan/fev/mar. Disponível em: . Acesso em: 28 de junho de 2011.

VALADE, Bernard. 1995. Mudança Social. In. BOUDON, Raymond (direção). Tratado de Sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

ROUÊ, M. 2000. Novas perspectivas em etnoecologia: “saberes tradicionais” a gestão dos recursos naturais. In. Diegues, A. C. Etnoconservação (Org.), 2ªed. São Paulo: Anablume Ed..

SAMAIN, E. 1994a. Oralidade, escrita, visualidade. Meios e modos de construção dos indivíduos e das sociedades humanas. In: JUNQUEIRA FILHO, L. C. (Org.). Perturbador mundo novo: história, psicanálise e sociedade contemporânea 1492-1992. São Paulo: Escuta, 1994a. pp. 289-301.

SAMAIN, E. 1994b. Para que a Antropologia consiga tornar-se visual. In: FAUSTO NETO, A. (Org.) Brasil, comunicação, Cultura e Política. Rio de Janeiro: Diadorim Ed., p. 33-46.

SCHAMA, Simon. 1996. Paisagem e memória. São Paulo, Companhia das Letras.

ZUNTI, Maria Lucia Grossi. 1941. Panorama histórico de Linhares. Linhares: Prefeitura Municipal de Linhares, 1941.

Publicado
2014-06-30