Memória ou criação espontânea?

  • Paolla Clayr de Arruda Silveira UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE
  • Giovanne do Nascimento Universidade Estadual do Norte Fluminense
Palavras-chave: Criação, Memória, Arquitetura.

Resumo

A criatividade se mostra como habilidade ao profissional da arquitetura, que deve projetar espaços funcionais, com beleza e que acolham o usuário. Mas como a criação se manifesta? Como se dá o processo criativo no projeto arquitetônico diante das variáveis existentes ao redor do projeto? O presente ensaio tem como objetivo debater o modo de concepção dos projetos de arquitetura nos moldes atuais, diante da reflexão sobre o papel da memória e da/na criação diante dos estudos projetuais. Nesse sentido, esse texto organiza-se em quatro partes: na primeira parte, situamos a problemática num breve histórico do modo de se fazer e de se pensar sobre arquitetura; na segunda parte estão presentes alguns conceitos acerca da criação, de modo geral, e como se manifesta na obra do arquiteto; na terceira parte, é dada voz à memória num aspecto fundamentalmente filosófico e de ideais; e na quarta e última estão alguns aspectos conclusivos. O debate insistente e necessário do confronto entre memória e criação se mostra importante em determinados momentos do arquiteto, e de outras profissões afins que lidam com criatividade, na reflexão e reconhecimento de seu trabalho como arte, quando o mercado de trabalho e as condições econômicas travam a criação e buscam apenas o lucro material.

Biografia do Autor

Paolla Clayr de Arruda Silveira, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE

MESTRANDA EM COGNIÇÃO E LINGUAGEM - UENF

MBA EM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA DAS CIDADES - UNINTER

GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - IFF

Giovanne do Nascimento, Universidade Estadual do Norte Fluminense
Professor Doutor Associado na Universidade Estadual do Norte Fluminense

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. 2ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. Valentín Garcia Yebra. 2ª Edição. Madrid: Editorial Gredos, 1982.

BENEVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. São Paulo: Perspectiva, 1976.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. 3ª Edição. Trad. Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CHING, Francis; JUROSZEV, Steven. Desenho para arquitetos. Trad. Alexandre Salvaterra. 2ª Edição. São Paulo: Bookman, 2012.

GALLO, Silvio. (Coord.). Ética e cidadania: caminhos da filosofia. 15ª Edição. Campinas: Papirus, 2003.

GROPIUS, Walter. Bauhaus: novarquitetura. 6ª Edição. São Paulo: Perspectiva, 2001.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Trad. Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: EDIPUC-Rio, 2010.

____________. Graciosidade e Estagnação – ensaios escolhidos. Rio de Janeiro: EDIPUC-Rio, 2012.

MORENO, J. L. O teatro da espontaneidade. Trad. Moysés Aguiar. São Paulo: Summus, 2014.

MOTTIN, Ernani. Criatividade: passo a passo. Porto Alegre: Editora AGE, 2004.

PENNICK, Nigel. Geometria sagrada. São Paulo: Pensamento, 1980.

PULS, Mauricio. Arquitetura e filosofia. São Paulo: Annablume, 2006.

REID, Thomas. An Inquiry into the human mind on the principles of common sense. Trad. Derek R. Brookes. Edinburgh: Edinburgh University, 2000.

SEGRE, Roberto. Um Benevolo ansioso no século XXI. Resenhas Online. São Paulo: Vitruvius, 2008. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenha sonline/07.077/3076>. Acesso em 13 ago. 2015.

SIMMEL, Georg. Sobre la aventura. Barcelona: Península, 2002.

SOUZA, Bruno C. C. Criatividade: a engenharia cognitiva da inovação. Brasília: Edição do autor, 2012.

VITRÚVIO, Pollio. Tratado de arquitetura. Trad. M. J. Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Publicado
2015-12-30
Como Citar
Silveira, P. C. de A., & Nascimento, G. do. (2015). Memória ou criação espontânea?. Revista Do Colóquio, 5(9), 128-140. Recuperado de http://periodicos.ufes.br/colartes/article/view/11449