Memória ou criação espontânea?

Paolla Clayr de Arruda Silveira, Giovanne do Nascimento

Resumo


A criatividade se mostra como habilidade ao profissional da arquitetura, que deve projetar espaços funcionais, com beleza e que acolham o usuário. Mas como a criação se manifesta? Como se dá o processo criativo no projeto arquitetônico diante das variáveis existentes ao redor do projeto? O presente ensaio tem como objetivo debater o modo de concepção dos projetos de arquitetura nos moldes atuais, diante da reflexão sobre o papel da memória e da/na criação diante dos estudos projetuais. Nesse sentido, esse texto organiza-se em quatro partes: na primeira parte, situamos a problemática num breve histórico do modo de se fazer e de se pensar sobre arquitetura; na segunda parte estão presentes alguns conceitos acerca da criação, de modo geral, e como se manifesta na obra do arquiteto; na terceira parte, é dada voz à memória num aspecto fundamentalmente filosófico e de ideais; e na quarta e última estão alguns aspectos conclusivos. O debate insistente e necessário do confronto entre memória e criação se mostra importante em determinados momentos do arquiteto, e de outras profissões afins que lidam com criatividade, na reflexão e reconhecimento de seu trabalho como arte, quando o mercado de trabalho e as condições econômicas travam a criação e buscam apenas o lucro material.

Palavras-chave


Criação; Memória; Arquitetura.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. 2ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. Valentín Garcia Yebra. 2ª Edição. Madrid: Editorial Gredos, 1982.

BENEVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. São Paulo: Perspectiva, 1976.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. 3ª Edição. Trad. Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CHING, Francis; JUROSZEV, Steven. Desenho para arquitetos. Trad. Alexandre Salvaterra. 2ª Edição. São Paulo: Bookman, 2012.

GALLO, Silvio. (Coord.). Ética e cidadania: caminhos da filosofia. 15ª Edição. Campinas: Papirus, 2003.

GROPIUS, Walter. Bauhaus: novarquitetura. 6ª Edição. São Paulo: Perspectiva, 2001.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Trad. Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: EDIPUC-Rio, 2010.

____________. Graciosidade e Estagnação – ensaios escolhidos. Rio de Janeiro: EDIPUC-Rio, 2012.

MORENO, J. L. O teatro da espontaneidade. Trad. Moysés Aguiar. São Paulo: Summus, 2014.

MOTTIN, Ernani. Criatividade: passo a passo. Porto Alegre: Editora AGE, 2004.

PENNICK, Nigel. Geometria sagrada. São Paulo: Pensamento, 1980.

PULS, Mauricio. Arquitetura e filosofia. São Paulo: Annablume, 2006.

REID, Thomas. An Inquiry into the human mind on the principles of common sense. Trad. Derek R. Brookes. Edinburgh: Edinburgh University, 2000.

SEGRE, Roberto. Um Benevolo ansioso no século XXI. Resenhas Online. São Paulo: Vitruvius, 2008. Disponível em: . Acesso em 13 ago. 2015.

SIMMEL, Georg. Sobre la aventura. Barcelona: Península, 2002.

SOUZA, Bruno C. C. Criatividade: a engenharia cognitiva da inovação. Brasília: Edição do autor, 2012.

VITRÚVIO, Pollio. Tratado de arquitetura. Trad. M. J. Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.