A Arte como Forma de Expressão: uma Educação Tradicional e Outra Crítica

Alberto Carlos de Souza

Resumo


Este estudo buscou re-visitar as duas concepções de Arte, como linguagem – pedagógica e reflexiva -, forjadas ao longo da História e sua relação com o pensamento estético brasileiro de resistência. A partir da década de 60, tal pensamento  atribuiu uma finalidade pedagógica à Arte, incumbindo-lhe a tarefa crítica social e política de engajamento emancipatório humano, analisando a relação entre arte e o público na sociedade contemporânea: assumindo que a obra de arte tinha uma aura que ao longo dos tempos foi perdida em função de uma reprodutibilidade técnica. Na modernidade reflexiva em que vivemos o homem – diferente da concepção iluminista ou sociológica -, é um sujeito descentrado e que vive em crise de identidade, visto que as velhas identidades estão continuamente sendo substituídas por novas identidades. Assim posto, entendemos ser função da escola criar junto ao alunado um espaço de valorização de seu patrimônio cultural e para tal, consideramos a teoria dos lugares de memória- que são entendidos como símbolos, festas, emblemas, monumentos, comemorações, elogios, dicionários e museus são lugares de memória  cada vez mais ameaçada de desaparecer -, ainda permanece encarnada, graças à vontade dos homens e apesar da passagem do tempo. Destacou-se neste cenário o teatro do oprimido, a poesia de Ferreira Gullar, o Cinema Novo e música de protesto de Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Milton Nascimento, dentre muitos outros.

 

Palavras Chave: Música Popular Brasileira; História; Arte.


Palavras-chave


Música Popular Brasileira; História; Arte.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Fragmentos sobre música e linguagem (Tradução de Manoel Dourado Bastos). Marília – SP: Trans/Form/Ação [on line], v. 31, n. 2, 2008. Acesso em 13 jun 2009. Disponível em

http://www.scielo.php?script=sci_arttex&pid=SO101-31732008000200010&em&nrm=isso>

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica – primeira versão. In: Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. 7ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 165-196.

BERTONI, Luci Mara. Arte, indústria cultural e educação. Cad. CEDES, Campinas, v. 21, n. 54, ago. 2001. Disponível em: http://scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0101-3262200/000200008&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 15 jun. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. 9ed. São Paulo: Ática, 1997.

DEMO, P. Participação é conquista: noções da política social participativa. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1993.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed.São Paulo: Atlas, 2002.

HALL, S. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 18 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. , 2005.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LEGRAND, Gerard. Dicionário de filosofia. Lisboa: Edições 70, 1986.

NAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca em sociedades arcaicas. In: Sociologia e antropologia. São Paulo: Perspectiva, 1981.

NORA, Pierre. Les lieux de mémorie. Paris: Editions Gallimard, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.