Disparate alegre: reflexões sobre a calcografia tardia de Marcello Grassmann e a série final de gravura em metal de Goya, Los Disparates

Érica Boccardo Burini

Resumo


O termo disparate em geral associa-se à insensatez, mas também pode ser visto como um meio consciente de contestar uma realidade imperativa. Este caráter de subversão é utilizado como ponto de partida para aproximação entre as gravuras da série homônima de Francisco de Goya e os metais do período tardio de Marcello Grassmann. São investigadas questões relacionadas ao tempo, ao espaço e à imagem em constante diálogo e ruptura com as tradições artísticas. A comparação é um meio de aproximação das misteriosas gravuras que recuperam universos figurativos longínquos, e Goya é escolhido por ser tido como influência aos modernistas devido à liberdade da forma em suas obras tardias. As relações estabelecidas são acima de tudo ligadas à observação atenta das imagens produzidas pelos artistas.


Palavras-chave


Processos de Criação; Teorias da Arte;

Texto completo:

PDF

Referências


BERGAMÍN, José. El disparate en la literatura española. Sevilla: Editorial Renacimiento, 2005.

BERUETE Y MORET, Aureliano de. Goya, grabador, t.III, Madrid: Blass, 1918. (Edição compendiada por Francisco Javier Sánchez Cantón: Madrid, Blass, 1928).

BLAS BENITO, Javier. Entre la representación y la ausencia de significación. In: CALERO, Ricardo (org.). Goya, desparates: continuidad de un proyecto inacabado. Madrid: Sociedad Estatal para la Acción Cultural Exterior, 2007.

BURUCÚA, José Emílio. E. La imagen y la risa: las pathosformeln de lo cómico en el grabado europeo de la modernidad temprana. Cáceres: Periférica, 2007.

CANO CUESTA, Marina. Goya en la Fundación Lázaro Galdiano. Madrid: Fundación Lázaro Galdiano, 1999.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo. Tradução de Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2015.

FATÁS, Guillermo. Disparates. In: CENTELLAS, Ricardo (org.); FATÁS, Guillermo (org.). Goya, Que valor! Caprichos, Desastres, Tauromaquia, Disparates. Zaragoza: Caja de Ahorros de la Inmaculada de Aragón, 1996. p.82-90.

FOCILLON, Henri. A vida das formas: seguido de Elogio da mão. Lisboa: Edições 70, 1988.

GRASSMANN, Marcello. A morte e a donzela. São Paulo, Escritório de arte Augusta 664, 15 nov. 2002. Entrevista concedida a Carlos von Schmidt.

GUTHKE, Karl Siegfried. The gender of death: a cultural history in art and literature. Cambridge, UK; New York, NY: Cambridge University Press, 1999.

INSTITUTO MOREIRA SALLES (org.), GRASSMANN, Marcello. Marcello Grassmann: Desenhos. São Paulo, SP: Instituto Moreira Salles, 2006.

MATTOS, Cláudia. Arquivos da memória: Aby Warburg, a história da arte e a arte contemporânea. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA DA ARTE DA UNICAMP, 2, 2006, Campinas. Teoria e História da Arte: Abordagens Metodológicas (Atas). Campinas, SP: Unicamp, 2006. p. 221-228.

PÉREZ SÁNCHEZ, Alfonso E. Goya. Caprichos - Desastres - Tauromaquia - Disparates. Madrid: Fundación Juan March, 2006.

PINTO, Dalila S. C. Arquétipos e Memória - A gravura de Marcelo Grassmann. 2007. 165 f. Dissertação (Mestrado em História e Crítica da Arte) - Escola Nacional de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PINTO, Dalila S. C.; TAVORA, Maria Luisa L. Sobrevivência da imagem: o anacronismo na gravura de Marcello Grassmann. Palíndromo, Florianópolis, v.3, n.3, p. 99-115, 2010.

TODOROV, Tzvetan. Goya à sombra das luzes. Tradução de Joana Angelica d'Avila Melo. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.