Invenções autobiográficas: um entrelaçamento entre o testemunho e o trauma

Dayane Lacerda Queiroz

Resumo


Trauma, memória e testemunho são temas que, na atualidade, acometem as produções em arte, principalmente aquelas pautadas na autobiografia, ou seja, no discurso pessoal. Porém, quando se narra uma experiência é possível manter os limites entre verdade e invenção? O corpo como continuidade do mundo estabelece relações afetivas onde os conceitos de ficção e realidade são borrados pela ação da testemunha, pelo efeito inaudito da narrativa do trauma. Uma sociedade cada vez mais midiatizada e traumatizada compõe, junto a arte autobiográfica, a possibilidade de presentificação dos silêncios e das histórias pertencentes as narrativas da testemunha, e também as subjetividades e afetividades do sujeito que fala.


Palavras-chave


Processo de criação, arte e literatura, presença, corpo

Texto completo:

PDF

Referências


ABUJAMRA, Marcia. A alma, o olho, a mão ou o uso da autobiografia no teatro. Revista Sala Preta.v.13, São Paulo, p.72-85, 2013.

AGAMBEN, Giorgio. O Que Resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo, 2008.

ALICE, Tânia. A potência autoficcional na construção da cena performática. In. VII Congresso Cientifico de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas da ABRACE. Porto Alegre, 2012, p.1-7.

BARTHES, Roland. Crítica e verdade. São Paulo: Perspectiva, 2013.

CARREIRA, André. A Intimidade e a Busca de Encontros Reais no Teatro. Revista Estudos da Presença. v.1, nº2, Porto Alegre, p.331-345, 2011.

FÉRAL, Josette. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Revista Sala Preta, São Paulo. v.8, p.197-210. 2009.

FERREIRA, ligia. Teatro Biográfico: A experiência do Biodrama na Argentina. In. VI Reunião Cientifica de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas da ABRACE. Porto Alegre, 2011, p.1-5.

GINZBURG, Jaime. Impacto da violência e constituição do sujeito: um problema da teoria da autobiografia. In: GALLE, Helmut (et al.) (Orgs.). Em primeira pessoa. Abordagens de uma teoria da autobiografia. São Paulo: Annablume; FAPESP; FFLCH-ESP, 2009, p. 123-131.

LEITE, Janaína. Três tentativas de dizer o indizível: a experiência de criação de Conversas com meu pai. Revista Sala Preta.v.13, São Paulo, p.153-163, 2014.

SELIGMANN-SILVA, Márcio (Orgs). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000, p. 207-235.

KESSEL, Zilda. Memória e memória coletiva. Disponível em: http://www.museudapessoa.net/public/editor/mem%C3%B3ria_e_mem%C3%B3ria_coletiva.pdf; Acesso em 20 de nov de 2015.

LEVI, Primo. É isto um homem?. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

MARTINS, Estevão C. de Rezende. O enigma do passado: construção social da memória histórica. Textos de História, v.15, n. ½, p.35-48, 2007. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/textos/article/view/958/625; Acesso em: 20 de nov. 2015.

MERCADO, Tununa. Testemunho, Verdade e literatura. In: GALLE, Helmut (et al.) (Orgs.). Em primeira pessoa. Abordagens de uma teoria da autobiografia. São Paulo: Annablume; FAPESP; FFLCH-ESP, 2009, p. 31-36.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, v.5, n. 10, Rio de Janeiro, p. 200-2012, 1992. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/1080; Acesso em 20 de nov de 2015.

POLLAK, Michael. Memória e esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, v.2, n. 3, Rio de Janeiro, p. 3-15, 1989. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278/1417; Acesso em 18 de nov de 2015.

RIBEIRO, Mônica. Memórias da dança-improvisação: acontecimento do corpo. In: TOLEDO, Mônica (Org.). Performances da memória. Belo Horizonte: Impressões de Minas, p. 46-59, 2013.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “Zeugnis” e “Testimonio”: um caso de intraduzibilidade entre conceitos. Letras, n. 22: “Literatura e autoritarismo”, Santa Maria, RS, p.121-130, jan/jun. 2001

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “A era do Trauma”. A psicanálise e a compreensão do indivíduo moderno. Revista Cult, ano 18, n.205, São Paulo, p. 46-51, 2015.

SOLER, Marcelo. Teatro Documentário: a pedagogia da não ficção. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

STRAUB, Jurgen. Memória autobiográfica e identidade pessoal. Considerações histórico-culturais, comparativas e sistemáticas sob a ótica da psicologia narrativa. In: GALLE, Helmut (et al.) (Orgs.). Em primeira pessoa. Abordagens de uma teoria da autobiografia. São Paulo: Annablume; FAPESP; FFLCH-ESP, 2009, p. 79-94.

UMBACH, Rosani Ketzer. Memórias de repressão e literatura: algumas questões teóricas. In: UMBACH, Rosani Ketzer (Org). Memórias da Repressão. Santa Maria, RS: UFSM, PPGL-UFSM, 2008, p.11-20.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.