Atritos e figurações conflituosas entre o erotismo, o místico, o profano e o religioso na poética maldita de Waldo Motta

  • Roney Jesus Ribeiro Universidad San Carlos - USC Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Associação de Professores de Espanhol do Espírito Santo - APEES
Palavras-chave: Crística, poesia, erotismo-profano, místico-religioso, Waldo Motta

Resumo

No presente estudo, pretende-se realizar algumas considerações sobre as transgressões na poética maldita Waldo Motta. Para isso, debruçaremos no projeto literário “erotismo” e ao mesmo tempo “sagrado” deste poeta capixaba, para tratar das relações entre o místico e religioso e o erotismo e profano. Tais características estão muito presentes na poesia de Motta. Na sua poética a condição de homossexual fica evidente a partir da linguagem utilizada, que não deixa escapar sua doutrina e crença. Vale dizer ainda que, na lírica waldiana, o elemento sagrado é a poesia, e esta por sua vez se transforma em um altar profano homo afetivo, onde as questões homossexuais por meio do poético são ressignificadas. Para tal, seguiremos afinados as pesquisas de Bataille (1987), de Debois (2001), de Ribeiro (1990/ 1993/ 1996), de Rosa (2011) de Santos (2015), de Simon (2004), e de Siscar (2010), dentre outros

Biografia do Autor

Roney Jesus Ribeiro, Universidad San Carlos - USC Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Associação de Professores de Espanhol do Espírito Santo - APEES

Doutorando em Educação (Docência, Currículo e Linguagem) – USC; Mestre em Educação (Docência, Currículo e Linguagem) – UA/UFRJ; Especialista em Literatura, Cultura e Arte – FACEC e em Educação, Pobreza e Desigualdade Social – Ufes; Graduado em Artes Visuais – UNIMES; em Letras (Português, Espanhol e Inglês) – FACIASC e em Pedagogia - FATE. Professor nas áreas de Letras e Artes. Integrante nos Grupos de Pesquisa “Literatura e Educação”, registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa (DGP) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e no Grupos de Estudos e Pesquisa “Arte na Escola” (FNM/PAE). E-mail: roney-ribeiro@hotmail.com

Referências

BATAILLE, Georges. O Erotismo. Trad. Antonio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

DUBOIS, J. e col. Dicionário de linguística (trad.). São Paulo: Ed. Cultrix, 2001.

MOTTA, Waldo. Transpaixão: coletânea. Vitória: Edufes, 2008.

______. Bundo e outros poemas. Campinas, SP: Editora UNICAMP, 1996.

______. Eis o homem. Vitória: Ed. Da Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1987.

______. Enrabando o capetinha ou o dia em que Eros se fodeu. In: PEDROSA, Célia. Mais poesia hoje. Rio de Janeiro: 7Letras, 2000, p. 59-76.

RIBEIRO, Francisco Aurélio. A Modernidade das Letras Capixabas. Vitória: FCAA. 1993

______. A Literatura do Espírito Santo: uma marginalidade periférica. Vitória: Nemar, 1996.

______. Estudos Críticos de Literatura Capixaba. Vitória: FCAA. 1990.

ROSA, Carlos. Numerologia cabalística: A última fronteira. São Paulo: Madras, 2011.

SANTOS, Ricardo. A poética profanada de Waldo Motta. Revista Estação Literária. Londrina: Volume 13, p. 40-61, jan. 2015.

SIMON, Iumna Maria. Revelação e desencanto: a poesia de Waldo Motta. In: Revista Novos estudos, nº 70, 2004.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia” como topos da modernidade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2010.

Publicado
2018-07-01
Como Citar
Ribeiro, R. J. (2018). Atritos e figurações conflituosas entre o erotismo, o místico, o profano e o religioso na poética maldita de Waldo Motta. Revista Do Colóquio, 8(14), 90-102. Recuperado de http://periodicos.ufes.br/colartes/article/view/18238