Presença negra na literatura da Amazônia: reflexões acerca de Belém do Grão-Pará e Seringal

Carla Soares Pereira, Paulo Nunes

Resumo


Este artigo aborda a questão da personagem negra em duas produções romanescas da Amazônia no século XX: Belém do Grão-Pará, de Dalcídio Jurandir, e Seringal, de Miguel Ferrante. O objetivo é observar como a construção do negro ocorre em textos literários de lugares em que historicamente o papel do negro foi invisibilizado perante a sociedade. A partir da análise desses romances, em diálogo com a teoria das identidades, de Cuche (2002); da negritude, de Fanon (2008) e Munanga (1988); do silêncio, de Orlandi (2007) e da perspectiva historiográfica, de Martinello (2004), Salles (2005) e Ranzi (2008), pôde-se compreender que essas narrativas constroem diferentes leituras sobre a presença negra na Amazônia: enquanto Seringal desenha um negro conforme a visão de inferioridade que a sociedade lhe atribui, atrelada à exploração econômica que o seringueiro sofria; a outra redesenha um negro na perspectiva da valorização de seus saberes, seu trabalho, suas manifestações culturais e seu engajamento nas lutas sociais.

PALAVRAS-CHAVE: Negritude – Tema literário. Literatura brasileira amazônica. Dalcídio Jurandir – Belém do Grão-Pará. Miguel Ferrante – Seringal.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Carla Soares Pereira, Paulo Nunes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.