A ENCENAÇÃO DE UM CRIME: UMA CONSTITUIÇÃO RECÍPROCA ENTRE CENOGRAFIA E ENUNCIAÇÃO

Jarbas Vargas Nascimento, Anderson Ferreira

Resumo


Este artigo consiste em examinar a constituição da cenografia no gênero notícia, por meio de recortes feitos em dois jornais populares: o Agora São Paulo e o Diário de São Paulo entre os dias 18 e 19 de setembro de 2013, enfatizando a construção das cenografias legitimadas pela enunciação e o enlaçamento do coenunciador em cenas de investigação criminal. Serão, portanto, cinco textos, tomados como discurso, que, a nosso ver, produzem em conjunto uma encenação de um suposto crime. Para tanto, fundamentamo-nos, a presente análise, no aparato teórico-metodológico da Análise do Discurso de perspectiva enunciativo-discursiva, em especial, os estudos de Dominique Maingueneau acerca da noção de cenas da enunciação, cuja categoria de cenografia será por nós destacada. É importante ressaltar uma imparcialidade quase nula dos jornais em questão perante os fatos e, também, a insistência em tratar o suposto crime por meio da vulnerabilidade social das famílias da periferia da grande São Paulo, nomeadamente Ferraz de Vasconcelos, e pelo viés sociocultural dos envolvidos, recuperando, deste modo, violências simbólicas e efetivas de toda ordem que ocorrem no cotidiano público e privado nos bairros periféricos

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista (Con) Textos Linguísticos


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.