Contribuição para leitura e contextualização da chegada de ONGI´s na Africa Subsahariana, 1960-1990

Resumo

Organizações não-governamentais (ONG´s) são organizações da sociedade civil que orientam suas atividades para a solução de problemas que causam desfavorecimento e na melhoria das condições de vida de grupos ou populações carenciadas. Após a Segunda Guerra Mundial, as ONG´s passaram a integrar, como órgãos de consulta da Organização das Nações Unidas (ONU), o Conselho Econômico e Social (ECOSOC). Como parceiras da ONU no delineamento das políticas econômicas globais, as ONG`s experimentaram um rápido crescimento e expansão pelo mundo, por quanto ajudaram na implementação de programas e missões das Nações Unidas pelo mundo. Este artigo tem como objetivo identificar os principais fatores que justificam a proliferação de Organizações não-Governamentais Internacionais (ONGI´s) em África, no período que vai de 1960 a 1990.

Referências

WORLD BANK. Working with NGOs: A Practical Guide to Operational Collaboration between the World Bank and Non-governmental. Organizations Operations Policy Department, WORLD BANK, MARCH, 1995.

COUTINHO, J. As ONG’s: origens e (des) caminhos. Recherches internacionales. N.44, v.3 p.57-63, 2004.

ALVES, M. AS ONG’s na política comunitária de cooperação para o desenvolvimento. Lisboa: CIDAC, 1996.

UNDP. Development Cooperation Report, 1994-1995. Maputo, Junho de 1996.

KI-ZERBO, J. História da Africa Negra. V.II Lisboa: Europa-América, 1991.

MAURI, G. Organizações Não-Governamentais e desenvolvimento: análise do trabalho de algumas ONG em Moçambique. Dissertação, Mestrado em Estudos Africanos. Universidade Técnica de Lisboa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, 2013.

FIELDEN, A. “Local integration: the under-reported solution to protracted refugee situations”. New issues in Refugee Research, Research paper nº 158, 2008.

MERCER, C. Reconceptualizing state-society relations in Tanzania: are NGOs making Difference? Area. 31, 3 p.247-258, 1997.

BOND, P. & DOR, G. “Neoliberalism and poverty reduction strategies in Africa”. Discussion Paper for the Regional Network for Equity in Health in Southern Africa (EQUINET), 2003.

LUTAMBINGWA, et all. NGOs in sub-Saharan Africa: developing critical capacity for policy advocacy. International Journal on World Peace. n.14, v.3, p.35-70, 1997.

SOUSA, F.R. O impacto do petróleo na política energética mundial. Dissertação, Mestrado em Engenharia. Universidade Federal de Rio de Janeiro, 2006.

SHIVJI, I. G. Silences in NGO discourse: The role and future of NGOs in Africa. Nairobi & Oxford: Fahamu, 2007.

HEARN, J. The Uses and Abuses of Civil Society in Africa. Review of African Political Economy. n.87, p.43-53, 2001.

RAFTOPOULOS, B. “The labour Movement and the emergence of opposition politics in Zimbabwe”. In: ROFTOPOULOS, B. & SACHIKONYE, L. (eds). Striking bode: The labour Movement and the post-colonial state in Zimbabwe, 1980-2000. Harare: Weaven Press, 2001.

HANLON, J. Paz sem benefícios: como o FMI bloqueia a reconstrução de Moçambique. Maputo: Imprensa Universitária, 1997.

KAMAT, S. The Privatization of Public Interest: Theorizing NGO Discourse in Neoliberal Era. Review of International Political Economy. n.11, v.1, p.155-176, 2004.

SANTOS, B. «os processos de globalização» In: Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: afrontamento, 2001.

GINJA, V. Sustentabilidade das ONG’s moçambicanas: aspectos para reflexão. In: Monteiro, A. ONG’s: faces e contra faces na identidade civil moçambicana. Maputo: CEA, 1995. p. 67-71 BALL; DUNN. Organizações não-governamentais: directrizes para uma boa política e prática. Londres: The Commonwealth Federation, 1995.

SAMA, T. B. Conceptualizing Non-Governmental Organizations: Still Searching For a Theory. Department of Social Sciences and Philosophy, University of Jyväskylä, 2013.

MANJI, F. “The missionary position: NGOs and development in Africa”. International affairs. n.78, v.3, p.567-83, 2002.

FOWLER, A. “Building Partnerships between Northern and Southern Development NGOs: Issues for 1990s”. Development in Practice. n.1, v.1, p.5-18, 1991.

PAVIA, J. “A dimensão internacional da transição pós-autoritária em Moçambique: as proposições de Laurence Whitehead”. S/l. s/d.

RIBEIRO, C. Efeitos urbanos das ONGs. As experiências da gestão urbana e do microcrédito em Maputo. Cadernos de Estudos africanos. n.1, p.85-97, 2001.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. Tradução de Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

Publicado
2019-12-27
Seção
Dossiê "Estudos africanos: novas perspectivas historiográficas"