Africanos na Província do Espírito Santo: população escrava e tráfico ilegal

Resumo

Este estudo analisa a participação dos africanos na população escrava do Espírito Santo no século XIX. A partir de relatórios de presidente de Província, recenseamentos e correspondências de secretários de Estado e de chefes de polícia, constatou-se crescimento vertiginoso de cativos no período, com concentração de africanos no sul da Província – grande reduto da lavoura cafeeira – bem como a prática do comércio ilegal de africanos, com desembarques nas praias do Espírito Santo entre 1850 e 1856. No que concerne aos parâmetros das relações sociais construídas pelos africanos na região sul, observou-se que as comunidades formadas assumiram características específicas, com tendências a fecharem-se entre si.

Biografia do Autor

Rafaela Domingos Lago, Universidade Federal do Espírito Santo
Doutora em História pelos Programa de Pós-Graduação em História da UFES. Professora da Faculdade Novo Milênio.

Referências

ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Escravismo e Transição: o Espírito Santo 1850/1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

BAPTIST, Edward E. A Segunda Escravidão e a Primeira República Americana. Almanack. Guarulhos, n.05, p.5-41, 1º semestre de 2013.

CAMPOS, Adriana Pereira. Escravidão, reprodução endógena e crioulização o caso do Espírito Santo no Oitocentos. Topoi, v.12, n. 23, jul.-dez. 2011, p. 84-96.

DAEMON, Basílio Carvalho. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística. Vitória: Tipografia Espírito-santense, 1879.

ENGEMANN, Carlos. De laços e de nós. Rio de Ajneiro: Apicuri, 2008.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro: séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FLORENTINO, Manolo Garcia; GÓES, José Roberto. A Paz das Senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c. 1790-c.1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

MARQUESE, Rafael de Bivar. Feitores do corpo, missionários da mente: senhores letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras, 2004, p. 259-335.

MERLO, Patrícia Maria da Silva. O nó e o ninho: estudo sobre a família escrava em Vitória, Espírito Santo, 1800-1871. Vitória: EDUFES, 2018.

RIBEIRO, Geisa Lourenço. Enlaces e desenlaces: família escrava e reprodução endógena no Espírito Santo (1790-1871). Dissertação (Mestrado em História) — UFES, Vitória, 2012.

SCOTT, Rebecca J. Emancipação escrava em Cuba: a transição para o trabalho livre, 1860-1899. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Campinas: Unicamp, 1991.

SIMONATO, Juliana Sabino. Fazenda Santa Helena: escravidão, bastardia e poder. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em História Social das Relações Políticas. UFES. 2008.

SILVA, Sidney Pereira da. As relações parentais entre escravos: o batismo de escravos em Valença, Província do Rio de Janeiro (1823-1835). In: FALCI, Miridan Britto (org.). Gênero e escravidão. Rio de Janeiro: Encadernação Fátima Franklin, 2009.

SLENES, Robert. Senhores e subalternos no Oeste paulista. In: ALENCASTRO, Luiz Felipe de. História da vida privada no Brasil Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SOUZA, Marina de Mello e. Catolicismo negro no Brasil: santos e minkisi, uma reflexão sobre miscigenação cultural. Afro-Ásia, 28 (2002), 125-146.

Publicado
2019-12-27
Seção
Dossiê "Estudos africanos: novas perspectivas historiográficas"