ENCONTROS E PROCESSOS FORMATIVOS: UMA CONVERSA SOBRE CURRÍCULOS E ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Alexandra Garcia

Resumo


RESUMO

O artigo é fruto de pesquisa desenvolvida na área de currículo, cotidiano e formação de professores. Entende o cotidiano e as experiências vividas como centrais para o estudo dos processos e contextos com os quais nos tornamos professores. Busca compreender as produções de subjetividades e o currículo a partir de processos culturais que produzem os sentidos de docência com os cotidianos e pela busca permanente da invenção de si (KASTRUP, 2005). Discute os encontros como política e prática de formação a ser intencionalmente promovida nos currículos e como método que contribui para a pesquisa no campo da formação de professores. Aborda os processos de produção de conhecimentos, valores e práticas na interação com as representações de docência e escola e a contínua desconstrução e ressignificação dessas representações nos diferentes encontros cotidianos, refletindo sobre o estágio e os currículos da formação docente, usando encontros e narrativas para deslocar e questionar as representações desencantadas e demeritórias sobre “a escola”, “o professor” e “o cotidiano”. Apresenta considerações tecidas a partir do estudo de relatos e narrativas produzidos em atividades com turmas de estágio curricular obrigatório do curso de Pedagogia de uma universidade pública fluminense. Corrobora, assim, a compreensão sobre o caráter coletivo dos processos de formação (CARVALHO, 2009; PRADO e CUNHA, 2009) apoiando-se, sobretudo, na noção de singularidades (NEGRI, 2003) para refletir sobre os diálogos entre as universidades e as escolas, tendo em vista nossas compreensões sobre os currículos e o espaço do estágio na formação de professores.

Palavras-chave: encontros; processos formativos; currículo; estágio supervisionado.

ABSTRACT

The text is the result of a research in the field of curriculum, teacher training and everyday life. Understanding the daily life and experiences as the central points to the study of processes and contexts with which we become teachers. Seeks to understand the subjectivity productions and curricula based on cultural processes that produce the sense of teaching with everyday and the constant quest of inventing itself (KASTRUP, 2005). Discusses the gatherings as a political and practical training to be intentionally promoted in the curriculum and as a method that contributes to the research in the field of teacher education. Presents the processes of knowledge production, values ​​and practices in interaction with representations of teaching and school and continuing deconstruction and redefinition of these representations in different spaces and its sense. Think and discuss the stage and curricula in teacher education from the contribution of encounters and narratives for the displacements and questions about the sad, disenchanted and unmeritorious representations about "school", "teacher" and "the daily life". It features woven from study reports and narratives produced in activities with classes being mandatory traineeship of pedagogy students of a public university in Rio de Janeiro considerations. Thus supports the understanding of the collective nature of the training processes (CARVALHO , 2009; PRADO and CUNHA , 2009) relying mainly on the notion of singularities (NEGRI, 2003) to reflect on the dialogue between universities and schools with a view to our understandings about curriculum and stage in teacher education.

Keywords:Meetings. Formative processes. Curriculum. Supervised.


Texto completo:

PDF

Referências


(RESUMO)

ALVES, N. O Sentido da escola. Petrópolis: DPetrus et alii, 2008.

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. Uma história da contribuição dos estudos do cotidiano escolar no campo do currículo. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. (orgs.) Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002.

ARROYO, M. Indagações sobre currículo: educandos e educadores: seus direitos e o Currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

CALVINO, I. A palavra escrita e a não-escrita. In: FERREIRA, M. M e AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1996.

CARVALHO, J. M. O cotidiano escolar como comunidade de afetos. Petrópolis, RJ: DPetrus et alii, 2009.

CARVALHO, J. M. Potência das redes de conversações na formação continuada com os professores. In: SUSSEKIND, M. L e GARCIA, A. Universidade-Escola: diálogos e formação de professores. Petrópolis: DPetrus et alii, 2011.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1, Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

COSTA, M. V. A escola tem futuro? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

DIAS, Souza. Lógica do acontecimento – Deleuze e a Filosofia: Porto: Afrontamento, 1995.




DOI: https://doi.org/10.22535/cpe.v0i38.7890

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Cadernos de Pesquisa em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.