Arte com a ótica da vida: algumas relações entre fisiologia, estética e cultura em Nietzsche

Gabriel Herkenhoff Coelho Moura

Resumo


O presente artigo tem como objetivo perscrutar a tarefa nietzschiana de ver a arte com a ótica da vida, apresentada pelo filósofo, em 1886, como signo da unidade de sua obra. Para tanto, realizamos uma leitura panorâmica das reflexões de Nietzsche sobre a arte, buscando salientar – em meio às tensões próprias de um pensamento assistemático – os elementos que permitem que o filósofo afirme a existência de uma coerência interna a seus escritos. Nossa hipótese é que a mesma pode ser vista em algumas relações entre fisiologia e estética estabelecidas por ele ao longo de sua trajetória, principalmente, na interpretação da arte e da cultura em geral como expressões de um certo sentido – como direção ascendente ou decadente – da vida. Interessa-nos o fato dessa perspectiva fazer-se presente no período final de sua produção intelectual na ideia de fisiologia da arte, com a distinção entre criação na abundância e no empobrecimento. Além de sintetizar a problemática presente no pensamento nietzschiano desde seus escritos dos anos setenta, tal distinção é importante, sobretudo, por possibilitar que o filósofo apresente-se como alguém capaz de ver, através das expressões culturais, vida forte e fraca, ascendente e decadente, abundante e empobrecida. E é notável – como sugerimos no encerramento do trabalho – que, para fazê-lo, Nietzsche autoencena-se como um décadent que foi capaz de cura e, por isso, conquistou olhos para distinguir, o que pode ser interpretado como estratégia vinculada a seu empreendimento de crítica e transformação da cultura.

Texto completo:

PDF

Referências


ARALDI, Claudemir. As criações do gênio: ambivalências da “metafísica da arte” nietzschiana. Kriterion, Belo Horizonte, 119, 2009, p.118.

BARBERA, Sandro. Goethe contra Wagner: a crítica à metafísica de artista e a mudança de função da arte em Humano, demasiado Humano. In: BRANCO, Maria J., CONSTÂNCIO, João & MARTON, Scarlett (Org). Sujeito, Décadence e Arte: Nietzsche e a Modernidade. Lisboa: Tinta-da-china, 2014.

BURNETT, Henry. Cinco prefácios para cinco livros escritos. Belo Horizonte: Tessitura, 2008.

CAMPIONI, Giuliano. “Verso qual meta si deve viaggiare”. Lettura dell’aforisma 223 da Opinioni e sentenze diverse di Friedrich Nietzsche In: CAMPIONI, G. & VENTURELLI, A (Org.). La “Biblioteca Ideale” di Nietzsche. Napoli, Itália: Guida Editori, 1992.

MACHADO, Roberto (Org). Nietzsche e a polêmica sobre o Nascimento da Tragédia. Rio de Janeiro: Zahar, 2005

MONTINARI, Mazzino. “La Volonté de Puissance” n’existe pas. Trad. Patricia Farrazzi, Michel Valensi. Paris: Éditions de l’Éclat, 1997.

NIETZSCHE, Friedrich. Digitale Kritische Gesamtausgabe Werke und Briefe. Paris: Nietzsche Source, 2009. Disponível em www.nietzschesource.org/eKGWB (último acesso: 16/09/2016)

_____________. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Trad.: J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1993

_____________. Humano Demasiado Humano: um livro para espíritos livres. Trad.: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001

_____________. A Gaia Ciência. Trad.: Paulo César Lima de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

_____________. Assim Falou Zaratustra. Trad.: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

_____________. Genealogia da Moral. Trad.: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009

_____________. Crepúsculo dos Ídolos. Trad. Jorge Luiz Viesenteiner. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

_____________. O Caso Wagner / Nietzsche contra Wagner. Trad.: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

_____________. Ecce Homo: como alguém se torna o que se é. Trad.: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

_____________. Consideraciones Intempestivas In: NIETZSCHE, F. Obras completas II. Trad. E. Ovejero e F. González. Madrid: Aguillar, 1932.

_____________. Segunda Consideração Intempestiva. Trad. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

PASCHOAL, Antonio Edmilson. Autogenealogia: acerca do tornar-se o que se é. Dissertatio, Pelotas, 42, 2015, p. 27-44.

RAMACCIOTTI, Bárbara. Nietzsche: fisiologia como fio condutor. Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 3, n. 1, 2012, p. 65-90.

VIESENTEINER, Jorge Luiz. Nietzsche e o horizonte interpretativo de Crepúsculo dos Ídolos. Philósophos, Goiânia, v.17, n. 2, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Os números da Revista Estudos Nietzsche referentes aos anos de 2010 a 2014 encontram-se no Site: Estudos Nietzsche - PUC/PR