Humano, demasiado humano e a prefiguração da gaia ciência

Roberto de Almeida Barros

Resumo


RESUMO: Humano, demasiado humano dá início a uma nova fase da filosofia de Nietzsche. Após a decepção com o wagnerianismo e o afastamento com respeito à filosofia de Schopenhauer, Nietzsche indica novas bases para as suas reflexões. Neste momento são indicadas as inserções das ciências naturais e da observação psicológica como pressupostos das formulações do autor. Estas mudanças são decisivas para se entender os direcionamentos posteriores, decisivamente no que concerne a formulação da noção de alegre ciência por Nietzsche.

Palavras-chave: Filosofia; ciência; psicologia; arte


Texto completo:

PDF

Referências


BORDENAL, Peter. The Surface and the Abyss. Nietzsche as Phylosopher of Mind and Knowledge. Berlin/New York: Walter de Gruyter, 2010.

HELLER, Peter. „Von den ersten und letzen Dingen“. Berlin – New York: Walter de Gruyter, 1972.

ITAPARICA, André Luís Mota. Crença e Conhecimento em Nietzsche. São Paulo: Cadernos Nietzsche, 37, n2, 2016. 204 – 217.

LOPES, Rogério. Filosofia e ciência: Nietzsche herdeiro do programa de Friedrich Albert Lange. In Miguel Angel de Barrenechea... [et al.]. Nietzsche e as ciências - Rio de Janeiro: 7 Letras, 2011. 13 – 29.

NASSER, Eduardo. Nietzsche e a ontologia do vir-a-ser. São Paulo: Ed. Loyola, 2015.

NIETZSCHE, F. Friedrich Wilhelm. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe (KSA). Ed. G. Colli e M. Montinari. Munchen, de Gruyter/DTV, 1980.

ZIMMERLI, Walter Ch. Nietzsches critic of Thruth and Science. In: Babette Babich & Robert S. Cohen (Org.): Nietzsche, Epistemology and Philosophy of Science. Dobrecht: Springer, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Os números da Revista Estudos Nietzsche referentes aos anos de 2010 a 2014 encontram-se no Site: Estudos Nietzsche - PUC/PR