Emerson, livre de dispepsia: uma inspiração para Nietzsche

Kim Abreu

Resumo


O primeiro objetivo deste artigo é fazer um estudo comparativo de noções e conceitos entre Emerson e Nietzsche com o fio condutor da dispepsia. O segundo objetivo é mostrar como eles se aproximam, a partir da noção de hora em Emerson e de esquecimento ativo em Nietzsche. O terceiro objetivo, mostrar como os dois autores se afastam com relação à afirmação da vida presente. Em Emerson, Deus será o pano de fundo para a autoconfiança e, consequente, afirmação do instante. Em Nietzsche, não existirá Deus e o que se exigirá do indivíduo será sua coragem e dureza, para superação do niilismo, por meio do esquecimento ativo. A solução para o problema da dispepsia, ainda em Nietzsche, será o esquecimento ativo, o amor fati, o eterno-retorno e o além-do-homem. E, em Emerson, será a autoconfiança – self-reliance – a fé no próprio pensamento, enquanto verdadeiro para todos os homens, isto é, o gênio. Espera-se dos resultados que as semelhanças e diferenças entre as concepções de mundo dos dois filósofos sejam mais bem entendidas; e, além disso, que a afirmação nietzschiana de que “Emerson é livre de dispepsia” possa ser compreendida, à luz dos conceitos e noções cotejados. 


Texto completo:

PDF

Referências


ANDLER, Charles. Nietzsche: vida e pensamento, volume I. Tradução de Regina Schöpke, Mauro Baladi. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUC-Rio, 2016.

COLLI, G. & MONTINARI, M. (Org.). Sämtliche Werke: Kritische Studienausgabe (KSA) in 15 Bänden. Berlin/Munique: Walter de Gruyter, 1967-1978.

EMERSON, Ralph Waldo. Essays – first series. Auckland: The Floating Press, 2009a.

________. Essays – second series. Auckland: The Floating Press, 2009b.

________. “O jovem americano” (1844) In: MASTERS, Edgar L. O pensamento vivo de Emerson. São Paulo: Martins Editora, 1961.

________. Ensaios: primeira série. Tradução de Carlos Graieb e José Marcos Mariani de Macedo. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

________. Experiência. Tradução de Heloisa Toller Gomes. Apud CAVELL, Stanley. Esta América nova, ainda inabordável. São Paulo: Ed. 34, 1997.

FRANCO FERRAZ, Maria Cristina. Homo deletabilis: corpo, percepção, esquecimento do Século XIX ao XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

GIACOIA, Oswaldo. Nietzsche: o humano como memória e como promessa. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

HADOT, Pierre. Exercícios espirituais e filosofia antiga. Tradução de Flavio Fontenelle Loque e Loraine Oliveira. São Paulo: É Realizações, 2014.

MARTON, Scarlett. Do dilaceramento do sujeito à plenitude dionisíaca. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 25, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Crepúsculo dos Ídolos. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

________. Genealogia da moral. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

________. Humano, demasiado humano. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

NIEMEYER, Christian (Org.). Léxico de Nietzsche. Tradução de Ernani Chaves (Coordenador). São Paulo: Loyola, 2014.

STACK, George J. Nietzsche and Emerson: an elective affinity. Athens: Ohio University Press, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Os números da Revista Estudos Nietzsche referentes aos anos de 2010 a 2014 encontram-se no Site: Estudos Nietzsche - PUC/PR