Algumas das primeiras influências metodológicas de Nietzsche: Entre Schulpforta e a polêmica da Sprach/Sachphilologie

Victor Campos Silva

Resumo


Resumo: Neste artigo, pretendo estabelecer uma ligação entre as primeiras influências metodológicas de Nietzsche e sua crítica tardia como é o caso do procedimento genealógico. Para tanto, será levado em consideração o tempo e o contexto em que Nietzsche tem sua formação intelectual, observando particularmente as influências de sua formação como filólogo e historiador dos textos clássicos. Trabalha-se aqui com a hipótese de que o engajamento de Nietzsche com seu tempo seja uma marca frequente em seus escritos, de seus experimentos iniciais em Schulpforta, aos anos finais de sua produção filosófica. Observando algumas de suas primeiras influências, fontes e referências, buscamos responder até que ponto há uma relação de complementaridade entre os elementos da metodologia histórico-filológica com o desenvolvimento da forma de crítica que identificamos nos seus escritos tardios como genealogia.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDLER, Charles. Nietzsche, sa vie et sa pensée. Paris: Gallimard, v.1, 1958.

BABICH, Babette E. Nietzsche’s Philology and Nietzsche’s Science: On the “problem of Science” and “fröhliche Wissenschaft”. Paris: Philologicum: Pascale Hummel (ed.), 2009.

______. Future Philology! by Ulrich von Wilamowitz-Moellendorf - Translated by G. Postl, B. Babich, and H. Schmid". New Nietzsche Studies, Volume Four: Nos. 1 & 2, Summer/Fall 2000, pp. 1-33.

BASSETO, Bruno. Elementos da filologia Românica. São Paulo: EDUSP, 2002.

BOECKH August, Encyklopädie und Methodologie der philologischen Wissenschaften, E. Bratuscheck, Leipzig: B. G. Teubner. 1877.

BRITO, de Lemos F., Soldados e Centáuros: Educação, filosofia e messianismo no jovem Nietzsche, 1858-1869. 1 ed. Rio de Janeiro: Mauad X; FAPERJ -2015.

BROBJER, Thomas H., Nietzsche’s Philosophical Context: An Intellectual Biography. In: International Studies, 2008.

______., Why did Nietzsche receive a scholarship to study at Schulpforta?, Nietzsche Studien 30, Berichte, 2008b, pp. 322-328.

CAMPIONI, Giuliano. Friedrich Nietzsche: paixão e crítica da moral heroica, Cadernos Nietzsche 22, 2007, pp. 23-64.

CHAVES, E.. Nietzsche contra Schleiermacher: O Oral e o Escrito em Platão, In: CARVALHO, Ruy; COSTA, Gustavo; MOTA, Thiago (orgs.), Nietzsche-Schopenhauer: ecologia cinza, natureza agônica, Fortaleza: Ed. UECE, 2013, p. 336

JANZ, Curt Paul, Friedrich Nietzsche: Biographie. 3 Vol. München, Wien 1978.

JASPERS, Karl. Nietzsche: An Introduction to the Understanding of His Philosophical Activity. Translated by Charles F. Wallraff and Frederick J. Schmitz. Baltimore: Johns Hopkins, 1997.

JENSEN, Anthony K., Nietzsche’s Philosophy of History, Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

NIETZSCHE, F., Genealogia da Moral.; tradução e notas de Paulo César de Souza. - São Paulo: Companhia das letras, 2009.

______. Crepúsculo dos Ídolos.; tradução e notas de Paulo César de Souza. - São Paulo: Companhia das letras, 2006.

PORTER, J., Nietzsche’s Philology of the future, Stanford University Press; 1ª edition, 2000.

Ribbeck, Otto, Friedrich Wilhelm Ritschl: Ein Beitrag zur Geschichte der Philologie, 2 vols., Leipzig: Teubner, 1879–1881.

SANDYS, John E.. A History of Classical Scholarship, vol. iii: The Eighteenth Century, Cambridge University Press, 1908.

TIMPANARO, Sebastiano. La genesi del metodo del Lachmann. 2. ed. Torino: Liviana, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Os números da Revista Estudos Nietzsche referentes aos anos de 2010 a 2014 encontram-se no Site: Estudos Nietzsche - PUC/PR