Mundo enquanto fenômeno estético ou problema moral? A filosofia trágica do jovem Nietzsche

Resumo

O objetivo do artigo é mostrar que a recusa de uma interpretação moral de mundo é um problema central do pensamento de Nietzsche desde os seus primeiros escritos. Para tal, busca esclarecer três problemas característicos dos seus primeiros textos, quais sejam: 1. O eterno prazer do vir-a-ser que a arte trágica repõe em forma de espetáculo exposta em O nascimento da Tragédia; 2. A justificação do devir apresentada em A filosofia na época trágica dos gregos; 3. A compreensão segundo a qual a relação do humano com a natureza é uma relação estética, criativa, tal como pode ser visto em Verdade e mentira. A recusa de uma interpretação moral de mundo e a eleição da criação como alternativa explicativa, leva a considerar a importância das noções de intuição, imaginação e fantasia. Tais elementos compõem aquilo que se pode chamar de uma filosofia trágica.

Biografia do Autor

José Fernandes Weber, Universidade Estadual de Londrina

Professor do Departaemnto d Filosofia da Universidade Estadual de Lodnrina (UEL);

Doutor em Filosofia da Educação (UNICAMP); 

Mestre em Filosofia (UNICAMP) e Filosofia da Educação (UEM)

 

Graduação em Filosofia (UNIOESTE)

 

Referências

BORSCHE, Tilman; GERRATANA, Federico; VENTURELLI, Aldo (Hrsg.). Centauren-Geburten. Wissenschaft, Kunst und philosophie beim jungen Nietzsche. Berlin: Walter de Gruyter, 1994.

COLLI, Giorgio. Escritos sobre Nietzsche. Trad. Maria Filomena Molder. Lisboa: Relógio D’Água, 2000.

HABERMAS, Jürgen. La critica nihilisya del conocimiento em Nietzsche. In: ____. Sobre Nietzsche y otros ensayos. Trad. Carmen García Trevijano y Silverio Cerra. Madrid: tecnos, 1982. p. 31-61.

MÜLLER, Enrico. Die Griechen im Denken Nietzsches. Berlin: Walter de Gruyter, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A filosofia na idade trágica dos gregos. Trad. Maria Inês Madeira Andrade. Rio de Janeiro: Elfos Editora; Lisboa: Edições 70, 1995.

____. Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Trad. Pedro Süssekind, e Ed. Rio de Janeiro: 7 letras, 2007.

____. Crepúsculo dos ídolos, ou como se filosofa com o martelo. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

____. Ecce homo. Como alguém se torna o que é. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

____. Kritische Studienausgabe, Band 7 (Nachgelassene Fragmente 1869-1874). Berlin: Walter de Gruyter, 1988. (Hrsg. Giorgio Colli und Mazzino Montinari).

____. O nascimento da tragédia. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

____. Sobre verdade e mentira. Trad. Fernando de Moraes Barros. São Paulo: Hedra, 2008.

VENTURELLI, Aldo. Kunst, Wissenschaft und Geschichte bei Nietzsche. Berlin: Walter de Gruyter, 2008.

ROSSET, Clément. Alegria, a força maior. Trad. Eloísa Araújo Ribeiro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000.

SCHOPENHUAER, Arthur. O mundo como vontade e representação, Primeiro tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Editora da UENSP, 2005.

____. O mundo como vontade e representação, Segundo tomo: Suplementos aos quatro livros do primeiro tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Editora da UENSP, 2015.

____. Sobre a ética (Parerga e Paralipomena – v.II, t. II). Trad. Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2012.

Publicado
2018-10-18
Seção
Artigos