O Estatuto e a Topologia do Sujeito em Nietzsche

Autores

  • Alexandre Simões Barbosa UFMG

Resumo

Nietzsche apresenta uma concepção de sujeito do devir que estabelece a figura do eu como objeto imaginário que tem a função de anteparo da experiência do real. Esse sujeito apresenta um fundamento pulsional que define sua produção simbólica, por colocar restrições às possibilidades de inscrição imaginária da experiência do real. No registro simbólico, as representações seguem um trilhamento que produzem figuras autorreferenciadas, progressivamente mais distantes do objeto real. Nietzsche assim apresenta os determinantes das da produção filosófica como construção involuntária de seu autor, na medida em que se afasta dos objetos reais. O objetivo do texto é analisar as implicações da questão do sujeito no limite e o alcance do projeto filosófico de Nietzsche.

Biografia do Autor

Alexandre Simões Barbosa, UFMG

MÉDICO, DOUTORADO EM MEDICINA, POS DOUTORADO EM FILOSOFIA, MEMBRO DOS GRUPOS NIETZSCHE/UFMG E HEGEL/UFMG 

 

Referências

Referências
1. CHAMANA, Roland. & VANDERMERSCH, Bernard. Dicionário de Psicanálise. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2007
2. CONSTÂNCIO, João; BRANCO, Maria João Mayer. As the spider spins. Essays on Nietzsche’s critique and use of language. Berlin/Boston: Walter de Gruyer GmbH & Co. 2012
3. FREUD, Sigmund. As pulsões e seus destinos. Tradução de Pedro Heliodoro Tavares. Obras incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
4. ________. O Inquietante. Obras Completas de Sigmund Freud Volume 154. História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”). Além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). Tradução e notas de Paulo César de Souza. 1.ed. São Paulo: Companhia das Letras, p. 328-376, 2010
5. ________. O Inconsciente. Tradução de Luiz Alberto Hans. Obras Psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006.
6. LACAN Jacques. Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998
7. ________. O Seminário, Livro I: Os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
8. ________. O Seminário, Livro II: O Eu na teoria de Freud e na técnica da Psicanálise. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010
9. NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal. 2ª edição. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
10. ________. Crepúsculo dos ídolos. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
11. ________.Ecce Homo: Como Alguém se torna o que é. 2ª edição. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995
12. ________. A Gaia Ciência. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004
13. ________. Genealogia da Moral. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001
14. ________. Humano Demasiado Humano. Um livro para espíritos livres. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001
15. ________. Humano Demasiado Humano. Volume II. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo, Companhia das Letras: 2008.
16. ________. Sobre a Verdade e a Mentira. Tradução de Fernando de Moraes Barros. São Paulo, Hedra: 2008
17. ________. Estritos sobre Psicologia. Tradução, organização de notas de Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2013

Downloads

Publicado

2018-12-20

Edição

Seção

Artigos