A IDENTIDADE AFRICANA: QUE CAMINHOS?

Paulina Chiziane

Resumo


O meu país, Moçambique, independente a menos de 40 anos, precisa destes espaços para refletir sobre si mesmo e trocar experiencias sobre os caminhos que devemos seguir juntos na busca da nossa identidade. Enquanto nas américas os negros eram escravizados, nós eramos colonizados em Africa, perdendo a identidade dentro do nosso próprio território. A violência da colonização apagou muitos traços da nossa essência. Se perguntar hoje, alguma coisa sobre a história de Africa a um moçambicano, é comum ouvir a seguinte resposta: ´desde o tempo colonial que´… Não consegue visualizar o passado histórico do seu continente. Fala do tempo colonial como se este fosse o ponto de partida de toda a sua existência. É como se não houvesse nada antes da colonização. Mais grave ainda, é como se o colonialismo fosse o criador das nações africanas. Lógico. O colonialismo se esforçou por apagar tudo: a história, a memória, a humanidade, a dignidade, a vida, a transcendência. Por isso é de louvar, a realização de conferências desta natureza que nos ajudam a despertar e a lutar de mãos dadas na reconstrução da nossa identidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.