Territórios de sobrevivência: des-reterritorialização das memórias e traumas de Lucia Murat

  • Ursula Dart Universidade Federal do Espírito Santo
  • Gabriela Santos Alves Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

Este estudo busca analisar de que forma a cineasta Lucia Murat aponta e sublinha para o espectador e para si mesma seu processo de subjetivação partindo da premissa que o faz se inscrevendo através da escrita de si. Para tal, iremos fazer uma análise fílmica de três de seus longas: Que bom te ver viva, Uma longa viagem e A memória que me contam com o intuito de identificar e analisar o recurso audiovisual que a cineasta faz recorrente em sua obra: o olhar para a câmera. A maneira que Lucia arquiteta a ancoragem entre si mesma e o espectador através de tal recurso é o que move este trabalho.

Referências

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2016.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos históricos, Rio de Janeiro, V. 2, No. 3, 1989.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1997.

MCLAREN, Margareth A. Foucault, feminismo e subjetividade. São Paulo: Intermeios, 2016.

SELIGMAN, Marcio. A história como trauma. In Catástrofe e representação: ensaios.

SELIGMAN, Marcio, NESTROVSKI, Arthur (orgs.). São Paulo: Escula, 2000, p. 84

Publicado
2019-10-09