Mundos oníricos do/no ensino da Arte: Os sonhos na Educação Infantil

  • Silvia Carolina Brandão da Costa Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Thamiris de Freitas Brandão Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

Este artigo trata de um diálogo entre os temas sonhos e imaginação, museus e a História da Arte, mais especificamente, o surrealismo. Ao pensar a criança no contexto do ensino da Arte, opta-se por fazer um recorte ao analisar os diferentes conteúdos que dialogam com os campos de experiência na Educação Infantil. Adota, em termos teóricos metodológicos, a abordagem histórico-cultural no campo da psicologia vigotskiana e dialoga com Ostetto (2011), Martins e Picosque (2012), Foerste, Ferreira e Uliana (2018) para pensar a criança, a imaginação e os equipamentos culturais. Para o corpus de análise, utiliza eventos ocorridos durante o Estágio Curricular Supervisionado do Ensino das Artes Visuais na Educação Infantil. Finaliza pondo acento na importância de diversificar atividades e recursos para potencializar a imaginação, os mundos oníricos do/no ensino da Arte nas salas de atividades da Educação Infantil.

Biografia do Autor

Silvia Carolina Brandão da Costa, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Estudante do curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); integrante do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) do curso de Artes Visuais; possui participação no XIII Seminário Capixaba sobre o Ensino da Arte no qual apresentou um relato de experiência acerca do tema "Mulheres Artistas no Ensino Médio: Representatividade e Ausência"; dedica-se a pesquisa voltada para a mulher na História da Arte.

 

Thamiris de Freitas Brandão, Universidade Federal do Espírito Santo
Graduanda do curso de Artes Visuais pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua como professora de Designação Temporária (DT) na disciplina de Arte pela Secretaria de Educação (SEDU). Propôs oficina de Produção de Tintas pelo Núcleo de Artes Visuais e Educação do Espírito Santo (NAVEES) em 2019; participou de exposições coletivas nas áreas de pintura e escultura, dentre elas a "1ª Pocação no Gramado da UFES" (2015), "Enquanto Houver Pintura" (2018) e "Variações" (2018). Possui pesquisa acerca da técnica de aquarela enfatizando o desenvolvimento da percepção humana e o que a influência.
Publicado
2019-09-09