Bioética e zika vírus na imprensa brasileira: reflexões psicossociais

Lassana Danfá, Edclécia Reino Carneiro de Morais

Resumo


RESUMO: A epidemia de Zika vírus tem gerado debates nos mais diversos espaços sociais, devido ao clima de incerteza sobre suas causas e consequências. A sociedade investe expectativas nos poderes públicos e comunidade científica para o oferecimento de soluções para a epidemia. Para a psicologia social, este contexto controverso constitui um campo fértil de reflexão, elaboração e circulação de representações sociais, suscitadas pela interpenetração entre os discursos científicos e os discursos de senso comum. Neste artigo, propomos estudar as reflexões bioéticas sobre zika vírus enquanto fenômeno socialmente construído. Os dados foram coletados entre janeiro de 2015 e agosto de 2016. Foram encontradas 114 matérias (revista Veja=98 e revista Carta Capital=16), que continham nos títulos zika e zika virus. Os textos foram processados através do software iramuteq,que proporcionou a análise de classificação hierarquica descendente e análise fatorial de correspondência. Apresentamos dados comparativos entre duas revistas com posicionamentos politico-ideologicos distintos: Veja e Carta Capital. Esperamos contribuir para o debate sobre processo de ancoragem na construção de objetos sociais via comunicação social. Os resultados obtidos na Carta Capital traz dimensões macrossociais sobre a zika, debruçando em questões ligadas às políticas públicas de saúde, determinantes sociais da doença e iniquidades sociais. A revista Veja aponta para aspectos microssociais, enfatizando uma dimensão intrapessoal. As diferenças ideológicas foram notáveis no posicionamento das duas revistas. De um lado, uma ideologia progressista, que  pode estar relacionado com a ênfase na crítica das políticas públicas, de outro, próximo de uma ideologia neoliberal, colocando relevo no indivíduo como entidade privada.

Palavras-chave: zika; vírus ; bioética; revista; representações sociais.

ABSTRACT: The zika vírus epidemy has generated discussions in many social spaces, due to the uncertain climate about its causes and consequences. The society invests expectations in the public authorities and scientific authorities for the solutions of the epidemic situation.This controversial context constitutes a fertile field of reflection,elaboration and circulation of social representations raised by the interpenetration between scientific and common-sense discourses.We aim to investigate the circulation and polarization of bioethical reflexions about zika virus on brazilian media in the view of social representations. The data were collected between 2015/ january and 2016/ august. 114 press articles were found (Veja Magazine=98 e Carta Capital magazine=16) that contained ¨¨zika¨and ¨zika virus¨ on their titles. The texts were proccessed by the iramuteq software, that provided the hierarchical classification analysis and the factorial matching analysis.We present comparative data between two periodical with distinct ideological political positions. We await to contribute for the debate on the anchorage in the construction of social objects via social communication. The results obtained on Carta Capital show macrossocial dimentions about zika, leaning on questions linked to public health politics, social determinants of disease and social inequities.Veja magazine points to microssocial aspects, emphasizing an intrapessoal dimension. The ideological differences were notable on positioning of the two reviews.In one hand, the progressive ideology, that may be related to tne critical emphasis of public policies; on the other hand near a neoliberal ideology, highlighting the individual as a private entity.

Keywords: zika; virus; bioethics; magazine; social representations.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.