A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA REDE MUNICIPAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

  • Bruna Dalcin Gattiboni
  • Débora Teixeira de Mello

Resumo

Este estudo teve como objetivo investigar o processo de gestão da escola pública e suas implicações nas políticas voltadas à inclusão do público-alvo da educação especial em um município da região central do Estado do Rio Grande do Sul. O percurso investigativo assumiu aspectos da pesquisa qualitativa, corroborando para uma interpretação abrangente da realidade estudada. As buscas por informações perpassaram a coleta por referenciais teóricos a partir de documentos legais e autores que suscitam a discussão referente ao conceito de gestão democrática, à pluralidade teórica que o rodeia e ao seu papel nos processos de produção e reprodução social na escola inclusiva. Para dar sustentabilidade à pesquisa, como instrumento de coleta de dados, foi utilizada a entrevista semiestruturada, realizada com doze professores e a análise dos Projetos Político-Pedagógicos das escolas. Como conclusão, pode-se perceber que a institucionalização do AEE em um município da região central do Estado do Rio Grande do Sul está no início e caminha com passos vagarosos rumo ao que chamamos de inclusão. Ainda pouco se discute a esse respeito, passando a responsabilização da inclusão somente ao AEE e a seus atores. Destaca-se a importância da discussão sobre o AEE, a inclusão e o processo de gestão educacional no contexto estudado.

Palavras-chave: Políticas públicas. Atendimento educacional especializado. Gestão democrática.

Referências

BORDIGNON, G.; GRACINDO, R. V. Gestão da educação: o município e a escola. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. A. D. S. Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL. (Constituição [1988]). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

______. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Unesco.1994.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília/DF, 2011.

______. Estatuto da Pessoa com Deficiência nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Casa Civil, 2015.

______. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. 86 p. (Série Legislação, n. 125).

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). 8. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 1996.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/Seesp, 2008.

_______. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Introdução. Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: MEC, 2009.

DEGENNSZAJH, R. R. Desafios da gestão democrática das políticas sociais. In: ________. Capacitação em serviço social e política social: módulo 3. Brasília: UNB; Cead, 2000.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Tradução de Luiz F. B. Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

______. A ordem do discurso. 15. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2007b.

______. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

JOBERT, B.; MULLER, P. L’état en action. Paris: Puf, 1987.

MAZZOTA, M. J. S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.

MENEZES, E. C. P. A maquinaria escolar na produção de subjetividades para uma sociedade inclusiva. 2011. 189 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2011.

PESSOTTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: Queiroz/Edusp. 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL. Plano Municipal de Educação. 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL. Projeto Político-Pedagógico. 2011.

PREFEITURA MUNICIPAL. Projeto Político-Pedagógico. 2016.

SANTOS, B. S. A construção multicultural da igualdade e da diferença. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 1995, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1995.

SCHMIDT, M. L. S. Pesquisa participante: alteridade e comunidades interpretativas. Revista de Psicologia, USP, n. 17, p. 11-41. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/3051/305123710008/. Acesso em: 12 ago. 2016.

SILVA, M. O. Epopéia ignorada: a história da pessoa deficiente no mundo de ontem e de hoje. São Paulo: Cedas, 1987.

VEIGA, I. P. (org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, São Paulo: Papirus, 2006.

Publicado
2019-07-04
Seção
Artigos - Fluxo Contínuo