SINALIZAÇÃO DE TERMOS QUÍMICOS EM LIBRAS: NECESSIDADE DE PADRONIZAÇÃO

  • João Paulo Stadler

Resumo

As terminologias científicas apresentadas aos alunos surdos carecem de sinalização oficial em dicionários da Língua Brasileira de Sinais, motivando trabalhos que promovam a discussão e criação desses termos em pequenos grupos. Visando a verificar similaridades e diferenças entre sinalizações para ÁTOMO e SUBSTÂNCIA, usados por diferentes grupos em Curitiba, e sinais publicados em trabalhos de pesquisa, procederam-se a entrevistas com um professor bilíngue, com tradutores e intérpretes de língua de sinais, a fim de caracterizá-los e compará-los nos parâmetros de execução de sinais. Evidenciou-se que todos os sinais são diferentes entre si, o que pode ocorrer devido ao intenso regionalismo observado na Língua Brasileira de Sinais, à falta de divulgação dos sinais e à realização dos trabalhos acadêmicos em conjunto com pequenos grupos da comunidade surda. Diante disso, a necessidade de padronização se baseia na melhoria do processo de aprendizagem e no melhor acesso a exames em larga escala, minimizando problemas decorrentes da troca de tradutores ou de professores.

Palavras-chave: Sinais específicos. Ensino de surdos. Libras.

Referências

ARAÚJO, M.; MARTINS, P. I.; SILVA, W. S. Estudando a terminologia das ciências naturais: as composições em revistas de divulgação científica. Cadernos de Terminologia, São Paulo, n. 4, p. 57-78, 2011.

BRANDÃO, F. Dicionário ilustrado de libras: língua brasileira de sinais. São Paulo: Global, 2011.

CANO, W. M. Prefixação no Vocabulário Técnico-Científico. Rev. Alfa, São Paulo, v. 42, p. 71-91, 1998.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. (ed.). Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira: Libras. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

DORZIAT, A.; ARAÚJO, J. R. O intérprete de língua de sinais no contexto da educação inclusiva: o pronunciado e o executado. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 18, n. 3, p. 391-410, jul./set., 2012.

FERNANDES, S. Educação de surdos. Curitiba: IBPEX, 2011.

FIGUEIRA, A. S. Material de apoio para o aprendizado de Libras. São Paulo: Phorte, 2011.

JORDÃO, U. V. O que dizem os intérpretes de Libras do Sudeste Goiano sobre formação e atuação. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

LINDINO, T. C. et al. Química para discentes surdos: uma linguagem peculiar. Revista Trama, Marechal Cândido Rondon, v. 5, n. 10, p. 145-158, 2009

LIRA, G. de A.; SOUZA, T. A. F. Dicionário da língua brasileira de sinais. Disponível em: http://www.acessobrasil.org.br/libras/. Acesso em: 27 mar. 2019.

MARINHO, M. L. O ensino de biologia: o intérprete e a geração de sinais. 2007. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

PORTO, N. S. G. A atuação dos TILS no processo de construção de sinais na área de conhecimento das ciências exatas: qualificando o ensino dos surdos. Caderno de Letras, n. 22, jan./jul. 2014.

SALDANHA, J. C. O ensino de química em língua brasileira de sinais. 2011. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências na Educação Básica) – Universidade do Grande Rio “Prof. José de Souza Herdy”, Duque de Caxias – RJ, 2011.

SILVA, V.; SILVA, F. I. A criação de novos sinais na disciplina de informática do Curso de Educação de Jovens e Adultos Surdos com Profissionalização em Desenho Técnico: iniciando uma leitura. Palhoça – SC: Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos, Instituto Federal de Santa Catarina, 2012.

SOUZA, S. F.; SILVEIRA, H. E. Terminologias químicas em Libras: a utilização de sinais na aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 37-46, 2011.

SPERB, C. C.; LAGUNA, M. C. V. Os sinalários na língua de sinais: como surgem os sinais?. In: ENCONTRO DO CÍRCULO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO SUL, 9., 2010, Chapecó, Anais [...]. Chapecó, 2010.

VALES, L. S. Pequeno dicionário regional de libras para artes. 2008. Monografia (Especialização em Pedagogia da Arte) – Faculdade de Arte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

Publicado
2019-07-04
Seção
Artigos - Fluxo Contínuo