Estado de Exceção e Distopia em O Processo, de Franz Kafka

Luiz Fernando Soares Pereira

Resumo


O objetivo do presente texto é analisar a presença do estado de exceção na obra O Processo de Franz Kafka, publicada postumamente em 1925. O estudo pretende aprofundar-se no inquérito movido contra o personagem Joseph K, que mesmo sem saber do que se trata, precisa se defender, e o faz – traçando duras críticas ao sistema jurídico – levantando vários aspectos de abuso de poder cometido pelo judiciário que conduz o processo. Pretendo analisar o contexto histórico da obra, as influências sobre o autor e como o estado de exceção pode ser visto como um fator distópico, na qual um determinado regime totalitário, democrático ou judiciário submete um indivíduo ou grupos da sociedade a arbitrariedades, valendo-se da tirania; causando uma ausência de expectativa e progresso, além do deslocamento do indivíduo no espaço social – gerando sobre ele uma distopia. Com o auxílio da teoria da história abordarei a crise da modernidade no século XX e a mudança na visão de futuro e de história nesse período.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.